Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Expectativa de direito

Judiciário não deve avaliar nomeação de aprovado no lugar de terceirizados

Não cabe ao Poder Judiciário avaliar a contratação de classificado em cadastro de reserva no lugar de terceirizado. O entendimento foi aplicado pela 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ) ao negar o recurso de uma advogada que queria ser contratada pela Caixa Econômica Federal, já que o banco utiliza serviços de um escritório de advocacia.

“Cabe ao poder discricionário do administrador (Caixa Econômica Federal) avaliar a oportunidade do ato de provimento, levando-se em conta não apenas a necessidade de pessoal, mas a disponibilidade de vagas a serem preenchidas”, afirmou o desembargador Cesar Marques Carvalho, relator.

Classificada na 76ª posição para o concurso da Caixa para o cargo de advogado júnior, a autora da ação argumentou que o banco estaria terceirizando seus serviços de advocacia a escritórios privados — o que violaria o artigo 37 da Constituição. Para ela, ao contratar esses serviços de uma forma que não seja excepcional e temporária, a Caixa demonstra a necessidade dos profissionais concursados.

Porém, para o relator, não ficaram demonstrados no processo elementos que confirmem ter havido preterição na nomeação e na posse dos concursados. Para o desembargador Cesar Marques Carvalho, em que pesem todas as críticas a essa forma de contratação indireta, não compete ao Poder Judiciário apreciá-la.

O magistrado acrescentou em seu voto que a aprovação da advogada se deu para a formação de cadastro de reserva, o que acarreta apenas a expectativa de direito por parte do candidato. No caso, a candidata não foi preterida na ordem de convocação, que parou no 16º candidato classificado para o Rio de Janeiro. "O deferimento da pretensão da demandante importaria, em última análise, em ultrapassar 60 posições, quebrando a ordem classificatória do certame", observou. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-1.

Revista Consultor Jurídico, 11 de julho de 2016, 17h26

Comentários de leitores

5 comentários

RE: Discricionariedade sem limiites

Fabão Só (Servidor)

Isaías, a advocacia não é atividade fim da Caixa, pois não se trata de uma empresa de prestação de serviços jurídicos.
A contratação de caixas ou gerentes terceirizados, por exemplo, seria ilegal, por desempenharem esses profissionais atividades fim da empresa.
Também fiquei indignado com a decisão, mas no final senti um alívio, ao ver que ela se fundamentou também na colocação da advogada no certame, que teria de pularia 60 posições caso tivesse sua pretensão atendida. Aí procede a decisão.
Acredito que uma ação popular do MP fosse viável.

Porque a justiça libera este caça-niquel?

jorge faiad (Advogado Autônomo - Trabalhista)

O concurso para cadastro de reserva é um verdadeiro caça -niquel, autorizado pelo judiciário.
Até quando permitirão?

Discricionariedade sem limiites.

Isaias João (Advogado Autônomo - Civil)

A contratação de terceirizados não pode se dar para atividade fim, isto está na lei. É pacífico o entendimento de que a atividade de advocatícia para a Caixa Econômica Federal é atividade fim e não atividade meio, o que torna irregular a contratação de terceirizados, não fosse tal fato, tem-se ainda que: tendo o banco em questão um concurso dentro do prazo de validade para o mesmo cargo em que são feitas as terceirizações, tem-se claramente configurada a preterição dos concursados em favor dos terceirizados, o que, segundo entendimento consolidado do STF, gera direito subjetivo à nomeação dos concursados aprovados para o cargo em questão. A discricionariedade do administrador público é limitada pela atuação do poder judiciário quando haja ilegalidade, desta forma, tal decisão - baseada em independência entre os poderes, contraria toda a jurisprudência já consolidada em relação ao tema.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.