Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Análise prévia

Concursos de órgãos federais devem ter comissão para avaliar se cotista é negro

Por 

O governo federal criou normas para padronizar como devem ser fiscalizados os candidatos de concursos públicos que se declaram negros ou pardos. Todos os órgãos da administração federal devem indicar, em cada edital, uma comissão responsável por verificar se a autodeclaração é verdadeira, com base no fenótipo do candidato à cota — cuja análise deve ser obrigatoriamente pessoal.

As novas regras foram publicadas nesta terça-feira (2/8) no Diário Oficial da União, assinadas pela Secretaria de Gestão de Pessoas do Ministério do Planejamento, e já estão em vigor. A Orientação Normativa 3 vale inclusive para concursos de autarquias, fundações públicas e sociedades de economia mista controladas pela União.

Os editais de cada concurso deverão ainda detalhar previamente os métodos de análise, informar em qual momento isso vai ocorrer e deixar claro que todas as informações prestadas na inscrição são de inteira responsabilidade do candidato. Quem fizer declaração falsa será eliminado e poderá responder a outras sanções. Mas é obrigatória a abertura de prazo de recurso para quem não passar pela comissão.

Os membros desse grupo, aliás, devem ser “distribuídos por gênero, cor e, preferencialmente, naturalidade”. Se descumprirem os procedimentos, os editais terão de ser retificados.

Desde 2014, todos os concursos para cargos na administração pública federal devem reservar 20% das vagas a negros, conforme a Lei 12.990. O Supremo Tribunal Federal já declarou que a análise por fenótipo é válida, ao julgar a adoção de cotas raciais nos vestibulares da Universidade de Brasília, no ano passado. Em 2012, a corte afirmou não existir “qualquer inconstitucionalidade na utilização de caracteres físicos e visíveis para definição dos indivíduos afrodescendentes”.

Regras certas
Para o advogado Rudi Cassel, especialista em Direito do Servidor e sócio do Cassel Ruzzarin Santos Rodrigues Advogados, a norma deve ajudar a evitar longas disputas judiciais em que se discutem os critérios para definir quem tem direito às cotas. Ele aponta que a análise da comissão terá de ser feita sempre antes da homologação do resultado final.

Clique aqui para ler a Orientação Normativa 3.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 2 de agosto de 2016, 20h18

Comentários de leitores

5 comentários

Não quero resolver o seu problema, tenho cotas pra você!!

Touro Reprodutor (Funcionário público)

O pior é ver negros aceitando as cotas numa boa, até defendendo com unhas e dentes!! O Brasil é o país cujos problemas básicos de décadas não são resolvidos por falta de vontade política!!! PROUNI, cotas raciais, cotas pra concursos e outros são preferíveis para o escape, o paleativo que, não resolvendo o problema educacional brasileiro, apenas o prolonga pelo descaso governamental!!!

Que absurdo!

Neli (Procurador do Município)

A quota deveria ser social.Mas, tribunal racial? Não seria inconstitucional? Todos são iguais perante a lei.

Cotas raciais

Contribuinte Sofrido (Outros)

Acho que os negros devem se insurgir contra essas cotas raciais em concursos públicos, pois se trata de flagrante discriminação racial. Ora, dar vantagem a uma pessoa que terminou a faculdade só por causa da cor de sua pele é pressupor que ela é menos inteligente. Puro preconceito.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.