Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Volta às urnas

Candidatos ao governo do Amazonas não podem ser presos a partir de sábado (22)

O Tribunal Superior Eleitoral divulgou que, pelo calendário eleitoral da nova eleição para governador e vice-governador do Amazonas, nenhum candidato poderá ser detido ou preso a partir deste sábado (22/7), exceto se for flagrado cometendo crime. A regra vale até 48 horas após a votação, marcada para 6 de agosto.

Amazonenses voltam às urnas em 6 de agosto para escolher governador.
TSE

A cadeira tem sido ocupada pelo presidente da Assembleia Legislativa, David Almeida, depois que o TSE cassou os mandatos do então governador, José Melo (Pros), e de seu vice, José Henrique Oliveira, por compra de votos durante a campanha de 2014.

Concorrem ao Executivo estadual Amazonino Mendes (PDT), Eduardo Braga (PMDB), José Ricardo Wendling (PT), Liliane Araújo (PPS), Luiz Castro (Rede), Marcelo Serafim (PSB), Rebecca Garcia (PP) e Wilker Barreto (PHS).

De acordo com o TSE, restringir a prisão de candidatos tem o objetivo de garantir o equilíbrio da disputa eleitoral e prevenir manobras. Mesmo se houver prisão ou detenção em flagrante, o candidato deve ser levado imediatamente a um juiz, que analisará se o ato é legal.

A norma, estabelecida no parágrafo 1º do artigo 236 do Código Eleitoral (Lei 4.737/65), também é válida em caso de segundo turno e poderá voltar a vigorar no dia 13 de agosto. Se houver, o segundo turno da eleição para o governo amazonense ocorrerá no dia 27 de agosto.

Evidências
José Melo foi cassado em maio, quando o Plenário do TSE atendeu pedido de chapa encabeçada pelo senador Eduardo Braga (PMDB), que agora é um dos candidatos. Segundo a coligação, uma sala reservada no comitê da campanha adversária ofereceu a eleitores cestas básicas, ajuda de custo para formandos e até preparação de túmulos.

O repasse seria intermediado pela dona de uma empresa contratada pelo governo estadual para prestar segurança em Manaus durante a Copa do Mundo. A defesa negou as acusações, mas a corte viu “um conjunto probatório robusto”, incluindo recibos em nome da mesma mulher e de Evandro Melo, irmão do governador e coordenador da campanha.

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, chegou a suspender as eleições de agosto, mas a medida foi derrubada pelo decano da corte, ministro Celso de Mello. Com informações da Assessoria de Imprensa do TSE.

Revista Consultor Jurídico, 20 de julho de 2017, 12h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.