Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Presunção afastada

Danos morais à pessoa jurídica exigem prova de prejuízo à imagem, reafirma STJ

Pessoas jurídicas só podem ser indenizadas por danos morais quando há comprovação fática, pois somente nas situações que envolvem pessoa física é possível o dano moral in re ipsa, presumido, que decorre naturalmente do próprio fato. Assim entendeu a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao derrubar condenação de uma empresa que alterou unilateralmente um contrato verbal.

Os juízos de primeiro e segundo grau, em Pernambuco, entenderam que a outra parte sofreu dano moral quando passou a ser cobrada pelo pagamento antecipado dos produtos.

Já a ministra Nancy Andrighi, relatora do caso, disse que o entendimento do Tribunal de Justiça local contrariou a jurisprudência do STJ, pois não foi comprovado de que forma a alteração unilateral do contrato poderia ter afetado a imagem da outra empresa.

“É inegável que, ao exigir pagamento antecipado para a disponibilização de seus produtos, a recorrente impôs pesado ônus comercial sobre a recorrida, mas isso constitui um ato que — para além da esfera patrimonial — é incapaz de gerar dano moral, isto é, de natureza exclusivamente extrapatrimonial”, escreveu a ministra.

Segundo Nancy Andrighi, o ordenamento jurídico permite a condenação por danos morais impostos a pessoa jurídica, mas é preciso comprovação de danos à honra objetiva da empresa, algo que varia de caso a caso e precisa ser observado pelo magistrado responsável pela demanda. O voto foi seguido por unanimidade. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Clique aqui para ler o acórdão.
REsp 1.637.629

Revista Consultor Jurídico, 28 de janeiro de 2017, 12h13

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.