Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cobrança ilegal

Receita ignora TRF-4 e inclui taxa portuária no cálculo de imposto

Os valores pagos pelos serviços de capatazia (movimentação de mercadorias em portos, incluindo sua conferência) não podem incidir no cálculo do imposto de importação. A vedação está em vigor na região Sul por força da Súmula 92 do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, com jurisdição nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Apesar disso, a Receita Federal vem aplicando a cobrança.

A saída das empresas tem sido recorrer ao Judiciário. Na primeira instância o entendimento também tem sido em favor do contribuinte. Na 3ª Vara Federal de Itajaí (SC), o juiz Alexandre Lira de Oliveira acolheu mandado de segurança de empresa que queria evitar de pagar o imposto indevido.

Em um dos casos, o desembargador Otávio Roberto Pamplona, do TRF-4, explicou o motivo da cobrança ser ilegal: “A legislação estabelece que o valor aduaneiro compreende as despesas ocorridas até o porto de destino ou local de importação. Logo, as despesas ocorridas dentro do porto, com a capatazia, não podem ser incluídas no conceito de valor aduaneiro e consequentemente, não podem ser consideradas no cálculo do imposto de importação”.

Em outra ação, o desembargador Johonsom Di Salvo, do TRF-4, ressalta que se a cobrança ilegal foi feita e paga pelo importador, o Estado deverá ressarci-lo.  “Reconhece-se em favor da impetrante o direito à compensação de valores eventualmente pagos a título de imposto de importação tendo na base de cálculo também as despesas aqui mencionadas. A compensação  poderá ser feita com outros tributos administrados pela Receita Federal”, disse o julgador.

"O impacto dessa ilegalidade é muito negativo e afeta praticamente todos os setores da atividade produtiva no Brasil", alerta o advogado Eduardo Bitello, diretor da área de tributos do Grupo Marpa Gestão Tributária Ele diz que apesar do alcance da Súmula 92 estar limitado ao TRF4-, seus fundamentos vêm sendo invocados em processos judiciais nas outras regiões do país, especialmente em São Paulo e no Nordeste.

Revista Consultor Jurídico, 21 de janeiro de 2017, 7h18

Comentários de leitores

1 comentário

Rio grande do sul

O IDEÓLOGO (Outros)

Os melhores Juízes e Desembargadores estão no Rio Grande do Sul, que superou São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Distrito Federal.
As melhores sentenças e acórdãos são originários do TRF 4, Tribunal Regional do Trabalho da 4a. Região e TJRS.
Não é sem receio que, igualmente, Bruno Miragem, Cláudia Lima Marques, Lenio Streck, Roselaine dos Santos Esmério Chiavenato, Rogério Favreto, Leandro do Amaral D. Dornelles, Juarez Freitas, Maria Isabel de Azevedo Souza,Francisco Rossal de Araujo, Luiz Felipe Silveira Difini, além de outros.

Comentários encerrados em 29/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.