Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pesquisa Pronta

STJ divulga entendimento sobre responsabilidade por atos de cartórios

O Superior Tribunal de Justiça entende que os tabelionatos são instituições administrativas, desprovidos de personalidade jurídica e sem patrimônio próprio. Assim, os cartórios não se caracterizam como empresa ou entidade, motivo pelo qual é pessoal a responsabilidade do oficial de registros públicos por seus atos e omissões.

Com base nesse posicionamento, o ministro Humberto Martins, da 2ª Turma, negou pedido do Cartório do Primeiro Ofício de São Sebastião (SP) para que fosse reconhecida a sua legitimidade em ação de cobrança indevida de tributo. A serventia cartorária alegou que o imposto fora recolhido em seu nome, o que autorizaria o pedido de restituição tributária pelo serviço notarial.

“Os serviços de registros públicos, cartórios e notariais não detêm personalidade jurídica, de modo que quem responde pelos atos decorrentes dos serviços notariais é o titular do cartório. Logo, o tabelionato não possui legitimidade para figurar como polo ativo”, afirmou o ministro em seu voto.

A decisão está disponível na página Pesquisa Pronta, que permite consultas sobre temas jurídicos. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Revista Consultor Jurídico, 4 de maio de 2016, 14h50

Comentários de leitores

1 comentário

Importante

O IDEÓLOGO (Outros)

Os cartórios extrajudiciais constituíam antes da Constituição de 1988 verdadeiros feudos, infensos à própria atuação do Poder Judiciário. Com a Democracia, o controle do Estado sobre eles, representa progresso da sociedade sobre os argentários.

Comentários encerrados em 12/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.