Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Corrupção endêmica

Atendente que sugeriu fraude ao Bolsa Família tem justa causa mantida

A 22ª Vara do Trabalho de Brasília reconheceu a validade da demissão por justa causa de um atendente de telemarketing que orientou uma beneficiária do programa Bolsa Família, do governo federal, a falsificar as informações no cadastro de modo a adequar a renda da família aos limites do programa para poder voltar a receber o benefício. Para o juiz Renato Vieira de Faria, que assina na sentença, o caso é uma mostra de como a corrupção é endêmica no país.

O caso foi parar na Justiça por meio de uma reclamação ajuizada pelo trabalhador, a fim de pedir a revogação da justa causa. A empresa justificou a medida: disse que o autor tinha diversas faltas não justificadas e havia prestado um atendimento inadequado a uma beneficiária do Bolsa Família, dando informações fora do padrão estabelecido.

Ao julgar o caso, o juiz lembrou que a dispensa por justa causa é a mais grave penalidade imposta ao trabalhador no âmbito da relação de emprego, pois implica a dissolução do vínculo entre as partes sem o direito a parcelas rescisórias asseguradas nas demais modalidades de extinção contratual. Por isso, o empregador é obrigado a produzir provas convincentes dos fatos, uma vez que a sanção não pode se sustentar apenas em presunções.

Segundo Faria, a empresa juntou aos autos degravação de um atendimento feito pelo ex-funcionário a beneficiária do programa Bolsa Família. Ela teve o benefício cancelado após alterar o cadastro e queria saber como restabelecer o benefício.

O funcionário informa que, se a renda estiver superior, a beneficiária naturalmente não possui mais o perfil do programa. Porém, não para aí. “O reclamante [...] sugere-lhe o falseamento das informações no cadastro da beneficiária de modo a adequar a renda da família aos limites do programa, para o recebimento indevido do bolsa-família ao menos até a fiscalização revelar a verdade”, relata Faria.

Segundo o juiz, a “desonestidade na orientação da prática ilícita emprestou sua pequena contribuição, dado o reduzido poder, à corrupção endêmica em nosso país”, além de provocar dano à imagem da empresa e do seu tomador dos serviços, no caso o Ministério do Desenvolvimento Social. “A conduta do reclamante revelou-se inaceitável e a quebra da fidúcia contaminou inevitavelmente o contrato de trabalho e configurou a falta grave”, afirmou o juiz. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-10.

Processo 0001308-16.2014.5.10.022

Revista Consultor Jurídico, 22 de abril de 2016, 7h00

Comentários de leitores

3 comentários

DNA

JB (Outros)

O que falta é nós assumirmos a nossa identidade com raras exceções de que herdamos a corrupção dos portugueses que roubava o nosso ouro, a preguiça dos índios e a exploração da escravidão, isto está no nosso DNA.

União dos Estados Brasileiros Soviéticos

Ian Manau (Outros)

Além disto, cobradores de ônibus e motoristas que deixam amigos passarem por baixo da catraca, viajando de graça; clientes que parcelam débitos de energia elétrica, pagam o valor da entrada e "esquecem" as demais parcelas; locatários que alugam imóveis residenciais e destroem-nos no final do contrato; vendedores E compradores de CD's e DVD's falsificados, à luz do dia, tendo o Poder Público fazendo vista grossa; policiais que não atendem aos chamados, alegando falta de viatura; clientes que mentem aos seus próprios advogados. Falta algo?

Corrupção em todos os níveis

O IDEÓLOGO (Outros)

Não podemos lançar vitupérios contra os políticos e empresários. A corrupção está entranhada em nossa sociedade, desde os extratos populacionais integrantes das periferias das grandes e pequenas cidades, até as cúpulas das empresas e dos poderes constituídos.

Comentários encerrados em 30/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.