Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

Chegamos à ruína: em nome da moratória pública, esfacela-se o serviço público

Por  e 

O PLC 257/2016, que tramita pelo Congresso Nacional com grandes chances de votação ainda no mês de agosto, visa disciplinar a moratória dos estados e municípios brasileiros junto à União, mas, de forma açodada e ainda experimental, joga nas costas dos servidores públicos, considerados cidadãos de segunda classe, o peso da responsabilidade para efeito de pagamento do rombo das contas públicas.

Efetivamente, o tropeço causado pelo malogro na administração pública terá um custo salgado e amargo, com a alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal e retrocessos em termos de direitos adquiridos dos funcionários, podendo impactar nos investimentos, benefícios incorporados e com o aumento substancial do desconto da contribuição previdenciária.

Muitos estados da federação, quebrados e não conseguindo a rolagem da dívida para com a União, foram ao Supremo Tribunal Federal, que deliberou conceder prazo para um entendimento conciliatório e adiou o julgamento.

De forma pouco transparente, o Parlamento, mais do que depressa, quis colocar em votação o mencionado diploma, trazendo sérias consequências para o funcionamento dos serviços públicos, dos Judiciários estaduais e do Ministério Público, afetando sobremodo a carga de serviço, como se fosse possível, diante de um descomunal momento de crise, se reduzir a toque de caixa as despesas, a folha de pagamento e o próprio custeio.

A moratória propalada pela União é de manifesta inconstitucionalidade e, sem sombra de dúvida, será alçada à competência do Supremo Tribunal Federal o aceso debate a respeito do tema, haja vista que a União concede um benefício para adiar o pagamento com diferenças mais expressivas e atribui a conta para os servidores e funcionários públicos, os quais já estão sendo prejudicados com elevada inflação e repasse que sequer atinge o poder econômico e aquisitivo como um todo.

E a visão não é apenas dessa natureza, pois a maioria dos tribunais estaduais têm suas receitas comprometidas com a folha e nada disponibilizam em termos de investimentos, o processo eletrônico não tem recursos financeiros para as plataformas de manutenção e as contratações serão paulatinamente paralisadas com a escassez de verbas e redução drástica dos concursos públicos.

A se pensar na ideia do governo, de redução do gasto, mera e simples falácia, não se combate a causa que é a própria forma de agir da União, que apresenta uma dívida pública de trilhões e de todo impagável, agora, querendo manter anatocismo em relação aos estados e municípios, provoca em cascata um esvaziamento das funções públicas e traz sérios riscos de comprometimento na qualidade e poderá acarretar a solução de continuidade, com a situação de comarcas e foros esvaziados, juízos sem funcionários, pane no sistema informatizado e, mais grave ainda, a massa dos aposentados, diante da iminente reforma da previdência, não será reposta a médio prazo.

O Brasil literalmente quebrou pela irresponsabilidade da gestão e da falta de discernimento das finanças públicas e do orçamento, muito mais fora gasto do que arrecadado, até em razão da crise econômica e com o monumental número de empresas em recuperação ou falidas, as quais ultrapassam o limbo da liquidez e solvência do sistema empresarial.

Aos estados e municípios não resta outra chance ou qualquer oportunidade exceto de convergir com o projeto de lei complementar, pois, além de lhes dar maior folego e manutenção de rede, manobra para efeito de pagamento, liquida de vez com a responsabilidade fiscal e o custeio da maquina, na medida em que provoca sérios cortes.

Em linhas gerais, vamos artificialmente cortar as despesas, como se fosse possível, com o contingente de 130 milhões de processos tramitando em todo o Brasil mediante aumento de impostos.

Exatamente, é essa a interpretação que se extrai do projeto de lei: vamos cortas as despesas, sucatear serviços e arrecadar mais para minorar os efeitos do famigerado rombo provocado pelo governo, que não foi capaz de calcular os seus gastos e atender à finalidade da Lei de Responsabilidade Fiscal.

O Brasil, o mundo inteiro sabe, vive um momento econômico delicado, porém as políticas públicas não são da esfera dos servidores, e quem decidiu fazer Copa do Mundo e Jogos Olímpicos foram nossos governantes, os quais dilapidaram o patrimônio público e, à vontade, foram queimando o dinheiro que é do contribuinte.

Agora, pilhados em flagrante e na contramão da história, resolvem, numa só canetada, aprovar uma moratória antirrepublicana e altamente inconstitucional, a qual acabará por enterrar, em definitivo, as esperanças de melhora dos serviços públicos, inclusive na esfera da saúde e educação.

Não se explica como o Estado, que arrecada trilhões, não consegue atender minimamente à sociedade civil, a qual precisa contratar plano de saúde, ter escola particular, valer-se de acesso aos serviços, todos pagos e privatizados, de alto custo.

Enfim, essa terra brasilis em que nada funciona, agora, o governo federal, esmagado pela falta de recursos financeiros e pisoteados estados e municípios, cansados de passar o chapéu, resolvem, por meio de um projeto de lei complementar, aliviar a carga de comunas e estados e entregar a conta para o funcionário e servidor que terão seus direitos apagados, licenças não remuneradas e férias igualmente sem vencimentos proporcionais.

Ninguém conseguirá dormir com esse brutal e enorme barulho que recairá sobre a classe menos favorecida, isso porque, nos últimos cinco anos, a inflação real fora de 90%, e o repasse dado ao funcionalismo, em todas as classes e categorias, sequer atingiu a metade, assim, se explica como o poder aquisitivo está sendo debilitado e nossos governantes irresponsáveis, ladeados do Parlamento que somente visa às próximas eleições, e a pedido de governadores e prefeitos sem caixa algum, querem, na undécima hora, fazer prevalecer o pacto antirrepublicano da moratória pública.

A nossa legislação não disciplina, como em outros países, a falência de ente público, mas é bem o caso da União, passando por estados e municípios, poucos se salvam, e a repercussão, sem dúvida alguma, irá se alojar no custo da máquina e no peso de servidores, que, na maioria das vezes, é ciosa e cumpridora dos seus deveres.

Haverá, se aprovado for o caótico projeto, uma debandada geral e muitos irão procurar novas atividades rentáveis e que possam, adquirido o tempo de casa, requerer a aposentadoria longe dos problemas, das vicissitudes e dos incômodos de se ter uma máquina emperrada e, como sempre, pela falta de recursos financeiros.

Chegamos ao estágio da debacle, em nome da moratória pública, esfacela-se o serviço público, chicoteia o Estado de Direito, rasgam-se direitos adquiridos, interrompem a normalidade do Ministério Público e da magistratura dos estados na vã ideologia de mais impostos e menos serviços públicos, o país chegou na encruzilhada, no desfiladeiro e, se passar o projeto, pode se encomendar o terno para o enterro da máquina administrativa estadual.

 é desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo e professor pesquisador convidado da Universidade de Heidelberg (Alemanha). Tem doutorado pela USP e especialização em Paris.

Laercio Laurelli é desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo e professor de Direito Penal e Processo Penal.

Revista Consultor Jurídico, 11 de agosto de 2016, 6h37

Comentários de leitores

6 comentários

Enquanto isso...

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

E mais. O texto sugere que o serviço público pode piorar se os servidores públicos perderem direitos e regalias. Há como piorar ainda mais o serviço público prestado à sociedade?
Meus caros, tanto faz o servidor ganhar um salário mínimo ou um milhão por mês que o serviço prestado ao usuário será sempre de péssima qualidade porque essa é a cultura que impera em nosso país.
Essas palavras de efeito dos sindicados de 'que maiores e melhores salários e condições de trabalho irão melhorar a prestação do serviço à população' já não cola mais.
Se fosse assim a prestação de serviço do judiciário e do Ministério Público à sociedade seriam os mais eficientes e eficazes, visto que percebem salários de marajás, mas como sabemos o serviço prestado à sociedade deixa muito a desejar.

Cidadãos de segunda classe, será?

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

Se os servidores públicos no Brasil, principalmente os da alçada federal que ganham muito bem e trabalham muito pouco (embora com as exceções devidas), são considerados cidadãos de segunda classe, o que dizer dos trabalhadores da iniciativa privada que trabalham como escravos e percebem um salário mínimo?

Crítica muito bem fundamentada

DAGOBERTO LOUREIRO - ADVOGADO E PROFESSOR (Advogado Autônomo)

Quero parabenizar os autores do artigo acima, muito bem fundamentado e com críticas adequadas à situação abordada, que é realmente de terra arrasada.
Há uma série de desinformações que grassam por aí, alardeadas pela nossa imprensa, que aderem a essa campanha contra os trabalhadores públicos muito bem estipendiadas por generosos anúncios governamentais.
A primeira desinformação é sobre o serviço público, ao qual, em geral, e são essas pessoas que são atacadas, chegam cidadãos aprovados em concurso público, num sistema aberto para todos. Se alguém quiser aderir a essa modalidade de trabalho, as portas estão abertas e toda evolução dentro da carreira é regulamentada por leis. Àqueles que estão no serviço público, é preciso manter e respeitar seus direitos, e é isso pelo qual o texto acima se bate. Respeitar direitos – alguém é contra?
A segunda, é tentar desqualificar os articulistas em função dos vencimentos que recebem. Ora, quem fez a lei, quem concebeu essa remuneração que os beneficia foram nossos legisladores, de modo que é desarrazoado criticar-se alguém que percebe o que a lei lhe concede. O Presidente da República tem uma verba secreta que pode gastar livremente, sem a necessidade de prestar contas. No caso vertente, a remuneração é conhecida, está ao alcance de todos, seja para fiscalizar, seja para servir de estímulo para chegar a essa paga, que, como dito, está ao alcance de quem se dispuser a dirigir sua vida para essa atividade, passando pelo crivo de um concurso público.
Por último, lembro que o que está sendo feito agora é uma repetição do ocorrido nos idos de 1995, durante o desgoverno de Fernando Henrique, sob os mesmos pretextos, com resultados igualmente terríveis para o País. Com os tucanalhas, a ultradireita voltou ao poder.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.