Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Alvos claros

Em posse, presidente da OAB critica petrolão, eletrolão, zelotes e Cunha

Petrolão, eletrolão, operação zelotes e o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha foram alvos do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Cláudio Lamachia, na noite desta terça-feira (23/2). Em discurso na posse solene do Conselho Federal, Lamachia fez duras críticas à corrupção e à tentativa do governo de implantar a CPMF.

ConJur

O presidente da OAB afirmou que o sistema tributário brasileiro é caótico e indecente, dizendo que ele é “feito para que ninguém consiga cumpri-lo, e, portanto, para que todos fiquem em mora com um Estado acostumado a criar dificuldades para vender facilidades”.

Além do sistema tributário, o próprio modelo político brasileiro foi colocado em xeque. Para Lamachia, trata-se de um modelo paralisado “pela exposição pública de desmandos, com integrantes acuados por investigações de todo o tipo, em guerra permanente uns contra os outros e que perderam totalmente a capacidade de diálogo e, portanto, a capacidade de solver os problemas da nação”.

ConJur

Ele conclamou união de advogados e de toda a sociedade civil para destruir a corrupção “para podermos finalmente construir as estradas, aeroportos, portos, ferrovias e hidrovias que sejam capazes de transportar nossa gente e de exportar nossas riquezas de forma competitiva mundo afora”.

Lamachia fez ainda uma crítica ao novo entendimento do Supremo Tribunal Federal, que permite o cumprimento de penas antes do trânsito em julgado. Ao conclamar que a corrupção seja punida, exigiu que se alguém for condenado a uma pena, que a cumpra, fazendo a ressalva que só após o esgotamento de todos os recursos e nos exatos termos da Constituição Federal.

ConJur

O evento da noite desta terça estava lotado, com a presença de grandes nomes do mundo jurídico. Do STF, estavam seu presidente, Ricardo Lewandowski, e os ministros Gilmar Mendes, Teori Zavascki e Roberto Barroso, além do ministro aposentado Ayres Britto. Do Superior Tribunal de Justiça, estavam presentes, além do presidente Francisco Falcão, os ministros Nancy Andrighi, Raul Araújo, Antônio Carlos Ferreira, Marco Buzzi, Ricardo Cueva, Paulo de Tarso Sanseverino, João Otávio de Noronha, Herman Benjamin, Marco Aurélio Bellizze, Humberto Martins e o ex-presidente da Corte, hoje na advocacia, Cesar Asfor Rocha. Do Tribunal Superior Eleitoral, marcaram presença no evento os ministros Luciana Lóssio e Admar Gonzaga. Do CNJ, Fabiano Silveira e do TCU, Bruno Dantas, entre muitas outras autoridades.

Clique aqui para ler o discurso de Lamachia.

Veja como ficou o Conselho Federal da OAB e sua diretoria:

Nome Cargo
Claudio LamachiaPresidente
Luis Cláudio da Silva ChavesVice-presidente
Felipe Sarmento CordeiroSecretário-geral
Ibaneis RochaSecretário-geral adjunto
Antonio Oneildo FerreiraDiretor-tesoureiro
Conselho Federal
Acre
Luiz Saraiva Correia
Erick Venâncio Lima do Nascimento
João Paulo Setti Aguiar
Alagoas
Everaldo Bezerra Patriota
Felipe Sarmento Cordeiro
Thiago Rodrigues De Pontes Bomfim
Amapá
Charlles Sales Bordalo
Helder José Freitas de Lima Ferreira
Alessandro de Jesus Uchôa de Brito
Amazonas
Caupolican Padilha Junior
Daniel Fábio Jacob Nogueira
Jose Alberto Ribeiro Simonetti Cabral
Bahia
André Luis Guimarães Godinho
Fabrício de Castro Oliveira
Fernando Santana Rocha
Ceará
Valdetário Andrade Monteiro
Ricardo Bacelar Paiva
Caio César Vieir Rocha
Distrito Federal
Severino de Sousa Oliveira
Marcelo Ladvocat Galvão
Ibaneis Rocha Barros Jr.
Espírito Santo
Flávia Brandão Maia Perez
Luciano Rodrigues Machado
Marcus Felipe Botelho Pereira
Goiás
Dalmo Jacob do Amaral Júnior
Fernando de Paula Gomes Ferreira
Leon Deniz Bueno da Cruz
Mato Grosso
Duilio Piato Júnior
Joaquim Felipe Spadoni
Rogério Luiz Gallo
Mato Grosso do Sul
Alexandre Mantovani
Ary Raghiant Neto
Luis Cláudio Alves Pereira
Maranhão
José Agenor Dourado
Roberto Charles de Menezes Dias
Luís Augusto de Miranda Filho
Minas Gerais
Luís Claudio da Silva Chaves
Eliseu Marques de Oliveira
Vinícius Marques Gontijo
Pará
Jarbas Vasconcelos do Carmo
Marcelo Augusto Teixeira de Brito Nobre
Nelson Ribeiro de Magalhães e Souza
Paraíba
Delosmar Domingos Mendonça Júnior
Luiz Bruno Veloso Lucena
Rogério Magnus Varela Gonçalves
Paraná
Jose Lucio Glomb
Cassio Lisandro Telles
Juliano Jose Breda
Pernambuco
Pedro Henrique Braga Reynaldo Alves
Silvio Pessoa de Carvalho Junior
Adriana Rocha de Holanda Coutinho
Piauí
Cláudia Paranaguá de Carvalho Drumond
Celso Barros Coelho Neto
Eduarda Mourão Eduardo Pereira de Miranda
Rio de Janeiro
Carlos Roberto de Siqueira Castro
Luiz Gustavo Antônio Silva Bichara
Sergio Eduardo Fisher
Rio Grande do Sul
Alexandre Lima Wunderlich
Claudio Pacheco Prates Lamachia
Cléa Anna Maria Carpi da Rocha
Rio Grande do Norte
Sérgio Eduardo da Costa Freire
Paulo Eduardo Pinheiro Teixeira
Aurino Bernardo Giacomelli Carlos
Rondônia
Elton José Assis
Elton Sadi Fulber
Breno Dias de Paula
Roraima
Antônio Oneildo Ferreira
Bernardino Dias de Souza Cruz Neto
Alexandre César Dantas Soccorro
Santa Catarina
Tullo Cavallazzi Filho
João Paulo Tavares Bastos Gama
Sandra Krieger Gonçalves
São Paulo
Guilherme Octavio Batochio
Marcia Melaré
Luiz Flávio Borges D'Urso
Sergipe
Arnaldo de Aguiar Machado Júnior
Maurício Gentil Monteiro
Paulo Raimundo Lima Ralin
Tocantins
José Alves Maciel
André Francelino de Moura
Pedro Donizete Biazotto

Revista Consultor Jurídico, 23 de fevereiro de 2016, 23h44

Comentários de leitores

11 comentários

Dedicatória.

Luiz Parussolo (Bancário)

Dedico ao novo presidente da OAB e a quase os um milhão de atuantes no Brasil; a todos os políticos nacionais; a todos os burocratas e tecnocratas; a todos capitalistas e especuladores, inclusive o sistema financeiro; a todas as associações, federações e sindicatos de empreendedores e classistas de trabalhadores; a toda a mídia e meios de comunicação e jornalistas; a todos professores pregadores de teorias, dogmatismos e ideologias de mercado; a todos os grandes latifundiários predadores do território e do meio ambiente e a todos os grupos capitalistas conglomerados que tomam todo o espaço econômico e explora a nação, o erário e o conhecimento do povo. Todos parasitas, corruptos e corruptos, direta ou indiretamente, fascistas e responsáveis pela banalização do mal, da virtude, da sociedade e do território como mercadorias e fontes de riquezas posto a profecia de Ayn Rand revelada provavelmente para mostrar como o Brasil será exterminado irreversivelmente.
“Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; Quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; Quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto sacrifício; Então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada”.

discurso

Octavio Pires (Advogado Autônomo - Civil)

Discurso oportunista, temos aí mais um candidato a qualquer coisa. Neste país, todos são a favor da livre iniciativa, seja lá o que possa significar isso. No entanto, ficam desesperados atrás de um cargo público a vida inteira. Esses tributos questionados é que pagam o Judiciário que não funciona de jeito algum e vamos lembrar que advogados também fazem parte da justiça e aliás, participam mais ainda quando se trata de aproveitar o quinto constitucional, não é mesmo? Se há muito tributo, não vamos esquecer que a sonegação é maior ainda. Por fim, foi informado aqui mesmo no Conjur, que esse presidente paga a alguém, não se sabe quem, para que escreva seus discursos.

2018 à vista

J. Cordeiro (Advogado Autônomo - Civil)

Não é difícil saber, a partir de suas atuais manifestações, pra que lado se balança o atual presidente da OAB nacional na eleição de 2018. A dúvida é se ele sairá candidato ou não.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.