Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Até 2018

Damous volta para Câmara e diz que vai denunciar "arbítrio judicial"

O advogado Wadih Damous (PT-RJ) reassumiu no último dia 28 o mandato de deputado federal. Ele deve ficar na Câmara dos Deputados em definitivo até 2018. O ex-presidente da seccional fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil retornou à vaga deixada em maio porque era suplente do deputado Fabiano Horta (PT-RJ), eleito no pleito de outubro deste ano para ser prefeito de Maricá, no Rio de Janeiro. Ele disse, em vídeo na sua página oficial no Facebook, que vai continuar denunciando "o arbítrio judicial, os desmandos do Ministério Público e da Polícia Federal. Enfim, do sistema brasileiro de Justiça".

Damous falou ainda que o mandato será de “enfrentamento” e “combativo”. E já adianta que vai lutar contra a reforma trabalhista proposta pelo presidente Michel Temer, além de trabalhar para minimizar os efeitos da PEC 55/16, que congelou investimentos públicos por 20 anos. Em caso de queda do presidente Temer antes do fim do mandato, o advogado defende novas eleições.  

A primeira vez em que Damous assumiu a vaga de Horta, que se licenciou do cargo de deputado para ser secretário de Desenvolvimento Econômico Solidário na cidade do Rio de Janeiro, foi em meados de 2015. O pedido para Horta se licenciar teria partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um jantar com o prefeito Eduardo Paes e o governador Luiz Fernando Pezão do Rio, ambos do PMDB. Na ocasião, Lula teria pedido que fosse feito um convite a Horta para assumir um lugar no secretariado estadual e abrir uma vaga para Damous na Câmara. Segundo o ex-presidente, seria bom para o governo um parlamentar com o perfil de Damous, com formação jurídica.

Damous foi um dos mais combativos deputados no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Autor de vários projetos de interesse da advocacia, defendia que os deputados aprovassem um PL para autorizar prisão apenas após trânsito em julgado.

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2016, 15h24

Comentários de leitores

10 comentários

bravateiro !

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Duvido que fará isso. Um Presidente ou ex da OAB tem o dever de saber de todas as mutretas que ocorrem por aí, daí ter o dever legal e moral de indicar quem são os ladrões que andam por ai, indicando seus nomes e dando fatos. Esse senhor não vai fazer é nada !

Bandido

Professor Edson (Professor)

Somente os parciais da advocacia para encher a bola de um ladrão desse , advogado é sustentado com dinheiro do crime, isso explica tudo.

pois é...

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nada é tão ruim que não possa piorar.
Mais uma para encerrar o ano de 2016.
FELIZ ANO NOVO! E que na retrospectiva de 2017 tenhamos como fato a prisão de Lula e, oxalá, a prisão de outros tantos "marginais da república".

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.