Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Obras gêmeas

Juiz não é obrigado a assistir a novela inteira para dizer se houve plágio

Por 

Não existe nulidade em sentença que deixa de citar DVDs juntados aos autos, quando outras provas permitiram ao juiz formar seu livre convencimento sobre o caso. Esse foi o entendimento da 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo ao negar recurso de herdeiros de um escritor que acusava a Rede Globo de plagiar o livro dele na novela Alma Gêmea, exibida entre 2005 e 2006 na faixa das 18h.

O pedido foi rejeitado em primeiro grau, mas o recurso dizia que houve cerceamento de defesa, porque o juiz não poderia ter analisado o caso sem assistir aos mais de 90 DVDs anexados no processo. Segundo os herdeiros, os vídeos comprovariam que a trama e as cenas da novela são idênticas ao livro Chuva de Novembro, de 1997, escrito por Carlos de Andrade — que morreu durante o andamento do processo.

Já o relator no TJ-SP, desembargador Carlos Alberto Garbi, considerou “absolutamente desnecessário ao julgador assistir a integralidade ou mesmo a partes da novela em DVD”, pois a sentença baseou-se em outras provas colhidas no andamento do processo. O desembargador disse que o material foi juntado para possível análise pericial, mas em nenhum momento houve requerimento solicitando o laudo.

10ª Câmara viu apenas semelhanças entre livro e novela Alma Gêmea, nos temas banais como amor e reencarnação.
Reprodução

Para ele, a sentença foi correta ao apontar que os temas tratados nas duas tramas “são temas banais na produção de obras de ficção”.

A Rede Globo, representada pelo escritório Camargo Aranha Advogados Associados, apontou que ambas as obras tratam de reencarnação, obsessão pela amada morta, amor simbolizado por uma rosa e loucura passional, por exemplo.

O autor de Alma Gêmea, Walcyr Carrasco, negou ter lido o livro de Andrade. Alegou ter elaborado a ideia central da novela com base em leitura de várias obras, na sua própria crença em reencarnação e na sua participação na Ordem Rosa Cruz (organização mística e filosófica).

Na avaliação do desembargador, “não há nada que vincule o escritor da novela à obra do autor, senão a coincidência”. Embora, no início do processo, Andrade tenha relatado que deixara seu livro na portaria da Globo, provas colhidas demonstram que nem Carrasco nem seus auxiliares tiveram acesso à obra.

“Para que ocorra o plágio deve ficar caracterizado que um dos autores usou deliberadamente a obra do outro como sua, mudando apenas alguns sinais ou elementos, situação não caracterizada nos autos”, disse o relator. O voto foi seguido por unanimidade.

Clique aqui para ler o acórdão.
Processo: 0103961-75.2005.8.26.0100

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 5 de maio de 2016, 15h01

Comentários de leitores

1 comentário

Alegação

O IDEÓLOGO (Outros)

A alegação de que o Juiz não assistiu aos capítulos da Novela transmitida na TV Aberta, e a sentença do processo é nula, é argumento destituído de suporte processual.

Comentários encerrados em 13/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.