Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ranking de Notícias

Decisão do STJ que limitou regra sobre prescrição intercorrente foi destaque

Por 

Pelo menos três decisões do Superior Tribunal de Justiça despertaram atenção nesta semana. A 4ª Turma entendeu que a nova regra sobre prescrição intercorrente, que dispensa a notificação do credor após o transcurso de um ano da suspensão da execução (por falta de bens), deve incidir apenas nas execuções propostas após a entrada em vigor do novo Código de Processo Civil, e, nos processos em curso, a partir da suspensão da execução. “Eventual alteração de entendimento acabaria, além de surpreender a parte, por trazer-lhe evidente prejuízo por transgredir situações já consumadas, fragilizando a segurança jurídica”, afirma o relator, ministro Luis Felipe Salomão. Clique aqui para ler a notícia.

Custo de envelhecer
Também no STJ, a 2ª Seção concluiu que mensalidades de plano de saúde individual ou familiar podem ser reajustadas de acordo com a faixa etária do beneficiário, desde que o aumento obedeça a três regras: tenha previsão contratual, siga normas de órgãos governamentais reguladores e não seja feito aleatoriamente, com aplicação de “percentuais desarrazoados”. A tese foi aprovada mesmo antes de ser concluído o julgamento do caso concreto e terá impactado em mais de 1.412 processos de todo o país. Clique aqui para ler a notícia.

Tempos modernos
Avós têm direito a pensão quando o neto morre, desde que constatado que o criaram e que dependiam dele para sobreviver, conforme a 2ª Turma do STJ. Para o relator do caso, ministro Mauro Campbell Marques, não se trata de expandir a abrangência do benefício, mas adequar a lei aos fatos, identificando “quem verdadeiramente ocupou a condição de pais do segurado”. Clique aqui para ler a notícia.

Raio-X do Judiciário fluminense
Foi lançada na quarta-feira (23/11) a edição 2017 do Anuário da Justiça Rio de Janeiro, editado pela ConJur. A publicação apresenta o perfil dos 180 integrantes do Tribunal de Justiça e de suas 35 câmaras de julgamento. Mostra como pensam, como trabalham em seus gabinetes e como a jurisprudência da corte se movimentou nos últimos 12 meses. O lançamento teve como anfitrião o presidente do TJ-RJ, desembargador Luiz Fernando Ribeiro de Carvalho, e foi prestigiado pela comunidade jurídica. Uma das reportagens relata que, de cada dez leis questionadas no tribunal, oito são consideradas inconstitucionais.


Entrevista da Semana
O juiz Daniel Carnio Costa, titular da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, afirma que muitas decisões judiciais acabam sendo contrárias à efetividade e à busca pela reerguimento da empresa em dificuldades. A alternativa, segundo ele, é especializar mais varas para cuidar do tema. Também defende mudanças na lei, para permitir parcelamentos voltados às necessidades das companhias, e que o Fisco seja chamado para discutir as melhores saídas. Clique aqui para ler a entrevista.


Audiência
Medição do Google Analytics aponta que a ConJur recebeu 905,4 mil visitas e teve 1,3 milhão de visualizações de página entre os dias 18 e 24 de novembro. A quinta-feira (24/11) foi o dia com mais acessos, quando o site recebeu 175,9 mil visitas.

O texto mais lido, com 29 mil visitas, foi sobre acórdão que reformou integralmente sentença da operação “lava jato” contra executivos da construtora OAS. A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região absolveu os executivos Mateus Coutinho de Sá Oliveira e Fernando Stremel, por falta de provas. José Ricardo Breghirolli teve sua pena reduzida de 11 anos de prisão para 4 anos e 1 mês. Já o ex-presidente da empresa Leo Pinheiro recebeu pena maior: de 16 para 26 anos, assim como Agenor Franklin Martins. Clique aqui para ler a notícia.

Com 14,3 mil acessos, ficou em segundo lugar do ranking notícia de que o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil planeja entrar com representação no Conselho Nacional de Justiça contra o juiz que determinou a prisão de Anthony Garotinho, ex-governador do Rio de Janeiro. O problema é o vazamento de conversas entre ele e o advogado Jonas Lopes de Carvalho Neto. No diálogo divulgado pelo programa Fantástico, Garotinho orienta seus advogados a procurarem a ministra Luciana Lóssio, do Tribunal Superior Eleitoral, para tratar de um Habeas Corpus preventivo. Para a OAB, “não se combate um crime com outro crime”. Clique aqui para ler a notícia.


As 10 mais lidas
TRF-4 reforma toda a sentença de Moro que condenou executivos da OAS
OAB vai ao CNJ contra juiz por quebra de sigilo entre Garotinho e advogado
Em audiência, Moro pergunta além da denúncia e nega pedidos da defesa de Lula
Nova regra sobre prescrição intercorrente só vale em execuções após o CPC-2015
Juíza do RJ autoriza busca e apreensão coletiva na Cidade de Deus
TSE devolve lista tríplice ao TRE-MT por falta de "idoneidade moral" de candidatos
Senso Incomum: Por que, contra a lei, juíza acha que pode autorizar revista coletiva?
Em sete anos de Supremo, Toffoli reduziu acervo de 11 mil para 4 mil processos
Avós que criaram neto têm direito a pensão por morte, diz STJ
E-mail pode ser usado como prova em ação judicial de cobrança de dívida
União é condenada a indenizar Neymar por vazamento de dados fiscais


Manchetes da Semana
Aviso prévio proporcional pode ser aplicado a favor do empregador, diz TST
TRF-4 reforma toda sentença de Moro que condenou executivos da construtora OAS
Herdeiros não são parte legítima para impugnar reconhecimento de paternidade
Nova regra sobre prescrição intercorrente só vale em execuções após o CPC-2015
Avós que criaram neto têm direito a pensão por morte, diz STJ
Pena de inelegibilidade impede que político cassado ocupe cargo público não eletivo
De cada dez leis questionadas no TJ-RJ, oito são consideradas inconstitucionais
OAB vai ao CNJ contra juiz por quebra de sigilo entre Garotinho e advogado
Desemprego não é motivo para determinar prisão preventiva, afirma STJ
Entrevista – Daniel Costa: “Judiciário precisa de varas regionais especializadas em recuperação judicial”
Advogado dativo consegue, no STJ, revisão de honorários abaixo da tabela
Somente União tem competência para regular mercado de títulos de capitalização

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 26 de novembro de 2016, 8h10

Comentários de leitores

1 comentário

O que se divulgou foram os

João Corrêa (Estagiário - Previdenciária)

atos preparatórios (planejamento) de um crime (corrupção ativa). Afinal, o direito de sigilo entre advogado e cliente não é absoluto, não podendo servir de escudo para a prática de crimes.

Comentários encerrados em 04/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.