Consultor Jurídico

Notícias

Descanso semanal

Acordo coletivo não pode flexibilizar direitos à saúde do empregado

Direitos voltados à proteção da saúde do trabalhador são normas de ordem pública, não podendo ser flexibilizados por meio de ajuste coletivo. Assim entendeu  a 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG) ao conceder repouso semanal remunerado em dobro aos empregados de uma companhia de transportes público municipal.

O regime de plantão em fins de semana havia sido reconhecido em primeiro grau, pois o juízo avaliou que acordo coletivo estipulou folgas compensatórias e pagamento de adicional para regime de escala.

A relatora do caso no TRT-3, juíza convocada Maria Raquel Ferraz Zagari Valentim, avaliou que a categoria ficava sem descanso por mais de sete dias consecutivos, embora todo trabalhador tenha direito a ao menos 24 horas de descanso por semana.

A julgadora disse que, embora a Constituição Federal tenha prestigiado a negociação coletiva e concedido poderes aos sindicatos representativos das categorias econômica e profissional, permitindo que se estipulem benefícios para os empregados e para os empregadores com concessões recíprocas, essa permissão não é ilimitada, devendo ser respeitadas as regras mínimas de proteção do trabalho e os direitos indisponíveis dos empregados. 

Assim, na visão da magistrada, o ajuste coletivo que permite o labor por sete dias seguidos e a concessão do descanso somente após esse período é inválido, pois contraria o artigo 7º, XV, da Constituição e com o artigo 1º da Lei 605/1969, que assegura a todo empregado o direito ao repouso semanal remunerado preferencialmente aos domingos, ou seja, após o sexto dia laborado.

"Ademais, além do aspecto relacionado à saúde dos trabalhadores, propiciando a reposição das energias, não podem ser desprezados os efeitos benéficos e necessários do repouso semanal remunerado depois de seis dias de trabalho quanto ao convívio familiar e social do trabalhador", acrescentou a julgadora.

A relatora também citou que na situação analisada os empregados trabalharam mais de sete dias consecutivos, sendo que os contracheques correspondentes não indicam o pagamento em dobro pelo trabalho prestado no dia de repouso. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-3.

Clique aqui para ler o acórdão.
Processo 0010564-53.2015.5.03.0018

Revista Consultor Jurídico, 3 de janeiro de 2016, 7h10

Comentários de leitores

1 comentário

Desestímulo!

Fe (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Um verdadeiro desestímulo às negociações coletivas! Do que adianta os Sindicatos fazerem concessões recíprocas conforme suas necessidades e peculiaridades específicas para aquele momento se o Judiciário pode anular uma única cláusula específica alterando as condições pactuadas para apenas um lado?

Comentários encerrados em 11/01/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.