Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo contaminado

AGU pede que Supremo suspenda impeachment da presidente Dilma

Por 

Com o argumento de que Eduardo Cunha “contaminou” o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a Advocacia-Geral da União protocolou, nesta terça-feira (10/5), um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal pedindo para suspender o processo desde o início.

Para a AGU, a decisão do Plenário da Câmara de autorizar a instauração de processo de crime de responsabilidade contra Dilma se originou de atos do então presidente da Casa, durante todo o procedimento de análise de admissibilidade da denúncia, com “flagrante desvio de finalidade”. 

Segundo o órgão, o desvio de finalidade praticado por Cunha em sua gestão foi reconhecido pelo STF no julgamento em que afastou o político do cargo de deputado e presidente da Câmara. Na decisão, o ministro Teori Zavascki acolheu argumentos apresentados pela Procuradoria-Geral da República. Para a PGR, Cunha se valeu de sua condição de presidente da Câmara para atender a seus próprios interesses.

Conforme o MS, Cunha violou o Regimento Interno da Câmara ao permitir que as lideranças partidárias utilizassem o tempo de um minuto a eles concedido para encaminhar a orientação de seus respectivos partidos, na votação do dia 17 de abril, quando a Câmara aprovou o prosseguimento do pedido de impedimento, para vincular o voto dos deputados. “Em alguns casos, no intuito de exercer uma coerção ainda maior sobre suas bancadas, líderes reiteravam que a questão havia sido ‘fechada’ pelo partido, deixando implícita a punição que poderia ser aplicada aos que não seguissem a sua orientação. Para a AGU, a orientação partidária retirou dos deputados a liberdade de formarem livremente as suas convicções."

Para a AGU, o interesse pessoal de Cunha na tramitação do processo de impeachment pode ser explicado por três fatores: o fato de ter declarado oposição ao governo em julho de 2015; as investigações e denúncias apresentadas contra ele na “lava jato”; e o interesse em obstaculizar ao ponto de praticamente inviabilizar o processo contra ele instaurado no Conselho de Ética da Câmara.

“Subsistem nulidades que devem ser sanadas pelo STF, sendo que o não reconhecimento da nulidade da votação pode acarretar consequências da mais extrema gravidade à estabilidade institucional e democrática do nosso país. O processo de destituição de uma presidenta da República não pode, em nenhuma hipótese, fundamentar-se em processo com flagrantes violações ao devido processo”, diz o texto do MS, que ainda não foi distribuído.

Clique aqui para ler o MS.
MS 34193

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 10 de maio de 2016, 16h57

Comentários de leitores

17 comentários

A serviço dos governantes, não do povo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Já se disse muitas vezes, sem as devidas reflexões pela sociedade brasileira, que a AGU precisa ser reestruturada, a fim de que se torne um órgão republicano. São 8 mil advogados altamente remunerados, que recebem independentemente do trabalho realizado e do ganho de causa. Paralelamente, somos nós que mantemos a cara estrutura, fornecendo até mesmo o papel higiênico para limpar as 8 mil . Quando o salário cai religiosamente todo mês, e não há custas a serem suportadas, o sujeito se encontra livre para toda espécie de aventura, e é o que tem ocorrido nos últimos tempos. Não é do interesse do povo brasileiro que dinheiro público seja consumido para salvar a quadrilha petista. A AGU precisa começar a substituir o servidor estável e altamente remunerado pela licitação de serviços, a fim de reduzir custos e otimizar o funcionamento do Órgão para o que realmente interessa, na defesa do povo brasileiro e não de governantes cujo adjetivo mais pertinentes chega a ser difícil de encontrar.

Doença incurável

Sargento Brasil (Policial Militar)

A corrupção assim como a política atual, inclusive o então deputado Cunha, são uma doença incurável em nosso país, composta de praticantes de crimes de lesa-pátria que chega ao extremo de termos ''representantes'' condenados até no exterior, não podendo deixar o país para não serem presos lá fora. Está abaixo do asco.

Bilionárias transações desconsideradas:

Carlos Bevilacqua (Advogado Autônomo)

De quem é o dinheiro usado em bilionárias "transações" do BNDES aplicadas no financiamentos a empreiteiras atualmente envolvidas na "Lava Jato" (Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS etc.) para obras monumentais em outros países (hidrelétricas, gasodutos, aeroportos, estradas, metrôs, portos etc. - das quais o Brasil ficou a ver navios)? Seriam as doações milionárias a Cuba e Bolívia desvios de divisas muito mais graves e uma das causas da crise? Resta saber ainda se a responsabilidade e improbidade dos responsáveis por tudo isso serão também apuradas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.