Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reserva de vagas

Comissão do CNJ propõe política de cotas em concursos de cartórios

A comissão de eficiência operacional e gestão de pessoas do Conselho Nacional de Justiça estuda incluir a cota de negros na Resolução CNJ 81/2009, que regulamenta concursos públicos de provas e títulos para outorga de delegações de notas e registros. A minuta de alteração do ato administrativo foi discutida em reunião da Comissão nesta terça-feira (3/5).

O texto em debate prevê que 20% das serventias oferecidas no certame de provimento inicial sejam destinadas a candidatos negros, nos termos da Lei 12.990/2014. Para disputar as vagas reservadas, o candidato deve declarar, na inscrição, que é preto ou pardo, conforme critérios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a proposta do presidente da Comissão, conselheiro Norberto Campelo, os candidatos negros serão classificados em lista geral, com os demais, e em lista específica. Na audiência pública de escolha das serventias, eles serão chamados a escolher qual das opções usar, obedecendo a ordem de classificação final. Há, atualmente, reserva mínima de 5% das serventias para pessoas com deficiência, mas não existia previsão de cotas para negros na Resolução 81/2009.

A proposta é no sentido de que, definida a classificação de notas, a ordem de nomeação — entre a lista dos candidatos gerais e as cotas — para as serventias seguirá critérios de alternância e proporcionalidade, que estão sendo estudados e discutidos pelos conselheiros. As reservas valem para concursos com número de vagas igual ou superior a três. Pela proposta, os dispositivos de políticas afirmativas serão revistos em, no máximo, dez anos. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 5 de maio de 2016, 13h03

Comentários de leitores

2 comentários

Discriminação

Contribuinte Sofrido (Outros)

Sim, isso é autêntica discriminação contra os negros, pois ao cursar a faculdade eles já estão em pé de igualdade com as demais "raças". Inserir cotas em concursos é taxá-los de menos inteligentes. Eu sou pardo(afinal quem não tem um ancestral negro neste país?), e não aceito cota prá mim.

Injustiça generalizada....

Pek Cop (Outros)

Essa lei é uma muleta de agá....estão separando, taxando, e pondo em dúvidas a qualidade dos cotistas!!!!

Comentários encerrados em 13/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.