Consultor Jurídico

Notícias

Fosfoetanolamina sintética

Estado não tem obrigação de fornecer "cápsula contra o câncer"

Por não ter apresentado nenhum relatório médico detalhando as terapias usadas contra um câncer e os resultados obtidos, um paciente não conseguiu mandado de segurança para que a Secretaria de Saúde do Estado de Goiás fornecesse a fosfoetanolamina sintética. A decisão é da desembargadora Beatriz Figueiredo Franco, do Tribunal de Justiça daquele estado, que indeferiu o pedido.

Segundo a julgadora, também não foi juntado aos autos nenhum documento ou receituário de prescrição da substância, a quantidade a ser obtida, a forma de apresentação e a dosagem a ser ministrada. O autor deixou ainda de fundamentar a legitimidade do estado de Goiás pela suposta omissão na disponibilização da substância experimental, conhecida como “cápsula contra o câncer”.

A desembargadora explicou que, apesar da fama que a substância conseguiu de induzir o ataque a células doentes pelo próprio sistema imunológico, não há comprovação científica de sua eficácia. "Associada ao estágio embrionário dos estudos com a molécula, também não há capacidade de produção em larga escala nem viabilidade de se obter o produto no mercado, apenas produzido em pequenas quantidades, por um dos laboratórios do Instituto de Química da Universidade de São Paulo de São Carlos para atender ordens judiciais”, explicou a magistrada.

Beatriz Figueiredo Franco frisou que a substância não possui registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Afirmou que a fosfoetanolamina sintética não é um medicamento, não tendo sua eficácia terapêutica comprovada no ambiente acadêmico ou no da indústria farmacêutica.

A decisão ainda afasta a responsabilidade direta do secretário da Saúde de Goiás no fornecimento do medicamento — que correu o risco de ser preso por não ter como fornecer a substância. A magistrada apontou que ele não possui vínculo hierárquico e funcional para isso, uma vez que ela só é produzida pela USP.

A desembargadora também disse que devido à ausência de viabilidade da prescrição da substância por profissionais da saúde, mesmo que fosse possível adquirir o produto no mercado, o Tribunal de Justiça de Goiás não poderia de forma válida e responsável dosá-lo ou quantificá-lo para entrega ao paciente.

Outros casos
O TJ-GO julgou outros dois casos em que pacientes pediam que a Secretaria de Saúde estadual fornecesse a "cápsula contra o câncer". Em um deles, o entendimento foi o mesmo adotado pela juíza Beatriz Franco: o juiz substituto em segundo grau Marcus da Costa Ferreira, da 6ª Câmara Cível da corte, indeferiu pedido de uma mulher por não "vislumbrar relação de direito material existente entre a agravante e o estado de Goiás", já que é a USP quem fornece a substância.

Na outra ação, o juiz Wilson Safatle Faiad determinou que o estado de Goiás tinha 48 horas para  providenciar a fosfoetanolamina e estipulou a pena de prisão do secretário em caso de descumprimento. O estado conseguiu reverter a decisão. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-GO.

Clique aqui para ler a decisão.

Revista Consultor Jurídico, 1 de fevereiro de 2016, 10h34

Comentários de leitores

2 comentários

Legalista ao extremo

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Não desejo jamais que a Sra juíza contraia o câncer para saber o que realmente interessa a quem tenha a tal doença.

Francamente!

Sarita Bassan (Bacharel - Internacional)

Essa decisão foi proferida por uma desembargadora que em 2008, esteve metida num escândalo de tráfico de influência com Perillo, o mesmo que a indicou ao desembargo no Tribunal de Justiça de Goiás. Ao dizer que não há comprovação científica de sua eficácia, a douta se mostra completamente alheia aos mais de 20 anos de estudos dedicados à substância fosfoetanolamina sintética do professor da USP de São Carlos, Gilberto Orivaldo Chierice e sua equipe, bem como os trabalhos publicados na área. Ao frisar que a substância não possui registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), também demonstra desconhecer a resolução RDC 38/2013, publicada no Diário Oficial da União (DOU) de 13/08/2013, que regulamenta o direito de acesso aos medicamentos inovadores que ainda não estão disponíveis no mercado, ou seja, o Programa de uso Compassivo, que consiste numa autorização da Anvisa para que a indústria execute determinado programa assistencial no Brasil fornecendo medicamento novo, promissor e ainda sem registro na Agência. Ao afirmar que a fosfoetanolamina sintética não tem eficácia terapêutica comprovada no ambiente acadêmico ou no da indústria farmacêutica, mais uma vez, se mostra completamente alheia ao assunto, uma vez que o Dr. Renato Meneguelo, um dos pesquisadores da equipe, desenvolveu sua tese de mestrado na USP defendida em 2007 tratando do tema, bem como sete trabalhos publicados com impacto internacional junto à equipe do qual participa e 96 artigos publicados sobre a fosfoetanolamina. Francamente, excelência, tal atitude me leva a refletir vossa postura, um tanto suspeita para julgar. Espero que seus "erros do passado" não estejam se repetindo em sua tomada de decisões!

Comentários encerrados em 09/02/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.