Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Passado a Limpo

Cristo Redentor fere espírito da Constituição, diz parecer de 1921

Por 

Arnaldo Godoy [Spacca]No início da década de 1920, o então Consultor-Geral da República respondeu consulta a propósito de projeto referente à construção de um monumento ao Cristo Redentor, no alto do Corcovado. Registra-se que houve, à época, alguma dúvida sobre a constitucionalidade da iniciativa. O Consultor-Geral da República opinou pela impossibilidade de se erguer o referido monumento, que significaria resistência ao Estado laico. O Governo não ouviu a opinião do Consultor-Geral. O monumento foi erguido. E hoje é símbolo da cidade do Rio de Janeiro. Segue o parecer.

Gabinete do Consultor-Geral da República — Rio de Janeiro, 17 de outubro de 1921.

Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado dos Negócios da Fazenda — Com o Ofício, sem número, de 6 do corrente, submeteu Vossa Excelência a meu estudo o processo relativo ao requerimento da Comissão que pretende erigir um “Monumento a Jesus Cristo Redentor” no alto do Corcovado.

Parece-me, Senhor Ministro, que há evidente embaraço constitucional para o deferimento do pedido. O Cristo é o símbolo de uma religião. O Poder Judiciário já aqui o reconheceu quando, em consequência dos incidentes de 1892, teve de se pronunciar sobre a legalidade da permanência de sua imagem nas salas do Júri. O caso foi que, negado o pedido de retirada dessa imagem feito por um jurado não católico, foi um dia essa imagem destruída por outro jurado violento e fanático.

Eu mesmo tive de me pronunciar a respeito, por isso que, sendo então Procurador da República neste Distrito, foi-me o inquérito remetido para a instauração do processo pela Justiça Federal e eu deixei de oferecer denúncia por entender que o caso não incidia no art. 111 do Código Penal, em que havia sido capitulado, por me parecer contraria à Constituição a ordem para permanência de símbolos religiosos no Júri. Em meu despacho, que foi longo, eu escrevi estas palavras que podem ter aplicação ao caso atual:

Os publicistas que mais competentemente têm estudado a questão oferecem muitos bons argumentos mesmo para provar que fato algum fora dos templos ou dos lugares reservados ao culto se deve permitir, porque esses fatos, mesmo quando o culto seja o da grande maioria da população, ofendem e oprimem a consciência da minoria, e em matéria de consciência não pode prevalecer o direito da maioria, que é a força do número, porque as questões de consciência são questões essencialmente individuais.

Definido meu modo de ver, o caso, entretanto, não morreu com essa minha promoção, pois que os promotores públicos de então promoveram o processo perante a justiça local, onde, aliás, o meu modo de ver foi sancionado, pois que, denunciados os figurantes no caso, um como mandante ou inspirador do inqualificável procedimento do outro, foi o delito desclassificado do art. 111, porque se julgou que a ordem para colocação do Cristo no Júri “não era conforme a Constituição e as Leis”. Essa decisão foi proferida pelo Conselho Supremo da Corte de Apelação concedendo habeas corpus ao jurado processado como mandante e preso preventivamente, e mais tarde o mesmo princípio foi sustentado pelo despacho de pronúncia do autor do atentado, não nesse artigo, pelo mesmo fundamento da decisão do Conselho, mas no art. 185 que se refere a “ultraje à confissão religiosa, desacato ou profanação de seus símbolos, publicamente”.

Parece que esse caso pode ser considerado como precedente em relação ao caso atual. Considerado o Cristo como símbolo religioso não pode o Poder Público deferir o pedido para sua colocação num logradouro, que é bem público e, como tal, de uso comum do povo e inalienável (Código Civil, art. 66, nº I, e 67). O Estado é leigo. A Constituição lhe veda manter com qualquer igreja ou culto “relações de dependência ou aliança ou conceder-lhe subvenção oficial”. Bem certo o deferimento do pedido para permitir a ereção de uma estátua do Cristo num logradouro público não entra literalmente, em qualquer dos dispositivos constitucionais; mas para mim é incontestável que esse deferimento fere o seu espírito porque sem dúvida importa na concessão de um favor do Estado em benefício de uma Igreja, a concessão de uma parte de bem público para ereção de um dos seus símbolos mais significativos.

É este, Senhor Ministro, o parecer que submeto ao critério superior de Vossa Excelência a quem, devolvendo os papéis, tenho a honra de reiterar meus protestos de elevada estima e distinta consideração.

Rodrigo Octavio

Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy é livre-docente em Teoria Geral do Estado pela Faculdade de Direito da USP. Doutor e mestre em Filosofia do Direito e do Estado pela PUC-SP. Professor e pesquisador visitante na Universidade da California (Berkeley) e no Instituto Max-Planck de História do Direito Europeu (Frankfurt).

Revista Consultor Jurídico, 28 de maio de 2015, 8h00

Comentários de leitores

8 comentários

Nem laico nem ateu, estado corrupto

wgealh (Advogado Autônomo - Ambiental)

O que demonstra tanto a busca por falaciosos pareceres, tão bons que foram ignorados, é o desespero e o medo que esses "escrivinhadores" tem de Cristo Jesus, pois sabem que a morte está próximo e tremem de medo de o encarar daqui a pouco.
POREM A DEFESA NÃO É POR ESTADO LAICO, NEM ATEU, É PARA UM ESTADO CORRUPTO, SEM OS CABRESTOS QUE UMA ÉTICA CRISTÃ - PREDOMINANTE NO OCIDENTE - OFERECE A ESTES PSEUDO CIDADÃOS QUE GANHAM DO ESTADO laico, NO MAIS DAS VEZES, SEM TRABALHAR, vejam os escandalos todos os dias nos jornais e TVs.
AO INVES DE PERDEREM TEMPO FOMENTANDO REVOLTAS E INTRIGAS, PORQUE ESTES "SÁBIOS" NÃO RESOLVEM OS GRAVISSIMOS PROBLEMAS DA FALTA DE EMPREGO E SALÁRIO PARA MILHÕES DE BRASILEIROS.
PORQUE APENAS ESTÁO REPLETOS DE ÓDIO E RANCOR CONTRA AS PESSOAS QUE AINDA TRABALHAM E NÃO SE PREOCUPAM TANTO COM A MORTE, POIS CREEM NO CRISTO REDENTOR DOS HOMENS.
Apenas rogo que o Cristo Jesus tenha misericórdia de vocês e que voces se convertam enquanto ainda a tempo.
Paz e bem.

falsa dicotomia

frank_rj (Outro)

sempre que surge o debate do estado laico aparece a falsa diciotomia entre estado laico e ateu. óbvio que o estado não é ateu. assim como não é católico, protestante, pentecostal, espírita, etc.
assim, quem quiser erguer seus templos e monumentos é constitucionalmente livre. mas, com o seu dinheiro. o estado não deve bancar a crença de ninguém.

Oba! Abaixo também à deusa Têmis!

Gilson Rocha (Advogado Assalariado - Civil)

Segundo o site Wikipédia, "Têmis era a deusa grega guardiã dos juramentos dos homens e da lei, sendo que era costumeiro INVOCÁ-LA nos julgamentos perante os magistrados. Por isso, foi por vezes tida como DEUSA DA JUSTIÇA (...)".
Já o site do STF, esclarece que Têmis é uma "DIVINDADE GREGA onde a justiça é definida, no sentido moral, como o sentimento da verdade da equidade e da humanidade, colocado acima das paixões humanas". Explica ainda o site do Supremo que "Ao longo da História, a humanidade tem utilizado os símbolos como uma forma de expressar conceitos orientadores do comportamento em sociedade".
Acredito que o Cristo Redentor queira significar isso mesmo, ou seja, expressar nossos conceitos orientadores como sociedade, simplesmente isso.
Agora, conforme diz o texto de 1920, se a presença do Cristo Redentor fere a consciência da minoria, quero dizer que a presença da deusa Têmis fere minha consciência. Sendo eu a minoria, desejo também que ela seja retirada dos Tribunais, pois, para mim, é inconcebível a presença de qualquer divindade no meu local de trabalho que não expresse minha crença, ainda que para a maioria tenha outro significado.
Na verdade, acredito que o Brasil tenha questões mais urgentes e importantes do que estátuas e crenças, para serem tratadas por aqueles que se intitulam notáveis do direito....

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/06/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.