Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Melhor índice

TRF-3 é premiado pelo CNJ por apresentar altos índices de conciliação

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP e MS) foi um dos ganhadores do VI Prêmio Conciliar é Legal, do Conselho Nacional de Justiça, por ter apresentado os melhores índices absolutos de pacificação durante a Semana Nacional da Conciliação, no ano passado. As conciliações na corte cresceram 96% e atingiram R$ 428,5 milhões em 2015. 

A entrega do prêmio foi no último dia 10. Lançado em 2010 como parte da Semana Nacional de Conciliação, o prêmio tem como objetivo identificar, disseminar e estimular ações de modernização na área da Justiça, principalmente aquelas que contribuem para pacificação de conflitos, assim como para o aprimoramento do Poder Judiciário.

Segundo o conselheiro Emmanoel Campelo, coordenador do Comitê Gestor do Movimento pela Conciliação no CNJ, a premiação visa a estimular o engajamento das cortes na iniciativa. “O nosso maior objetivo com essa premiação é incentivar os tribunais a inovar no sentido de criar políticas de conciliação. Já observamos que o cidadão sai mais satisfeito com um acordo do que com uma sentença nas mãos”, destacou.

Para Cecília Marcondes, conciliação aumenta confiança no Judiciário.
Reprodução

A presidente do TRF-3, a desembargadora federal Cecília Marcondes, destacou que o prêmio é a prova de que a corte conseguiu alcançar suas metas no que tange à implementação da conciliação. De acordo com ela, a procura da sociedade pela pacificação de conflitos acarreta duas consequências: confiança no Judiciário e a redução do volume de processos que ameaça a eficácia do sistema.

“A conciliação é a forma mais célere de resolução de conflitos e que proporciona melhor acesso da sociedade à Justiça. Buscar a pacificação dos conflitos pela conciliação é tarefa, para o magistrado, tão essencial quanto a de proferir sentenças. A conciliação representa o consenso que nasce do diálogo e disposição dos próprios”, disse.

 A desembargadora federal Mônica Nobre destacou que ao alto índice de acordos na Semana Nacional da Conciliação foi obtido mesmo sem a participação do Instituto Nacional do Seguro Social, o maior litigante da Justiça Federal. “O Gabinete da Conciliação articulou acordos com a OAB e a Caixa Econômica Federal que permitiram esse alto índice de conciliação mesmo sem a participação do INSS”, afirmou. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-3.

Revista Consultor Jurídico, 18 de maio de 2016, 16h36

Comentários de leitores

1 comentário

Brasil, País do cinismo e da hipocrisia

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O sujeito é chamado no fórum e é dito: você tem direito a 10, mas só receberá daqui a 15 anos e é melhor aceitar receber 2. Sem opção, o sujeito aceita. E ainda apresentam isso como algo fenomenal, com direito até a prêmio.

Comentários encerrados em 26/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.