Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Conflito constitucional

RE sobre sacrifício de animais por motivos religiosos segue para a pauta do STF

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, liberou para julgamento o Recurso Extraordinário que discute se o sacrifício de animais por motivos religiosos ofende a Constituição Federal. Agora o caso fica cadastrado na pauta do Plenário, aguardando que a presidente da corte, ministra Cármen Lúcia, escolha um dia para que ele seja julgado pelo Plenário.

Ministro Marco Aurélio liberou RE sobre sacrifício de animais em culto religioso.
Rosinei Coutinho/SCO/STF

De autoria do Ministério Público do Rio Grande do Sul, o recurso pretende cassar uma decisão do Tribunal de Justiça do estado que considerou constitucional uma reforma no Código Estadual de Proteção dos Animais. A lei gaúcha, de 2004, autoriza que animais sejam sacrificados e mal tratados por motivos religiosos. O texto exclui das proibições do Código Estadual de Proteção dos Animais gaúcho o “livre exercício dos cultos e das liturgias de matriz africana”.

O TJ do Rio Grande do Sul considerou que a lei, mesmo autorizando o sacrifício de animais, não desrespeita o artigo 225 da Constituição Federal, que descreve o direito do “meio ambiente ecologicamente equilibrado” e estabelece a obrigação de preservá-lo. Isso porque o artigo 5º da Constituição, que define os direitos fundamentais, diz que “é inviolável a liberdade de consciência e de crença” e que “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa”.

No recurso ao Supremo, o MP do Rio Grande do Sul alega que a lei gaúcha dá privilégios inconstitucionais às religiões de matriz africana ao permitir que quem as professa sacrifique animais. Para o MP gaúcho, a lei estadual viola o princípio da laicidade do Estado, que obriga o respeito igualitário a todas as religiões, mas proíbe privilégios a qualquer uma delas.

“Inúmeras outras expressões religiosas valem-se de sacrifícios animais, como a dos judeus e dos muçulmanos, razão pela qual a discriminação em favor apenas dos afro-brasileiros atinge frontalmente o princípio da igualdade, com assento constitucional”, diz o recurso. O MP também afirma que a lei usurpou competência da União para legislar sobre o meio ambiente.

A liberação do caso pelo relator significa que seu voto está pronto e o recurso só depende de agendamento para começar a ser julgado. E quem define as datas de julgamento é o presidente do Supremo. Como a ministra Cármen já definiu as pautas de todas as sessões de novembro e dezembro só terá quatro sessões de julgamento antes do recesso, é pouco provável que o recurso do sacrifício de animais, que tramita há dez anos, seja pautado.

RE 494.601

Revista Consultor Jurídico, 1 de novembro de 2016, 20h28

Comentários de leitores

4 comentários

Preceitos fundamentais

Alair Cavallaro Jr (Bacharel)

Que os MPs também interfiram no desrespeito à pátria no que tange a religiões que que incentivam não participar de eventos cívicos, não cantar o hino nacional, não fazer o alistamento militar obrigatório, não votar, entre outros absurdos.
Creio que em primeiro lugar vem o respeito à constituição e à pátria e a quem não estiver satisfeito opte pelo melhor.

Preceitos fundamentais

Alair Cavallaro Jr (Bacharel)

Que os MPs também interfiram no desrespeito à pátria no que tange a religiões que que incentivam não participar de eventos cívicos, não cantar o hino nacional, não fazer o alistamento militar obrigatório, não votar, entre outros absurdos.
Creio que em primeiro lugar vem o respeito à constituição e à pátria e a quem não estiver satisfeito opte pelo melhor.

Sacrifício ao demônio....

Pek Cop (Outros)

Fazer do sofrimento e agonia com dores ate amorte dos animais culto religioso é sem duvidas apologia ao diabo!!!!espero que o sofrimento dos animais passe para os filhinhos desses dementes religiosos!!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.