Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

Processo criminal não deveria ser fonte de espetáculo público

Por 

Quando organismos da persecução penal do Estado assumem o papel de acusar e colocar gente na cadeia, resta aos juízes a árdua tarefa de garantir que nela entrem somente culpados.

A repressão, exercida aos auspícios do clamor das ruas, torna indigesta a função de fiel da balança. Indivíduos em grupo são levados a reagir todos da mesma forma, ainda que não exista direção planejada. O fim pode ser trágico!

Assim, todos querem andar na direção que sopra o vento. É  o instinto de manada: se estão indo em tal direção é porque deve ser o melhor a fazer. Caminhar em bando confere segurança. Seguir a maioria, porém, não representa coragem.

Em matéria penal, o Judiciário não pode, nem deve, deixar-se contaminar pela gritaria tumultuosa de reprovação ou descontentamento. Em momentos conturbados, exige-se do juiz coragem, firmeza de espírito, para não virar ele próprio protagonista de linchamentos.

Um processo criminal não deveria ser fonte de espetáculo público. No palco da ação penal o juiz tem a obrigação constitucional de assegurar aos acusados em geral o cumprimento de princípios básicos de civilidade, respeito ao processo justo, garantir o direito ao contraditório e à ampla defesa, preservar, sobretudo, a dignidade da pessoa humana.

Os atores do processo devem, cada qual a seu modo, mas dentro do quadro legal vigente, observar rigorosamente o seu papel. Deixar de seguir o roteiro constitucional conduz a odioso consórcio, uma espécie de cartelização da acusação, em que o réu, previamente condenado, é apenas um protagonista inconsciente de um arremedo de processo judicial.

Em pleno século XXI isso ainda acontece! O apelo da multidão ensandecida tem sido convincente na utilização do processo criminal como instrumento de tortura, servindo unicamente para legitimar condenações antecipadas. Não interessam os fatos, mas a pessoa. O juiz natural desaparece e cede lugar ao tartufo togado.

O Estado de Direito Democrático não tolera que a magistratura nacional seja reduzida à condição de sujeito passivo da vontade coletiva, deixe-se guiar pelo instinto, tome decisões sem consciência, relegando por completo a diretriz constitucional que a todos deveria submeter, cujo norte são os direitos e garantias fundamentais.

A chamada operação "lava jato" e seus infindáveis capítulos, sem dúvida um sucesso absoluto de público e de mídia, deve produzir o máximo de bons resultados possível, especialmente no seio dos debates da tão aguardada reforma política, mas não pode descambar para injustiças e ilegalidades

Perseverança, sim, mas com serenidade. Que as simpatias, antipatias e afinidades pessoais não determinem as crenças e ações do Poder Judiciário. Que a distribuição de justiça dome a perigosa heurística de afeto que se propaga rapidamente pelas salas de julgamento.

É sedutor andar com a maioria. É instigante fazer o que os outros esperam. Difícil é seguir com isenção o caminho do devido processo legal, especialmente quando se está só. Isso sim exige coragem!

 é juiz federal em São Paulo, mestre em Ciências Jurídico-criminais, especialista em Direito Penal d professor de Direito Constitucional.

Revista Consultor Jurídico, 26 de março de 2016, 10h00

Comentários de leitores

3 comentários

Trunfos contra a maioria

Volneida Costa (Professor)

É fácil crer no que crê a multidão... Por isso o Judiciário deve ser órgão contramajoritário!

A repercussão é natural e saudável.

juniorg87 (Advogado Sócio de Escritório)

A grande repercussão da processo decorre apenas da qualidade das pessoas investigadas, não de supostos atos espetaculosos levados a cabo pelo MPF, JF ou PF. Qualquer investigação penal que envolvesse políticos e empresários do quilate dos ora investigados causaria enorme especulação pública. Ademais, uma operação dessa envergadura sem a constante vigilância da imprensa/sociedade já teria naufragado há tempos, por motivos insondáveis. Há que se distinguir o que faz a operação Lava Jato daquilo que fazem dela.

Lúcido e pertinente artigo!

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

Primeiramente parabenizo o preclaro articulista, um dos mais competentes e éticos magistrados federais que atuam na Subseção Judiciária da Capital-SP. Com a devida vênia, em outras palavras, "botou o dedo na ferida" da histeria descontrolada e perigosa, fomentada, v.g., no cenário da operação lava jato. Por manifesto, que o país já estava passando da hora de ser submetido a uma verdadeira depuração moral e ética. Como também, é de se reconhecer os positivos resultados almejados até aqui na referida operação, que, sem dúvida alguma, tem contribuindo para neutralizar a pilhagem do erário. Contudo, não se faz necessário adotar conduta midiática e pirotécnica - cuja legalidade é ampla e publicamente arguida - para chamar atenção dos holofotes, provocando reação temerária, e por vezes hostil perante a opinião pública. Pela notória complexidade da polêmica operação, é imprescindível adotar-se os ingredientes das inarredáveis cautela e ponderação, caso contrário, indo com muita sede ao pote, corre-se o risco de espatifá-lo rapidamente.

Comentários encerrados em 03/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.