Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova avalição

Aluno que conseguiu vaga em universidade com liminar terá matrícula barrada

A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) pode barrar a matrícula de um estudante mesmo depois de dois anos de curso na graduação. A decisão é da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em reexame necessário de uma decisão que havia garantido a matrícula de um aluno que não comprovou ter concluído o ensino médio.

O aluno havia feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2012 e foi selecionado para uma das vagas do 2º semestre no curso de Engenharia de Produção oferecida pela UFMS pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Entretanto, sua matrícula foi negada por falta de apresentação do certificado de conclusão do ensino médio ou equivalente.

No entanto, por força de decisão liminar em 2013, confirmada por sentença, o estudante foi matriculado. Apesar disso, estudante ainda não havia apresentado o comprovante exigido, o que motivou decisão contrária no TRF-3, por reexame necessário.

A desembargadora federal Marli Ferreira, relatora do acórdão, afirmou que a Lei 9.394/1996, em seu artigo 44, inciso II, prevê que os cursos de graduação estão abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo.

Ela afirmou que as normas editadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96) visam garantir que o aluno não ultrapasse etapas, sob pena de prejudicar o processo pedagógico, além de garantir a preservação do princípio da isonomia.

“Nada obstante ter sido beneficiado com a possibilidade de iniciar o curso de graduação enquanto concluía o ensino médio, até a presente data o aluno não apresentou cópia do Histórico Escolar e do Certificado de Conclusão do Ensino Médio”, destacou a magistrada.

Assim, ela concluiu que “nessas condições, a permanência do impetrante no curso de graduação representa um odioso privilégio, em clara violação não apenas à letra da lei, como também ao princípio constitucional da isonomia”. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-3.

0001372-41.2013.4.03.6003/MS

Revista Consultor Jurídico, 25 de janeiro de 2016, 16h30

Comentários de leitores

5 comentários

Justiça com os demais.

AUGUSTO LIMA ADV (Advogado Autônomo - Tributária)

Muito acertada esta decisão e faz tardiamente justiça com outros candidatos que concluíram à época o segundo grau.
Isto não é mérito do candidato e sim sabedoria. Que tipo de profissional vai sair da universidade, se já ingressa com maracutaia?

Meritocracia

LCQUINTANS (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Por vezes a letra da lei - para gerar isonomia - desfigura o real direito do cidadão que o adquiriu por seu mérito. Ora, o bom senso indica que se o candidato teve capacidade de passar na disputa e durante o curso conseguiu apresentar o documento faltante, porque não deixar o fato consumado subsistir? Isso é meritocracia! Isso é isonomia (se mesmo sem ter o diploma conseguiu passar ). Isso é capacidade! O diploma é importante, mas, é só um retrato de um momento. Porque mesmo os bacharéis se não continuarem seus estudos vão se tornar imperitos. Não vi justiça na decisão! O que vi foi literalidade e punição ... só lastimo, pois, a falta de meritocracia, ainda mais por fato consumado, é que faz desse país o país dos apadrinhados!

Era algo previsível...

pj.branco (Advogado Autônomo - Civil)

Há muito que a "teoria do fato consumado" não prospera de forma absoluta nos tribunais. A teoria supracitada prevalece em casos extremos...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/02/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.