Consultor Jurídico

Notícias

Grampos telefônicos

Wadih Damous diz que bancada do PT vai apresentar ação contra Moro no CNJ

Por  e 

Um grupo de parlamentares da base governista pretende entrar, até segunda-feira (21/3), com uma representação disciplinar contra o juiz Sergio Moro no Conselho Nacional de Justiça. O motivo é a divulgação de grampos telefônicos envolvendo a presidente Dilma Rousseff. O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) afirmou que o juiz federal cometeu uma "gravíssima ilegalidade" e deverá responder por isso. 

O deputado, que também foi presidente da OAB-RJ, reconhece que o juiz pode quebrar o sigilo do processo, mas considera uma violação da lei quebrar o sigilo de ligação telefônica. “Se na captação de conversas estiver envolvido alguém, como é no caso a presidenta Dilma Rousseff, com foro especial, ele não pode divulgar isso. Ele tem que remeter imediatamente os autos ao Supremo Tribunal Federal”, disse.

“Em diversos aspectos a operação ‘lava jato’ se desvirtuou. Ela saiu do seu caminho original para se tornar num circo midiático e de perseguição seletiva, como se a corrupção tivesse sido fundada por um segmento. E como se outras pessoas, diversas vezes citadas em delações, fossem blindadas. A essas não cabe investigar, pra essas não há vazamento, essas são protegidas. Quanto aquelas, a dureza da lei. Isso não pode e é inaceitável”, afirmou.

 é correspondente da ConJur no Rio de Janeiro.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 18 de março de 2016, 14h10

Comentários de leitores

8 comentários

E a cnbb, vai ficar em silêncio?

Valdecir Trindade (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Vi o comentário do colega Alvarojr. Magnifico. Em poucas palavras disse tudo. Me permito transcrevê-las: "Chega a ser divertido assistir a agonia dessa quadrilha de estudantes que não estudam, intelectuais que não pensam e sindicalistas que não trabalham enquanto o poder lhes escapa das mãos."
Não é preciso dizer mais nada. Só quero saber quando a CNBB vai tomar uma posição!

homem público não tem direito à intimidade !

Ricardo (Outros)

Quem quiser preservar sua intimidade não deve entrar na política! O povo tem o direito de saber o que os seus representantes eleitos estão fazendo! Mandato não é cheque em branco para a prática de falcatruas! Não tentem inverter a situação: investigados não são o juiz, os procuradores e a PF, mas sim políticos que desonraram os seus mandatos e quebraram a confiança neles depositada pelo povo. O Maluf até hj nega que tenha dinheiro no exterior. Pelo jeito fez escola ...

É lamentável

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Que esse cidadão tenha nos "representado" e hoje "represente" o povo no Congresso Nacional. Pela simples afirmação no final da coluna já se percebe a pequenez da sua capacidade cognitiva e reflexiva a par da impregnação político-partidária de que está contaminado.
Prezado deputado, ninguém está querendo punir o PT ou só o PT e aliados. NÃO! Queremos é ver todo corrupto preso, seja ele de qual partido for. Não me consta ter lido nos infindáveis comentários, desde que esse escândalo se atrelou ao rabo do outro (Mensalão) algum opinante defendendo os outros partidos ou alguém inscrito em seus quadros (tidos como de oposição ou os nominados "coxinhas" como ficaram conhecidos). A luta é apartidária, é pela moralidade, pela preservação das Instituições, pela dignidade política, em prol de um país melhor, mais justo, onde o dinheiro não seja desviado de hospitais, segurança e infra-estrutura para os bolsos dos corruptos e seus amigos. Não se atira contra essa ou aquela agremiação. O senhor está redondamente enganado se efetivamente pensa assim (coisa que não acredito). Se há alguma diferença entre o PT, aliados e os outros partidos do segundo grupo ela se situa no único fato de que apesar de "todos eles (partidos) terem roubado até cansar, o PT infelizmente não se cansou de roubar" e, evidentemente, quanto maior a rapinagem e a exposição de tempo no estado de ilicitude, maior a probabilidade de ser pilhado na empreitada (o que ocorreu com o PT de Lula). Já a seletividade de vazamentos é natural, sempre que alguém está na berlinda. Não se pode falar de Lula, separando-o do PT, isso é simplesmente impossível.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.