Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sequestro de dados

Autoridades americanas advertem bancas sobre surto de ransomware

Por 

As águas da navegação na Internet estão cada vez mais turbulentas. A World Wide Web, além dos perigos de hackers, está infestada de espécies maliciosas de softwares, chamados genericamente de malwares, como vírus, worm, trojan horse, spyware, adware, scareware e ransomware.

O ransomware é o malware da vez. Atualmente, é o preferido dos criminosos cibernéticos, porque é mais lucrativo e mais fácil de operar do que seus congêneres. Ransomware é uma espécie de sequestro, que é resolvido mediante pagamento de resgate (daí a palavra “ransom”). O criminoso bloqueia o acesso ao sistema de computação de uma organização e só desbloqueia após o pagamento. Às vezes recebe o resgate e não desbloqueia.

De acordo com um relatório recente da empresa de segurança Kaspersky Lab, no período de janeiro a setembro deste ano a taxa de ataques de ransomware aumentou de um a cada dois minutos para um a cada 40 segundos. E as variações de ransomware aumentaram para 32.091 no primeiro trimestre do ano. Até agora, no ano, foram detectadas cerca de 62 mil novas famílias de ransomware.

Isso significa que os criminosos cibernéticos não respeitam mais ninguém. A essa altura, nem mesmo os advogados (ou escritórios de advocacia) que poderão, um dia, ter de representá-los em algum tribunal.

O problema se tornou tão sério que, nesta semana, procuradores-gerais dos estados de Nova York, Texas, Pensilvânia, Maryland e Flórida, entre outros segundo o Jornal da ABA (American Bar Association) divulgaram informes à imprensa, quase que simultaneamente, advertindo sobre um surto de ransomware especial para advogados e escritórios de advocacia. Seccionais da ABA em alguns estados também divulgaram advertências.

Em nota, o procurador-geral do estado de Nova York advertiu as bancas que os criminosos estão enviando e-mails a advogados que se assemelham às comunicações oficiais de seu departamento. O e-mail, cujo assunto é “The Office of The State Attorney Complaint, se refere a uma suposta queixa de um cliente contra o advogado ou contra a banca.

O texto, que contém redação e termos costumeiros da advocacia, informa que uma queixa foi apresentada contra a banca e que ela tem 10 dias para protocolar uma resposta (rebuttal). “A queixa pode ser vista no link abaixo”, diz o e-mail. “As respostas não podem exceder 15 páginas e podem se referir a documentos ou provas adicionais, que estarão disponíveis a pedido...”.

A seccional da ABA do Texas também advertiu os advogados sobre um suposto e-mail da Procuradoria Geral do estado. O texto é igual e o link para ver a queixa é exatamente o mesmo do e-mail que circula em Nova York. O perigo está sempre em clicar no link.

A seccional da ABA de Maryland advertiu os advogados sobre o suposto e-mail da Procuradoria Geral e acrescentou uma outra armadilha: e-mails com o assunto “nos veremos no tribunal”, enviados por algum outro advogado, cuja conta de e-mail foi invadida pelos criminosos cibernéticos. Assim, o advogado acredita que é um e-mail legítimo e clica no link para ver o documento. E tudo não passa de um ransomware.

Ao contrário de outros malwares, o ransomware é um mal que não tem cura — nem mesmo um tratamento paliativo ou para prolongar a sobrevivência. É fatal. A única medida eficaz contra o ransomware é a prevenção.

Recomendações preventivas
Todos os sites que tratam do assunto recomendam não clicar no link e não abrir documentos anexados ao e-mail. O procurador-geral de Nova York recomenda deletar o e-mail e telefonar para o departamento para falar sobre o e-mail e checar se há, realmente, algum problema a ser resolvido.

Algumas mensagens trazem um número de telefone. A recomendação é nunca ligar para esse número, porque quem vai atender é um membro de uma quadrilha. É preciso buscar o número do suposto remetente do e-mail por outros meios. Da mesma forma, nunca se deve responder a esses e-mails.

O site CSO diz que é preciso treinar o pessoal de TI sobre ransomware (e outros malwares), porque, em muitos casos, eles não sentem o peso da responsabilidade de perder todos os dados, documentos e outros arquivos do escritório como o advogado e, por isso, são mais descuidados.

Os programas de proteção contra malwares devem ser atualizados frequentemente, porque podem ajudar a prevenir ataques de criminosos cibernéticos.

No entanto, a melhor medida é manter todos os arquivos e programas do sistema de computação do escritório em um HD externo ou na nuvem. Se tudo for sistematicamente atualizado, pelo menos será possível recuperar todo o ativo de computação do escritório.

Embora a convicção geral seja a de que o ransomware é um mal que não tem cura, o site No More Ransom, produzido por empresas de segurança, diz que pode haver uma ou outra ferramenta que decifre a criptografia de um ou outro malware. E sugere que chequem o site.

A Kaspersky Lab recomenda que nunca, em hipótese alguma, se pague o resgate. Os acontecimentos já mostraram que quem paga, provavelmente por desespero, sofrerá outro ataque de ransomware e, desta vez, o pedido de resgate será bem maior. Em vez disso, o ataque deve ser relatado às autoridades.

Para advertir os clientes
Todos esses ataques são mais comuns em países com moedas fortes, embora a moeda digital Bitcoin seja o principal meio de pagamento — e também se use transferências bancárias, serviços de voucher, etc.

Nos Estados Unidos, os cidadãos também são vítimas cotidianas de e-mails maliciosos. E o mais comum é o e-mail supostamente vindo de um tribunal que intima o cidadão para comparecer à corte ou servir como testemunha, no qual ele tem de clicar em um link (ou abrir um anexo) para ver o documento enviado pelo tribunal. Ao fazê-lo, se torna vítima de um malware ou de phishing.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 14 de dezembro de 2016, 11h09

Comentários de leitores

1 comentário

Brazil

O IDEÓLOGO (Outros)

No "Brazil" o "Ransomware"ocasionaria pânico nas grandes bancas de advogados.

Comentários encerrados em 22/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.