Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ganhou, responde

Advogado que recebeu sucumbência deve integrar polo passivo de ação rescisória

Todos os beneficiados por decisão judicial devem integrar o polo passivo de ação rescisória, incluindo advogados que receberam honorários de sucumbência. Com base nesse entendimento, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça determinou a integração de advogados no polo passivo de ação rescisória que busca desconstituir sentença que aceitou pedido de indenização em favor de um homem de 103 anos.

“A ação rescisória, quando busca desconstituir sentença condenatória que fixou honorários advocatícios sucumbenciais, deve ser proposta não apenas contra o titular do crédito principal formado em juízo, mas também contra o advogado em favor de quem foi fixada a verba honorária de sucumbência, porque detém, com exclusividade, a sua titularidade”, disse o relator do caso, ministro Moura Ribeiro.

Após sentença transitada em julgado que reconheceu o direito ao recebimento de indenização, o idoso apresentou pedido de cumprimento de sentença contra a instituição financeira de mais de R$ 8 milhões, dos quais mais de R$ 1 milhão correspondiam a honorários advocatícios sucumbenciais.

Ilegitimidade passiva
A instituição financeira entrou com ação rescisória, alegando que haveria nulidade no processo. Segundo ela, a sentença condenatória foi contrária à prova dos autos. No curso da rescisória, o Tribunal de Justiça do Ceará reconheceu a ilegitimidade passiva dos advogados que atuaram pelo idoso no processo de conhecimento.

Segundo o tribunal, “o entendimento jurisprudencial vem se firmando no sentido de que os causídicos do vencedor da lide podem ser incluídos no polo passivo da ação rescisória, mas quando estiverem em discussão essencialmente as verbas sucumbenciais, o que não é o caso dos autos”.

Ampla defesa
Contrário à decisão, o banco interpôs recurso especial. De acordo com o ministro Moura Ribeiro, não há nenhuma disposição legal específica indicando que apenas quem foi parte no processo matriz poderá figurar no polo passivo da ação rescisória. Na prática forense, afirmou, isso é o mais comum, mas essa regra comporta exceções.

“Se a legitimidade passiva é definida, essencialmente, a partir do pedido formulado, não há nenhum obstáculo de ordem técnico-jurídica que impeça a atribuição da legitimidade passiva a quem não tenha sido parte no processo matriz”, disse Moura Ribeiro.

“Desde que essa pessoa tenha obtido, por meio da sentença rescindenda, a certificação de uma situação jurídica que lhe seja favorável”, concluiu o ministro, “terá ela interesse na manutenção do decisum, ostentando, por isso, a legitimidade passiva para figurar na ação rescisória.”

Segundo o relator, sem o reconhecimento da legitimidade dos advogados para figurarem no polo passivo da demanda, não estaria plenamente assegurado o direito constitucional à ampla defesa e ao contraditório.

Mudança de realidade
No ano passado, a mesma 3ª Turma reconheceu em outro processo que, quando o autor de ação rescisória consegue mudar decisão já transitada em julgado, pode apresentar novo processo para cobrar de volta os honorários de sucumbência pagos ao advogado da parte contrária. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1.651.057

* Texto atualizado às 19h15 do dia 13/6/2017 para acréscimo de informações.

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2017, 18h45

Comentários de leitores

5 comentários

Critica da impossibilidade da afirmação do STJ

Leomir Gutierres (Administrador)

Ate onde eu sei, advogado tem é postulatória, e postulatória em nome alheio pelo direito alheio. Eu sou meio burro pra criticar o STJ, visto que nem na OAB fui capas de passar, mas o que ocorreu com a legalidade. E de obrigação exclusiva do Congresso nacional, nos termos do art. 49, X da Constituição, de por um freio neste judiciário legislador, e julgá-lo por suas responsabilidades criminais. Diante se necessário, é resguardada a competência privativa do Senado Federal e cassar o ato administrativo maior da Suprema Corte, que são as ADIM, nos termos do Art. 49, XI da Constituição Federal.

Comentário ao publicado

Leomir Gutierres (Administrador)

E o Juiz da sentença, não tem obrigação não? O advogado é parcial, agora o juiz tem o poder residual do processo inquisitivo pela busca da verdade real. O dever de não se pode abster de julgar causa é na falta de lei, norma, não da evidencia da existência do direito. Ele é o mais responsável.

Honorários de Sucumbência

Boris Antonio Baitala (Advogado Autônomo - Civil)

Esquece o Tribunal, que o advogado trabalhou e recebeu pelo seu patrocínio conforme admite a lei processual. Embora a ação rescisória esteja a perquirir a rescisão do julgado, esqueceu o julgador que o advogado prestou serviço. Se a verba de sucumbência possa vir a causar encargo à parte que pretende a rescisão, deve essa parte fazer integrar ao pedido rescisório, o equivalente à verba de sucumbência. Não fosse assim, deveriam também devolver remuneração, todos aqueles que trabalharam no processo e foram remunerados - Juízes, promotores, auxiliares da justiça. O advogado não foi o único que trabalhou no processo, portanto, se prestou serviço e foi vitorioso, deve ser remunerado. Há tempos atrás, houve uma corrente de juízes que pretendiam impor um chamado "Direito Alternativo". Parece que conseguiram. Não se julga mais com a lei, mas pela conveniência e pela opinião do julgador, mesmo que esteja fora do contexto legal. Uma lástima!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.