Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crédito extraordinário

Gilmar Mendes suspende verba para publicidade da Presidência da República

A abertura de crédito extraordinário somente será admitida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública. Com esse entendimento, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade 5.513, ajuizada pelo partido Solidariedade para suspender parcialmente a vigência da Medida Provisória 722/2016 na parte em que abre crédito extraordinário em favor da Presidência da República, sob as categorias Comunicação Institucional (R$ 85 milhões) e Publicidade de Utilidade Pública (R$ 15 milhões). A decisão será submetida ao Plenário.

Ministro Gilmar Mendes suspendeu crédito extraordinário para a Presidência da República gastar com publicidade.
Ueslei/SCO/STF

Em uma análise preliminar, o relator afirmou que esses créditos desrespeitam o artigo 167, parágrafo 3º, da Constituição Federal. “Nada está a indicar que essas sejam, de fato, despesas imprevisíveis e urgentes. São despesas ordinárias. Certamente, não se pode dizer que os gastos com publicidade, por mais importantes que possam parecer ao governo no quadro atual, sejam equiparáveis às despesas decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, que compõem o parâmetro estabelecido no artigo 167, parágrafo 3º, da Constituição”, disse.

De acordo com o ministro, no julgamento da ADI 4.048, o STF estabeleceu que os requisitos para edição de medida provisória para abertura de crédito extraordinário são mais estreitos do que os necessários para a generalidade das MPs. “A Constituição deu maior densidade normativa aos pressupostos e reduziu a margem de discricionariedade do chefe do Executivo nessa hipótese.”

O relator frisou que o perigo da demora, um dos requisitos para a concessão de liminar, está presente, pois a abertura do crédito extraordinário, fora das hipóteses constitucionais, “fatalmente, acarretará dano irreparável ao erário”.

Gilmar Mendes, contudo, manteve o crédito de R$ 80 milhões, destinado ao Ministério do Esporte para gastos com implantação de infraestrutura para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. “Isso porque a proximidade dos Jogos Olímpicos torna a urgência qualificada e não há nos autos elementos que permitam, em análise inicial, típica de providências cautelares, infirmar o caráter extraordinário do crédito, ainda que as condições para sua abertura possam ser resultado de má gestão”, ponderou. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 5.513

Revista Consultor Jurídico, 3 de maio de 2016, 13h55

Comentários de leitores

4 comentários

Uma afronta

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

Uma verdadeira afronta aos brasileiros e brasileiras que trabalham e produzem a riqueza desse país a atitude do governo federal com esses gastos bilionário com publicidades que só servem de propaganda para mentir, enganar e mascarar o sofrimento de milhões que sofrem toda ordem de omissão desse mesmo governo no tocante à segurança, saúde, educação e infraestrutura.
Será que não temos um político decente o suficiente que apresente um projeto de lei para restringir ao máximo os gastos com publicidade desses elefantes brancos?

STF

O IDEÓLOGO (Outros)

O brilhante Gilmar Mendes se desfaz dentro de um contexto democrático, no qual não sabe atuar (http://www.osconstitucionalistas.com.br/?=gilmar+mendes+o+grande+jurista)

Propaganda desvirtuada

Rubens Cavalcante da Silva (Serventuário)

Diante das crises política e econômica por que passa o Brasil, só um governo como esse para querer crédito suplementar para tentar se defender do indefensável com o nosso dinheiro, por meio de propaganda institucional disfarçada.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.