Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo seletivo

Militar não consegue liminar para integrar missão de paz do Brasil no Haiti

Um militar gaúcho que buscava na Justiça ser incluído no quadro do Exército brasileiro a ser enviado para a missão de paz no Haiti teve negado seu pedido de liminar. Ele alegava ter preenchido todos os requisitos qualificadores para integrar a equipe, mas que não foi incorporado por causa de apadrinhamentos dentro da instituição.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou pedido de liminar no  processo ajuizado em junho contra a União. Segundo o homem, após todas as etapas preliminares, havia sido publicado um boletim no qual ele constava como selecionado. Entretanto, seu nome foi substituído mais tarde sem qualquer justificativa. Ele argumentou que a atitude, embora discricionária, feriu a legalidade e a moralidade.

O Exército esclareceu que o documento citado era referente aos pré-selecionados. Em primeira instância, a 2ª Vara Federal de Porto Alegre negou a antecipação de tutela, levando o militar a recorrer ao tribunal.

O relator do caso na 3ª Turma do TRF-4, desembargador federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira, rejeitou o apelo. Em seu voto, o magistrado transcreveu trecho da sentença: “Na própria etapa de pré-seleção em que o demandante foi substituído, verifico que nada menos que outros 28 militares também foram substituídos, denotando a ausência de qualquer ação direcionada a prejudicar ou a perseguir o autor”. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-4.

Processo: 5036415-83.2016.4.04.0000

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2016, 11h49

Comentários de leitores

1 comentário

Haiti

O IDEÓLOGO (Outros)

Por que o militar queria ir ao Haiti? O Haiti é aqui.

Comentários encerrados em 07/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.