Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Foro paralelo

Para não serem julgadas por Moro, mulher e filha de Cunha recorrem ao Supremo

A defesa de Cláudia Cruz e Danielle Cunha, respectivamente mulher e filha do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recorreu ao Supremo Tribunal Federal para pedir que elas não sejam julgadas pelo juiz federal Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba e responsável pelos processos da operação “lava jato”. O pedido será julgado pelo ministro Celso de Mello.

De acordo com os advogados, apesar de não terem foro por prerrogativa de função, Cláudia e Danielle devem responder às acusações na corte devido à ligação com os fatos que envolvem Cunha. No último dia 15, o ministro Teori Zavascki atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República e desmembrou a investigação, deixando no Supremo somente a parte do inquérito referente ao presidente da Câmara.

A denúncia, apresentada neste mês contra o parlamentar, afirma que Cláudia e Danielle, que também são investigadas, foram beneficiadas pelos recursos que estavam depositados em contas na Suíça atribuídas a Cunha. Com informações da Agência Brasil

Revista Consultor Jurídico, 23 de março de 2016, 19h35

Comentários de leitores

3 comentários

\" a casa da mãe joana "

serok (Prestador de Serviço)

Será que já entabularam " ALGO NOVO " para ter o descaramento de pedir ao " STF " tal regalia?; apesar de que infelizmente para a Nação o mesmo, como sabido o é, não se encontra com plena e irrestrita " MORAL ILIBADA " de seus integrantes.

Ação entre amigos

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Logo os lavadores do dinheiro público vão exigir a lista de todos os integrantes da Força Tarefa da Lava Jato para selecionarem os investigadores, delegados promotores/procuradores em relação aos quais querem ou não querem dar o seu depoimento. A República de Sucupira se ressente de um novo Odorico Paraguaçu.

Ainda essa

Professor Edson (Professor)

A justiça não é feira,.

Comentários encerrados em 31/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.