Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Insuficiência de servidores

CNJ determina que tribunais reduzam oficiais de Justiça não concursados

O Conselho Nacional de Justiça determinou que os tribunais de Justiça do Ceará e do Amapá reduzam o número de oficiais de Justiça não concursados, designados de forma ad hoc — ou seja, nomeados pelo juiz quando não há oficiais efetivos. As decisões seguem a Resolução 88/2009 do CNJ, que determina que os servidores requisitados ou cedidos deverão ser substituídos por servidores do quadro, no prazo máximo de quatro anos, na proporção mínima de 20% por ano.

O conselheiro Carlos Eduardo Dias, relator do Procedimento de Controle Administrativo (PCA) que envolve o TJ-CE, considerou, em seu voto, aprovado por maioria, que o tribunal que usa excessivamente a designação de oficiais de Justiça ad hoc deve buscar os meios necessários ao incremento ou reestruturação do seu quadro de pessoal para que somente servidores efetivos, devidamente aprovados em concurso público, executem as atribuições próprias da categoria.

A decisão, conforme o voto do conselheiro Carlos Eduardo Dias, anula a Portaria do TJ-CE 2.486/2015, que permite que magistrados do Tribunal designem oficiais ad hoc quando houver ausência ou impedimento dos servidores efetivos. Com o objetivo de não interromper a atividade jurisdicional, a decisão estabelece que o tribunal mantenha ao menos um oficial de Justiça efetivo em cada comarca.

Outra determinação da decisão é que, em um prazo de 60 dias, o tribunal, em conjunto com o Sindicato dos Oficiais de Justiça do Estado do Ceará e demais instituições responsáveis pela defesa da categoria, avalie a quantidade de oficiais de Justiça e, diante dessa análise, encaminhe à Assembleia Legislativa um projeto de lei para criação de cargos efetivos.

Amapá
Entendimento semelhante foi tomado pelo conselheiro Fabiano Silveira, relator do PCA envolvendo o TJ-AP. O conselheiro considerou precedentes do CNJ no sentido de que a designação de oficiais de Justiça ad hoc deve se dar em caráter excepcional e precário, nos casos em que foi verificada a ausência ou insuficiência de servidores de carreira na comarca.

O pedido foi julgado parcialmente procedente, por unanimidade, determinando que o TJ-AP promova os estudos necessários com o objetivo de substituir os oficiais de justiça ad hoc mediante a realocação de servidores ocupantes do cargo efetivo atualmente em outros polos. O estudo deve ser finalizado em 60 dias e apresentado à Comissão de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do CNJ, contemplando, inclusive, a possibilidade de envio de projeto de lei à Assembleia Legislativa do Estado do Amapá para a criação de cargos de oficiais de Justiça. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 21 de maio de 2016, 15h57

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.