Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

MP no Debate

"Escola sem partido" é mordaça contra realização plena do educando

Por 

Tramita desde 2015 um projeto de lei na Câmara dos Deputados criminalizando o professor que manifestar convicção política nas aulas (PL 1.411/2015), chamando isto de "assédio ideológico". Em julho de 2016 a proposta recebeu parecer favorável na Comissão de Educação da Câmara, embora com apresentação de um substitutivo. E ainda tramita um outro (PL 867/2015) proibindo-o de abordar conteúdos que possam estar em conflito com as convicções religiosas e morais dos pais dos estudantes, nisto incluído, no limite, falar da teoria da evolução das espécies e de sexualidade.

Este último, que pretende incluir, entre as diretrizes e bases da educação nacional, o "Programa Escola sem Partido", foi, entre os meses de maio e agosto de 2016, apensado a dois outros projetos semelhantes, o 6.005/2016 e o 7.180/2014. Este tem o declarado objetivo de incluir “entre os princípios do ensino o respeito às convicções do aluno, de seus pais ou responsáveis, dando precedência aos valores de ordem familiar sobre a educação escolar nos aspectos relacionados à educação moral, sexual e religiosa”. O programa “Escola sem Partido” é também objeto do Projeto de Lei do Senado de número 193/2016, que pretende alterar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Na Assembléia Legislativa de S. Paulo a proposta recebeu parecer contrário na Comissão de Educação.

A pretensão de instituir o programa “Escola Sem Partido” já proporcionou manifestações de repúdio de parte de praticamente todos os atores do processo de ensino-aprendizagem. Protestando contra a idéia de uma higienização do ensino, a presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, Camila Lanes, disse: “queremos uma escola voltada para a nossa realidade e sem mordaça”. De seu lado, a professora e sindicalisa Marilene Betros, denuncia que o programa “não tem fundamento pedagógico e visa apenas a doutrinação da juventude por valores misóginos, machistas, homofóbicos e ultra-reacionários”. Para ela, que foi ouvida pelo periódico Olho Crítico (2016, p. 8), “não existe educação sem liberdade, sem diálogo”. De sua vez, Ísis Tavares, dirigente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, aponta a iniciativa como tentativa da elite em “restringir o pensamento a uma única possibilidade” (ibidem).

Na opinião do professor do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos, João Virgílio Tagliavini, em depoimento ao autor, “todo ponto de vista é a vista de um ponto; escola sem partido é escola a serviço do ponto de vista dominante” (2016).

Ante a hipotética aprovação de alguma dessas propostas, o professor terá que falar de política fora da sala de aula: no pátio, nos corredores, na lanchonete, na rua. É certo que, enquanto professor, estará obrigado a promover a educação dos alunos, que é um direito fundamental consagrado na Convenção Americana de Direitos Humanos. E a educação é necessariamente política, como dizia Paulo Freire. Ela só será plena se o educador ensinar ao educando que é preciso ler o mundo, ler a vida e finalmente ler o livro, nesta ordem cronológica. Ou o livro não será compreendido. 

Não há mesmo como a educação não ser política, eis que, por definição, ela haverá de ser emancipadora: e não é possível emancipar sem apontar ao educando as relações de poder e a ação humana na polis, pois este é o mundo do qual ele faz parte. A emancipação é o traço que marca a plenitude do indivíduo, assim tornado pessoa. Portanto não é possível a um estado democrático proibir o trato da política pelos educadores. Claro que, quanto a aspectos religiosos específicos, deve ser respeitada a convicção do educando. 

Mas respeitar não significa suprimir a abordagem do assunto, sob risco de se implantar uma cultura educacional capenga, em que alguns caminhos da ciência estejam interditados. Se o professor não abordar poder, dominação, sexualidade, evolução das espécies e outros assuntos tão políticos quanto estes, estará descumprindo aquela convenção internacional, assinada pelo Brasil. Aí sim, será um infrator. 

A escola deve, ou deveria, ser um espaço para o desenvolvimento da ciência. Mas o que vemos, no mais das vezes, é a sua utilização como reprodutora dos valores dominantes no modelo vigente. Professores de escola pública queixam-se de que muitos alunos replicam discursos excludentes, manifestando um ódio que vai dos nordestinos ao bolsa família. Em suma, o educando é incentivado a prezar a propriedade privada, a identificar sucesso com aquisição do supérfluo e a considerar o mercado como a principal referência para as opções políticas a serem adotadas. Isso é doutrinação pura, mas não consta registro de qualquer projeto proibindo tal prática.

Vista a questão num sobrevôo, o latifúndio foi a base da exploração do Brasil-colônia e deixou marcas profundas na nossa cultura: o todo poderoso senhor do engenho, o senhor de escravos, é hoje o dono do banco, da fazenda, da fábrica, tratado de "doutor" e exaltado pelos que explora, com o amparo da mídia, das novelas, da escola. O idioma português falado no Brasil consagra ao interlocutor, se necessária alguma cerimônia, o tratamento de "senhor" (ao invés do "vosmecê" português, do "lei" italiano, do "usted" espanhol, do "you" inglês etc.). 

Ou seja, equipara-se o interlocutor ao proprietário de escravos e se confunde respeito com subserviência. Tudo isto o latifúndio, expressão máxima da propriedade privada, nos legou e nos impõe até hoje.

Os projetos “escola sem partido” constituem, isto sim, outra expressão de um pensamento autoritário plasmado num cenário de respeito ao status quo, assim entendido como o da dominação exercida pelo senhor da propriedade privada. Este é tratado como principal referência para a aceitação de um tipo de educação voltada a conservar as regras estabelecidas sem grandes questionamentos.

A crítica ao modelo autoritário de sociedade é necessária e a escola é o locus apropriado para essa crítica. A sociedade autoritária privilegia o mando, puro e simples, legitimado quase somente pela propriedade privada, que entrona coronéis e “doutores”. Ela também é excludente, na medida em que afasta do centro decisório quaisquer forças que não se assentem na posse de recursos econômicos de vulto.

Essa crítica representa ação em favor da igualdade de direitos e da liberdade individual, assim também do atendimento às necessidades coletivas básicas, como proclamado em tratados e na Constituição brasileira. Situa-se, portanto, na seara de uma educação voltada para os direitos humanos, cujos objetivos são a capacitação de cada indivíduo para conhecer e cobrar seus direitos fundamentais, assim também para fomentar uma cultura habituada a se mobilizar pela plena efetivação desses direitos.

É à escola e ao educador que compete o desvendamento da realidade de dependência das massas vulneráveis, sujeitas, mais que outras, à violência da sociedade comandada pelo senhor, com o beneplácito do Estado e seu aparato repressivo.

A “escola sem partido”, na verdade uma escola sem política, amordaçada, significa a proibição do debate próprio à polis. Este é o debate que demarca o espaço público de participação do indivíduo, que somente aí encontra sua emancipação, assinalada pelo discurso de quem atua nos destinos da sociedade. A mordaça sobre a escola e sobre o educador interdita ao educando o caminho da sua plena realização como pessoa.

Plínio Gentil é procurador de Justiça no estado de São Paulo, doutor em Direito (PUC-SP) e em Educação (UFSCar) e professor de Direitos Humanos (PUC-SP) e Direito Penal (Unip). Integrante do Movimento do Ministério Público Democrático, é coautor do livro "Crimes Contra a Dignidade Sexual".

Revista Consultor Jurídico, 5 de setembro de 2016, 8h00

Comentários de leitores

45 comentários

Marx e Gramsci aplaudiram de pé

César Peixoto (Advogado Autônomo - Civil)

Não impressiona que não haja referência a um pensamento divergente daquele defendido pelos militantes da esquerda destacados no texto.
Não impressiona também a cara dura de utilizar os argumentos defendidos pelo “Escola sem Partido” para atacar o próprio projeto. É lastimável.
O projeto fala em NEUTRALIDADE na apresentação dos temas, só que a esquerda radical não admite o discurso contrário. A noção distorcida de democracia só vai até o momento em que o discurso é casadinho.
Acostumados com seu discurso único, com a formação de consenso, não podem sequer pensar em perder a plateia cativa dos alunos, soldados formados, ano a ano, nas instituições de ensino. São jovens alienados há décadas, ouvindo apenas as odiosas teorias que pregam o divisionismo apontado por Sun Tzu há 2.500 anos (“dividir para conquistar”).
A falta com a verdade chega a ponto de atribuir ao projeto a vedação de temas que envolvam a religião, como a “teoria da evolução das espécies”, quando o artigo 2º estabelece a “neutralidade política, ideológica e religiosa do Estado”.
Finalmente, há que se pensar muito na elite cultural – “os atores do processo de ensino-aprendizagem” que manifestam seu repúdio ao projeto Escola Sem Partido.
Fossem preocupados mesmo com o ensino, o Brasil não frequentaria há anos as piores colocações nas avaliações da qualidade do ensino a nível mundial.
É urgente evitar o maior emburrecimento de nossos jovens. Aprendendo a pensar, talvez não saiam por aí quebrando o patrimônio privado, as agências dos bancos que foram parceiros do lulopetismo durante seus 13 anos no poder (lucrando "como nunca antes..."), nem tirando a vida e o sossego de quem precisa trabalhar e descansar.

Voltei para ler

Observador.. (Economista)

Pois sempre aparece um ou outro comentário, mesmo depois de alguns dias, em artigo tão polêmico quanto interessante.
Achei bem interessante os comentários dos Drs. Carlos Bevilacqua e Richard Graion.
Além de ter achado interessante o alerta do Prof.Armando do Prado.
Ah! Não sabia que o articulista é ligado ao PSOL.

Escola sem partido sim

Beto (Advogado Sócio de Escritório)

Não podemos esquecer que o autor do artigo é político e do PSOL assim defende escola COM partido político. Se mudar O GOVERNO a filosofia do Ministério da Educação MUDA ENTÃO COMO FICA ESTA QUESTÃO????
O professor tem que ensinar matérias curriculares previstas no ensino e não comportamento sexual tipo "você só deve se situar como homem ou mulher quando tiver conhecimento pleno do que é ser homem e mulher" faça me o favor isto é ridículo a pessoa já nasce homem ou mulher e os pais não deve concordar que o professor incuta SUA IDEIA PESSOAL EM SEU FILHO ou filosofia de vida do professor que pode pensar assim ou assado. LOGO ESCOLA SEM PARTIDO É O CORRETO. Que pensa como o autor do artigo é o PT , O PSOL, PC do B, E SEUS PARIDOS CONHECIDOS COMO PUXADINHOS DO PT .

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/09/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.