Consultor Jurídico

Notícias

Ministros lamentam

Morre Anadyr Mendonça, ex-ministra que revolucionou a Advocacia-Geral da União

Morreu de complicações de um câncer, nesta quarta-feira (6/1), a procuradora Anadyr Mendonça Rodrigues, personagem importante na criação da Procuradoria-Geral Federal. Ela foi responsável pela coordenação dos Órgãos Vinculados da Advocacia-Geral da União, movimentação que deu origem à PGF. Além disso, Anadyr foi a primeira corregedora-geral da União no governo Fernando Henrique Cardoso, cargo que lhe dava status de ministra.

Em 1972, foi a única mulher aprovada no concurso da Justiça Federal de primeira instância. Mais tarde, tornou-se a primeira mulher no Ministério Público Federal e a pioneira também a assumir o cargo de advogada-geral da União interinamente. “Estou acostumada a quebrar tabus”, dizia.  

Mãe de três filhas e avó de uma menina, Anadyr foi casada com o procurador-geral do Distrito Federal, Ary Lopes Rodrigues. Ao assumir o posto de corregedora-geral da União em 2001, disse que estava estudando muito e esse tempo lhe fazia falta no convívio familiar: “Sinto falta de ter tempo para ficar com a família reunida na nossa chácara e de ir pescar com meu marido”.

Na mesma ocasião, contou como encarou o convite do presidente Fernando Henrique Cardoso para assumir o cargo que havia sido criado. “Senti naquele momento uma terrível preocupação pelo tamanho da responsabilidade, mas o convite era irrecusável.”

Pesar
O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes classificou-se como “admirador incondicional” e “eterno devedor” de Anadyr. “Um exemplo de caráter e de competência. Tudo que foi feito na AGU na minha gestão não teria sido possível sem a sua colaboração.”

Luís Inácio Adams, advogado-geral da União, também lamentou a morte de Anadyr: “Era uma profissional enérgica e comprometida com o interesse público. No tempo que esteve na Advocacia-Geral da União, foi responsável pela coordenação dos Órgãos Vinculados, promovendo verdadeira revolução na defesa das autarquias e fundações públicas e permitindo a posterior criação da Procuradoria-Geral Federal”.

Dias Toffoli, ministro do STF, destaca a luta que Anadyr encampou por toda vida por ser uma mulher operadora do Direito: "Ela se formou em Direito no Largo de São Francisco em 1958, uma época em que a sociedade reservava a vida acadêmica para os homens. Recentemente, em um discurso na OAB-DF, desabafou sobre todas as discriminações que sofreu ao longo da carreira por ser mulher. Deixa um grande exemplo profissional e de vida". 

Em nota, a Controladoria-Geral da União diz que recebeu a notícia da morte “com imenso pesar”. “Aos familiares e amigos, a CGU externa seu profundo sentimento de solidariedade.” O órgão afirma que ela sempre teve postura competente e ilibada à frente de suas atribuições, seja enquanto ministra, advogada-geral da União e sub-procuradora-geral da República, “principalmente no propósito de combater a corrupção e promover a defesa do patrimônio público”.

A Advocacia-Geral da União externou profundo pesar pela morte da jurista. "Anadyr é apontada como uma das mais importantes figuras do mundo jurídico e também da advocacia pública. Na Advocacia-Geral, teve passagem rápida, porém marcante. Entre 2000 e 2001, ela ocupou o cargo de coordenadora dos Órgãos Vinculados, unidade responsável pela defesa das autarquias e fundações federais antes da estruturação da Procuradoria-Geral Federal, braço da AGU que atualmente exerce essa função", escreveu a entidade.

Otávio Luiz Rodrigues, professor de Direito na USP e colunista da ConJur, afirma que Anadyr foi umas das "construtoras da Advocacia-Geral da União" e também ressaltou a importância da atuação dela na "abertura simbólica de espaços para as mulheres na alta administração federal". 

Revista Consultor Jurídico, 6 de janeiro de 2016, 12h00

Comentários de leitores

2 comentários

Grande perda !

isabel (Advogado Assalariado)

conheci a grande doutora Anadyr, quando ela criou a primeira Ouvidoria Geral da União, e a partir daí, alavancou a criação de ouvidorias em várias instituições públicas, entre as quais a CAIXA, da qual tive a honra de ser a primeira Ouvidora.
Nas oportunidades que tive de estar com ela, muito aprendi, algumas lições de que nunca esqueci e me valho até hoje.
Uma mulher forte, decidida e pragmática, que nos ensinava a "tirar leite de pedra", uma vez que em tempos de desmonte do Estado, os novos ouvidores dispúnhamos de apenas parcos recursos para a instalação das Ouvidorias, pelo que ela nos exortava a trabalhar com o que tínhamos com as seguintes palavras : " o ótimo é inimigo do bom ".
E salientava a importância da expansão dos direitos do cidadão ( razão de ser das ouvidorias) : " muita água passou por baixo da ponte, desde que os cidadãos aceitavam tudo que lhes impunha os agentes públicos, hoje eles procuram seus direitos e a ouvidoria deve ser instrumento para eles se fazerem ouvir " ( palavras quase literais , que parece que as estou ouvindo ).
Vá em paz doutora Anadyr ! que Deus a receba com todas as glórias que seu inestimável trabalho merece !

Uma pena!

Neli (Procurador do Município)

Mas, a única certeza da vida é a morte! E a morte é a mais democrática das instituições celestiais:leva rico,leva pobre;leva querendo, leva sem querer;leva jovem,leva velho; leva recém nascido,leva sem nascer;leva criança ,leva adulto, leva adolescente,leva mediano; leva mulher feia,leva mulher linda, leva homem feio,leva homem lindo.Leva famoso,leva anônimo.A morte?Deveria ser festejada,invés de ser lamentada. A morte?Quem Ela leva é porque cumpriu, com louvor, a Missão na terra.Descanse em paz!Mas,ninguém merece morrer ,ainda mais de câncer.

Comentários encerrados em 14/01/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.