Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Conjunto de elementos

Moro nega embargos de Lula e diz que notícia sobre triplex tem valor de prova

O juiz federal Sergio Moro rejeitou, nesta terça-feira (18/7), embargos de declaração apresentados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra sentença que o condenou a 9 anos e 6 meses de prisão. A defesa havia questionado dez pontos da decisão, mas o juiz não viu motivo para reformular nenhum trecho.

Para os advogados de Lula, por exemplo, o juiz não poderia ter assinado a condenação com base em informações divulgadas pela imprensa. Na sentença, Moro citou duas reportagens do jornal O Globo, de 2010 e 2014, que atribuíram ao ex-presidente um triplex em Guarujá (SP) — imóvel que, segundo o Ministério Público Federal, foi dado pela empreiteira OAS em troca de favorecimento em contratos da Petrobras.

Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão; segundo Moro, ele recebeu triplex como propina da construtora OAS.
Reprodução

Os criminalistas Cristiano Zanin Martins, Roberto Teixeira, José Roberto Batochio e Valeska Zanin Martins diziam ver com “temeridade” o uso de textos jornalísticos como indícios da prática de crime. Afirmaram ainda que Moro foi contraditório ao basear-se nas notícias, pois havia declarado em audiência que só julgaria com base nas leis e nas provas do processo.

Moro respondeu que viu o jornal O Globo como um “entre vários elementos probatórios, que tornam inconsistente o álibi da defesa de que qualquer discussão sobre o apartamento triplex só teria surgido em dezembro de 2013”. “Não toma o juízo a matéria como verdadeira por si só, mas como um dos vários outros elementos probatórios nesse sentido”, afirmou na nova decisão.

A defesa disse ainda que o juiz ignorou outros elementos de prova, como procedimentos da Controladoria-Geral da União e auditorias que não apontaram ilícitos na Petrobras. Moro afirmou que, se seguisse esses documentos, os ex-diretores Paulo Roberto Costa, Renato de Souza Duque e Nestor Cerveró seriam todos absolvidos.

OUTRAS AÇÕES CONTRA LULA

13ª Vara Federal de Curitiba:
> Acusado de ganhar imóveis da 
Odebrecht
, em troca de contratos
da Petrobras;
10ª Vara Federal de Brasília:
> Acusado de tentar evitar delação
premiada
de Nestor Cerveró;
> Acusado de fazer BNDES ajudar 
Odebrecht
, em troca de palestras
remuneradas;
> Acusado de comprar caças 
suecos e manter benefícios fiscais

da MP 627/2003 em troca de 
R$ 2,5 milhões a uma empresa de 
Luis Cláudio Lula da Silva.

Ele negou ainda cerceamento de defesa, parcialidade no julgamento e falhas na dosimetria da pena, entre outros questionamentos.

E aproveitou para criticar a estratégia dos advogados: “Sim, a defesa pode ser combativa, mas deve igualmente manter a urbanidade no tratamento com as demais partes e com o julgador, o que, lamentavelmente, foi esquecido por ela em vários e infelizes episódios”.

Destino do dinheiro
O juiz só aceitou os embargos de declaração da Petrobras para reconhecer que, caso Lula e outros réus paguem reparações de danos ou percam bens, o valor será repassado à estatal. “Embora a ver do Juízo isso estava implícito na sentença, não há óbice em deixá-lo explícito”, afirmou.

Cabe agora à defesa de Lula recorrer ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região. O executivo José Adelmário Pinheiro Filho, ex-presidente da OAS, apresentou pedido de apelação nesta terça, em ofício de uma página.

Clique aqui para ler a decisão.
5046512-94.2016.4.04.7000

Revista Consultor Jurídico, 18 de julho de 2017, 15h32

Comentários de leitores

10 comentários

O Torquemada Moro

Raimundo Boaventura Santana de Deus (Estudante de Direito - Civil)

Causa-me espécie os "torcedores" do caos e do estado policial. Com conhecimento jurídico, seria má-fé, sem esse pressuposto, nada mais que ignorância.
Aqui não se quer defender aprioristicamente o ex mandatário, trata-se, tão somente, de obedecer as leis vigentes.
Ora, se querem condená-lo sem provas, pelo menos mudem as leis, julgar contrário à lei é, antes de tudo, um atentado ao estado democrático de direito.
Se juízes, promotores e delegados querem ser legisladores, gestores públicos ou animadores de auditório, que o sejam, basta que lancem mão da descompatibilização (larguem o osso!) e assumam tais funções. Por sinal bem lucrativa, que o diga os doutos palestrantes lavajatenses.
Pimenta nos olhos dos outros... Arde, e muito!

Engraçado

Johnny1 (Outros)

como existem muitos capachos do lulopetismo até mesmo no mundo jurídico, no qual se exige o mínimo conhecimento de legislação.
dá quase vergonha alheia, sqn...

Se baseia em noticiário d'O Globo

Fernando Lira (Outros - Internet e Tecnologia)

Da mesma Globo condenada a pagar mais de 1 milhão em indenização aos donos da Escola Base?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.