Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

Lei do investidor anjo alinha o Brasil às tendências mundiais

Por  e 

Foi sancionada em 27 de outubro a Lei Complementar 155, que simplifica a metodologia de apuração do imposto devido pelos optantes do Simples Nacional e introduz a figura do “investidor anjo” no direito brasileiro.

A necessidade de dar segurança ao investidor anjo ocupou muito da atenção do legislador, já que essa modalidade de investimento embute risco econômico acima da média. Por isso, a lei se preocupou em afastar a possibilidade de o investidor anjo (i) ser considerado sócio da startup, (ii) responder por dívidas da empresa a que houverem sido feitos os aportes de capital e (iii) ser alcançado por eventual decisão judicial que desconsidere a personalidade jurídica da empresa.

Por outro lado, ao afastar do investidor anjo a possibilidade de se vincular à empresa como sócio ou de ter voto na administração da startup, o legislador se afastou do modelo norte-americano, no qual a perspectiva de participação societária é um grande atrativo desse modelo de negócios – basta lembrar que o controvertido investidor norte-americano Peter Thiel investiu US$ 500 mil no Facebook poucos meses após a incorporação da companhia em troca de 10,2% de participação, hoje centenas de vezes mais valiosa que o investimento inicial.

Outros destaques são a restrição ao período de investimento (máximo de 7 anos), de remuneração (máximo de 5 anos) e de resgate (mínimo de 2 anos), o que deverá constar de contrato de participação a ser celebrado entre a empresa que receberá os recursos aportados e o investidor anjo. Além disso, a remuneração do investidor não poderá exceder 50% dos lucros da startup.

O tempo dirá se tais restrições desencorajarão os investidores ou se as perspectivas de retorno financeiro atrairão interessados mesmo à vista das limitações legais. Mas não se pode negar que a sanção da nova lei, além de alinhar o Brasil às tendências mundiais do segmento, abre um largo horizonte de expectativas muito positivas àqueles que empreendem ou pretendem empreender no país.

 é sócio do FWRP Advogados.

 é sócio do FWRP Advogados.

Revista Consultor Jurídico, 23 de novembro de 2016, 6h22

Comentários de leitores

2 comentários

Negação

Macaco & Papagaio (Outros)

e o que um filósofo inútil que fica escrevendo baboseira na CONJUR cria?... Vai procurar tua turma e lavar uma trouxa de roupa que assim se você coopera com a Alemanha

Criação

O IDEÓLOGO (Outros)

Mas é claro que o Brasil sempre se alinha às tendências mundiais. Ele sempre faz cópia de comportamentos, coisas, objetos, pensamentos e padrões prevalecentes em outras sociedades. Não cria nada, a não ser os 7x1 para os germânicos na última Copa do Mundo.

Comentários encerrados em 01/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.