Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Malandragem profissional

Advogado acusado de enganar clientes não pode atuar em novos processos

O Superior Tribunal de Justiça só admite Habeas Corpus no lugar de Recurso Ordinário em caso de flagrante ilegalidade. Por não enxergar essa situação, a presidente da corte, ministra Laurita Vaz, negou pedido de liminar a um advogado suspeito de estelionato e apropriação indébita previdenciária. Ele foi acusado de prometer ajuizar ações no interesse de seus clientes, mas, em vez disso, teria recebido os honorários acordados sem ajuizar os feitos nem restituir os valores.

O advogado impetrou HC no STJ contra acórdão do Tribunal de Justiça da Paraíba, que, ao julgar outra ação constitucional dessas, concedeu parcialmente a ordem para substituir a prisão preventiva por medidas cautelares alternativas.

Além de proibi-lo de se ausentar da comarca e de determinar seu comparecimento periódico em juízo, o TJ-PB impôs ao advogado a suspensão parcial do exercício profissional, impedindo-o de celebrar novos contratos de prestação de serviços na Paraíba, sem prejuízo da atuação nos processos já em curso.

No STJ, o advogado alegou que sofre constrangimento ilegal, pois a proibição de contratar novas causas estaria provocando “sérios problemas financeiros”, visto que é casado e tem quatro filhos.

Jurisprudência do STJ
De acordo com a ministra Laurita Vaz, o entendimento jurisprudencial da 5ª e da 6ª Turma do STJ é no sentido de não admitir HC em substituição ao Recurso Ordinário, sem prejuízo do deferimento da ordem, de ofício, em caso de flagrante ilegalidade.

No caso, a ministra não verificou a probabilidade do direito alegado, “indispensável ao provimento de urgência”.

Para a presidente do STJ, o pedido de liminar “tem natureza satisfativa, de modo a não recomendar a sua concessão sem a tramitação completa do Habeas Corpus”, que será julgado na 5ª Turma, sob a relatoria do ministro Reynaldo Soares da Fonseca. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 384.679

Revista Consultor Jurídico, 22 de janeiro de 2017, 13h06

Comentários de leitores

8 comentários

Como?

rode (Outros)

Trânsito em julgado das ações não ajuizadas?
Qual crime? Estelionato, ora!

Superficialidade

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Li a reportagem, e não encontrei o principal: trânsito em julgado das ações nas quais supostamente foi reconhecido que o advogado teria recebido honorários e não ajuizado ações. Por outro lado, como advogado militante fico pensando que espécie de clientes seriam esses que pagam o advogado adiantado, considerando que na advocacia hoje praticamente 98% do trabalho é feito com a cláusula quota litis, na qual o cliente não desembolsa nada. Finalmente, vale dizer: que crime é esse? No caso, haveria um descumprimento contratual, que não ensejaria prisão nem nada do gênero. Claro, nos dias de hoje tais espécies de questionamentos pouco importam, vez que a superficialidade com que os temas são tratados são a regra.

Deixa de ignorância!

rode (Outros)

Um estelionato praticado por um juiz é exoneração na certa!
Se liga.
Denuncia e acontece!
Não acontece é na OAB, que considera muita coisa normal.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.