Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ambiente de trabalho

Demissão por uso de Facebook fere liberdade, diz juiz ao reverter justa causa

Restringir o uso de rede social pelo aplicativo do celular é cercear o direito que toda pessoa tem à liberdade de expressão e comunicação. Além disso, a empresa pode limitar o acesso à internet em seus computadores, mas não pode interferir no modo como a pessoa usa o celular. Com esses entendimentos, o juiz substituto da 1ª Vara do Trabalho de Goiânia, José Luciano Leonel Carvalho, afastou a dispensa por justa causa de funcionária da empresa localizada em Trindade (GO), que havia sido demitida por uso do Facebook, no ambiente de trabalho.

Para o juiz, a empresa não apresentou nenhum elemento que justificasse a proibição iStockphoto

“Não há lei que autorize a empresa a tornar o trabalhador incomunicável (hipótese que lembra cárcere privado). Portanto, a restrição de comunicação deve ser feita por critério de razoabilidade”, afirmou o juiz, ressaltando que a empresa não trouxe nenhum elemento que justifique a proibição de acesso ao Facebook pelo celular, no seu tempo ocioso, nem fez prova de diminuição da produtividade.

A trabalhadora havia sido admitida na empresa em julho de 2015 para exercer a função de auxiliar de escritório e foi demitida em fevereiro de 2016 sob alegação de justa causa por “uso excessivo de internet”. Conforme consta dos autos, a empresa teria aplicado anteriormente duas advertências, uma relatando que a trabalhadora estava fazendo convite de aniversário e outra por utilizar o Facebook no horário de trabalho. No aviso de justa causa constava a conduta “Desrespeitar as normas e procedimentos da empresa e desrespeitar seu superior hierárquico”.

Porém, o juiz José Luciano considerou que as punições de suspensão e advertência não se mostraram aptas a provar a infração alegada, e, além disso, não há no processo a informação se o uso do Facebook era por celular ou pelo computador da empresa.

Nesse caso, o juiz explicou que trabalhou com a hipótese de uso da rede pelo celular, primeiro por não poder presumir contra a trabalhadora, já que cabia à empresa informar detalhadamente o fato da justa causa. Também levou em conta o relato da empresa de que a “a reclamante ficava 'grudada' no celular".

O juiz concluiu que, por não existir alegação de que o acesso ao Facebook era feito pelo computador da empresa, não houve norma desrespeitada, “podendo o trabalhador exercer sua resistência contra norma injusta”. Assim, o juiz reverteu a dispensa por justa causa em dispensa sem justa causa e condenou a empresa a pagar as verbas rescisórias devidas à trabalhadora. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-18.

Processo 0010486-59.2016.5.18.0001. 

Revista Consultor Jurídico, 6 de agosto de 2016, 7h13

Comentários de leitores

10 comentários

A quem interessa sentenças assim?

Mig77 (Publicitário)

Enquanto houver publicidade para sentenças como essa a Justiça do Trabalho vai ocupando espaço e formando opinião em alguns desavisados.Vai tentando mostrar a importância de sua existência para defesa do empregado e com isso espera ganhar vida longa.Esse Cabidão-Clube cria a polêmica necessária para disseminar a dúvida onde o mais picareta dos homens deveria ficar corado ao defender tamanha barbaridade.E olha que esse caso é fichinha perto de tantos que vemos por aí.Nesse caso trata-se de desonestidade explícita, conceitual, institucional, o que em nossos sonhos e delírios deveríamos abominar.

Decisão absolutamente equivocada

DomMuniz (Cartorário)

Essa decisão é basbaquice pura e depõe contra o judiciário trabalhista.

Escravidão no sec 21???

Ezac (Médico)

Produtividade é a eficiência. Se o funcionário consegue fazer seu trabalho com rapidez e sem erros, não há necessidade de proibir outras atividades. Tem pessoas que são ineficientes mesmo com dedicação total

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.