Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ordem nas ideias

Advogado recomenda uso de "módulos" para sustentação oral de sucesso

Por 

A sustentação oral é, provavelmente, a parte mais empolgante do contencioso. Nem todos os advogados são naturalmente talentosos nessa atividade comum da advocacia, mas há uma grande margem de aprendizagem para todos. Com algum esforço, técnica e treinamento, qualquer um pode fazer uma grande sustentação oral, diz o advogado, escritor e palestrante Sam Glover, editor do site Lawyerist.

A primeira recomendação de Glover é abandonar a tradicional lista de pontos, que orienta a sequência da sustentação oral, como se fosse um roteiro para uma palestra. Em vez disso, é melhor preparar a sustentação em módulos (por pontos ou assuntos).

Em sustentações orais “frias”, em que os juízes não interrompem o advogado com perguntas ou comentários, a lista de pontos até que funciona. Mas em sustentações orais dinâmicas, com várias participações dos juízes, o advogado pode se perder e ter dificuldades para voltar ao ponto certo do roteiro.

No entanto, se a sustentação for preparada em módulos, não importa se as intervenções dos juízes façam com que as discussões pulem de um assunto para outro, voltem e avancem. O advogado não terá de buscar em sua lista o fio da meada. Ele saberá, facilmente, em que módulo a discussão se situava no momento da interrupção.

A ideia é ordenar (ou agrupar) a legislação pertinente, os fatos, as referências a provas e argumentos em módulos. Assim, em vez de uma sustentação oral completa (ou uma peça de teatro completa) se terá três, quatro ou cinco módulos (ou três, quatro ou cinco atos de uma peça teatral completa).

Isso feito, se poderá fazer alguma espécie de roteiro (ou lista de pontos, se quiserem) dentro de cada módulo. E a sustentação deve ser praticada e memorizada por módulos, como um ator de teatro irá decorar e ensaiar a peça por atos. De acordo com Glover, o advogado deve se preparar em cada módulo até o ponto que possa falar na ordem preparada ou fora de ordem.

Assim, fica até mais fácil encontrar um argumento para responder a uma pergunta de um juiz, se ela fugir do roteiro. Por exemplo, se o advogado estiver expondo argumentos de seu segundo módulo e um juiz impaciente fizer uma pergunta sobre um tema que não tem a ver com o assunto, ele saberá, de qualquer forma, que a questão está no quarto módulo. Ele pode, então, responder à pergunta e voltar ao segundo módulo.

A técnica da lista de pontos não é totalmente descartável. O advogado Andrew Frey, que ganhou o prêmio “Advogado de Apelação do Ano” no estado de Nova York a recomenda. No entanto, diz Glover, ela encoraja o pensamento rígido. E isso pode ser um problema se o andamento da sustentação oral se torna dinâmico.

Fazer apenas uma lista de pontos é mais fácil do que fazer uma preparação adequada da sustentação, o que pode acontecer por falta de tempo ou por falta de disposição (ou energia). Glove diz que é “por preguiça”.

Quatro aspectos da preparação

1. Os fatos. Conheça os fatos na sequência e de trás para a frente. Certifique-se de saber também o que consta e o que não consta dos autos do processo.

2. A legislação. Apesar de você já haver pesquisado a lei em vários pontos do contencioso, incluindo quando redigiu a petição inicial, você deve voltar a examinar pelo menos os pontos essenciais, antes da sustentação oral. Prepare-se para discutir as nuances do caso, sem o texto da lei ou das regras em sua frente.

Você deve saber com clareza o texto da lei que você quer que os juízes adotem ou apliquem, seja de um entendimento existente ou de um entendimento que você quer que os juízes adotem. Se você quer ganhar um caso, você deve expressar com clareza os argumentos jurídicos que o tribunal deve adotar.

3. O argumento. Certifique-se de explicar claramente porque seu cliente deve ganhar a causa. Glover diz ter visto um número considerável de advogados que não conseguem articular uma razão coerente para justificar uma decisão favorável. A sustentação oral visa dizer aos juízes que seu cliente deve ganhar a causa e lhes traçar o roteiro jurídico para obter tal resultado.

4. O que você quer. O advogado deve dizer claramente aos juízes o que ele quer que o tribunal decida. É claro que o pedido deve se referir a uma decisão que o tribunal possa tomar. Não adianta pedir uma coisa que o tribunal não possa atender.

Organize e pratique seus argumentos
Glover diz que, para começar a organizar seus argumentos, ele escreve cada questão que quer discutir em uma ficha (ou folha) separada, que será o embrião de um módulo. São frases curtas (ou listas de pontos), não partes de um roteiro. Então, ele pega uma ficha e pratica a argumentação sobre aquele tópico ou ideia. Ao fazer isso, os módulos começam a se organizar por si mesmos, porque uma questão pode chamar outra, que está em outra ficha.

À medida que pratica cada ficha, ele as coloca no chão. Isso ajuda a organizar os tópicos e colocá-los em uma ordem (prévia) que faça mais sentido no momento. Antes de definir os módulos, porém, é recomendável parar e ir dar uma volta, para que o subconsciente trabalhe e comece a dar suas colaborações. Nesse ponto, os módulos começam a se configurar.

Uma vez que os módulos estejam prontos, é o momento de colocá-los na ordem definitiva, também da maneira que faça mais sentido. Isso feito, pode-se fazer uma lista da sequência dos módulos, o que será particularmente útil se os juízes não interromperem a sustentação por qualquer motivo. Às vezes eles não interrompem porque percebem que o ordenamento de suas argumentações tem uma coerência e que uma explicação a qualquer dúvida que possam ter virá a seguir.

Memorize seus argumentos
O fato de se praticar enquanto se elabora as fichas e os módulos já ajuda a memorizar seu discurso. Praticar a sustentação durante uma caminhada ajuda a associar cada ponto da argumentação com algum ponto dos arredores da cidade — e isso ajuda a fixá-lo em seu cérebro.

A sustentação não deve ser memorizada palavra por palavra, como em uma peça de teatro. Isso seria contraprodutivo. Você deve memorizar apenas o que quer dizer em cada questão (ou ponto) de cada módulo. Isto é, ter uma ideia clara do que quer argumentar.

Pratique sua sustentação com uma audiência
Praticar a sustentação oral com colegas do escritório, se arrumarem tempo, pode melhorá-la consideravelmente, porque os colegas poderão apontar os pontos fortes e os pontos fracos da argumentação.

Glover diz que pratica sua sustentação oral, depois de pronta, com leigos. Se eles parecem entediados, é porque ele não fez um bom trabalho. Fazer a sustentação oral para não advogados força você a ir direto aos fatos, questões e argumentos mais essenciais. Você pode ser obrigado a avançar por detalhes da lei, mas se for direto aos pontos essenciais será sempre melhor, especialmente com juízes.

Finalmente, no dia da sustentação oral, ele se veste e sai para dar uma volta. Na rua, faz sua sustentação oral, sempre usando um fone de ouvido, para as pessoas pensarem que está ao telefone, em vez de acharem que é um doido. Ou pratica no carro, enquanto dirige para o tribunal.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 9 de março de 2016, 11h43

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 17/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.