Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Luta pela honestidade

Não existe ditadura do Judiciário no Brasil, diz juiz Marcelo Bretas

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal no Rio de Janeiro, rechaçou nesta segunda-feira (12/6) a ideia de que haveria uma “ditadura do Judiciário” no país e defendeu a luta contra a corrupção.

Para Marcelo Bretas, a "lava jato" não sofrerá interferências de políticos.
Cauê Diniz

"Nós temos todos um inimigo comum e se chama corrupção. Nós não somos favoráveis ao que se chama de ditadura do Poder Judiciário. Isso não existe, não é a nossa percepção. A ditadura que nós perseguimos, e defenderemos sempre, é a ditadura da honestidade", disse Bretas, que é responsável pela operação “lava jato” no Rio, ao receber a medalha Pedro Ernesto, mais alto reconhecimento da Câmara de Vereadores da capital fluminense.

Ele considerou que, apesar das críticas, a “lava jato” não corre riscos graças à maturidade da sociedade. "Eu recebo as críticas com muita cautela. Eu jamais diria que não há excessos, que não há erros. Juízes erram, ministros erram, desembargadores erram. O importante é que queiramos acertar. Não devemos temer ataques. Obviamente, se alguém está implicado em uma investigação, não há de se esperar elogios à operação."

Sobre os rumos da operação, o juiz afirmou que a sociedade pode esperar comprometimento da Justiça no combate à corrupção. “Não vale à pena ser desonesto. O nosso trabalho é oferecer à sociedade este sentimento de que estamos mudando e vamos mudar para melhor, certamente”, destacou.

Responsável junto com Sergio Moro pela prisão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), Bretas disse não acreditar em ataques ao Judiciário por parte de membros do Executivo e Legislativo.

“Eu não temo. Pode haver? Sim. Mas eu confio no Estado de Direito, confio no Estado brasileiro. A nossa população tem se mostrado muito atuante. As instituições de hoje são diferentes de dez anos atrás. Eu creio no nosso Judiciário.” Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2017, 18h12

Comentários de leitores

6 comentários

apenas uma importante colaboradora

Justus (Jornalista)

Claro que a ditadura não é do judiciário... quem sabe ele apenas seja um colaborador.

Não, não é ditadura...

pj.branco (Advogado Autônomo - Civil)

É apenas uma situação em que "o Direito é aquilo que o tribunal diz que é". E "pronto e acabou". Leis e boas doutrinas? "Bolas" pra elas, pois deve prevalecer a famosa e nefasta "prática".

Em causa própria

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A história registra que todas as ditaduras existentes na história se autodenominaram democracias. Assim, a fala do Magistrado em questão é algo absolutamente sem nenhum sentido.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.