Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falso sucesso

MP do Rio de Janeiro denuncia nove PMs por receberem propina de traficantes

O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou sargentos do 16º Batalhão da Polícia Militar por corrupção passiva. Eles são acusados de receber propina para ajudar o Terceiro Comando Puro a manter seu domínio sobre a Cidade Alta, na zona norte do Rio, durante confronto com o Comando Vermelho, em 2 de maio.

Na ocasião, um grupo de 100 homens do Comando Vermelho invadiu a Cidade Alta com o objetivo de retomar o ponto de venda de drogas. Após troca de tiros durante a madrugada, a polícia chegou, apreendeu 36 fuzis e prendeu 45 pessoas — todas da facção invasora. A operação foi considerada um sucesso pela secretaria de Segurança Pública do estado.

Mas um dos detidos contou que ele e outros 25 só se entregaram à polícia porque pensaram que os agentes que atuavam na operação eram aqueles que o grupo havia subornado para que facilitassem a retomada da Cidade Alta.

De acordo com o MP, o traficante fez a denúncia por se sentir enganado pelos policiais. Há suspeita de que os policiais também tenham recebido propina nas outras tentativas da facção de retomar o território, já que todas ocorreram quando o mesmo grupo de sargentos estava em serviço.

A pedido dos promotores, a juíza Tula Mello, da 20ª Vara Criminal da capital, determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos policiais. Na denúncia, o MP requereu a conversão da prisão temporária dos policiais em preventiva. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2017, 18h29

Comentários de leitores

1 comentário

Competência da JM

Rogério Brodbeck (Advogado Autônomo - Civil)

Se o delito foi cometido pelos policiais militares estando eles em serviço estará tipificado como "crime militar" falecendo, portanto, competência ao MP atuar e por consequência também à Justiça comum, devendo ser objeto de IPM e de crivo posterior da Justiça Militar e de Promotor Militar.

Comentários encerrados em 21/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.