Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Marcha lenta

Juiz proíbe aumento de velocidade nas marginais de São Paulo

Quando programas políticos provocam resultados estatísticos favoráveis, tornam-se precedentes administrativos que só podem ser modificados com estudos e substancial fundamentação. Assim entendeu o juiz Luiz Manuel Fonseca Pires, da 4ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, ao conceder liminar proibindo a prefeitura da capital paulista de aumentar as velocidades máximas das marginais Pinheiros e Tietê.

Entre julho de 2015 e junho de 2016, o número de acidentes fatais caiu 52% na comparação com o mesmo período anterior (de 2014 a 2015).
Reprodução

A medida foi anunciada pelo prefeito João Doria (PSDB) contra a redução determinada em 2015 na gestão do antecessor, Fernando Haddad (PT) — a pista expressa, com limite de 90 km/h, passou para 70 km/h, por exemplo. O aumento, porém, foi questionado pela Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade).

A autora apontou que, entre julho de 2015 e junho de 2016, o número de acidentes fatais caiu 52% na comparação com o mesmo período anterior (de 2014 a 2015), além da queda de atropelamentos com mortes — de 18 para 0 na marginal Tietê —, sem impacto negativo no tráfego, pois a redução média de congestionamento atingiu 8%.  

O juiz afirmou que a redução da velocidade encontra-se dentro de um contexto de política pública relacionada à mobilidade urbana e que resultou em “acentuado declive dos casos de morte”. Para alterá-lo, segundo ele, é necessária “fundamentação contextualizada” das razões pelas quais a política deve ser interrompida.

Para Fonseca Pires, “programas políticos que se estendem além de mandatos de representantes eleitos, e que se alicerçam em políticas globais de efetivação de funções públicas e trazem resultados estatísticos favoráveis às teses e medidas propostas, passam a constituir, ao longo do tempo, precedentes administrativos e não podem ser ignorados sem que haja substancial fundamentação, sob pena de caracterização de um retrocesso social”.

“Sem estudos prévios, alternativas concretas a manter os índices satisfatórios alcançados de drástica redução dos eventos de morte nas marginais, não há fundamento jurídico na eliminação de um programa que atinge os objetivos alhures anunciados.” Ainda cabe recurso.

Quando Haddad reduziu as velocidades, a seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil chegou a apresentar ação civil pública contra a medida e pediu liminar para que os limites retornassem aos anteriores. Mas a juíza Carolina Martins Clemencio Duprat Cardoso, da 11ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, disse que o caos anunciado pela entidade não foi constatado. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-SP.

Clique aqui para ler a liminar.
Processo 1001965-41.2017.8.26.0053

Revista Consultor Jurídico, 20 de janeiro de 2017, 20h56

Comentários de leitores

6 comentários

O juiz e a velocidade nas marginais

Plinio G. Prado Garcia (Advogado Sócio de Escritório)

Será que a separação dos Poderes da República deixou de existir? Que tal se um prefeito começar a agir como se fosse um juiz, usurpando as funções deste?

Conseguimos!

Drake (Advogado Assalariado - Eleitoral)

Agora, sim, conseguimos! O Brasil chegou ao seu ápice: produziu um juiz que acha que pode regular o trânsito. Acho que não falta mais nada mesmo nessa republiqueta das bananas.

Juiz não deve ser favorável ou desfavorável.Deve respeitar a

E.Rui Franco (Consultor)

Pedestre atravessando as marginas ? de onde para onde ?
Os únicos pedestres que vejo são os que aproveitam para vender algo, quando paramos e bandidos assaltantes.
Já presenciei atropelamento sob viadutos e passarela.
Atropelamento nas Rodovias, onde não há como atravessar e não andam mais cem metros e usam a passarela.
Outro dia mesmo, havia um reparo na pista da Fernão Dias sentido São Paulo. Um cidadão pulou a Mureta e foi atravessar para sabe se lá o que, e foi atropelado na pista contrária, onde não deveria estar. Ele morreu e vi o desespero da Motorista, que não conseguiu frear e o atropelou. A velocidade no local era de 60 por hora. Não estava acima até por que instintivamente diminuem a velocidade.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.