Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dentro da lei

Advogado público pode atuar na esfera privada, diz parecer da OAB-DF

A seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal enviou parecer ao advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, no qual opina em favor do direito de os advogados públicos advogarem na esfera privada, desde que não atuem contra o Poder Público. O ofício com o parecer que encerra a opinião da Seccional a respeito do assunto foi encaminhado à AGU na última terça-feira (26/5)

O parecer do conselheiro Luiz Gustavo Muglia acolheu integralmente estudo apresentado pelo conselheiro federal pelo DF, Aldemário Araújo, que fundamentou o entendimento da Comissão de Seleção da Seccional. De acordo com esse entendimento firmado pela entidade, é lícito aos advogados públicos exercer a advocacia fora das atribuições dos cargos que ocupam.

Segundo o relator, não há espaço para limitações ao exercício da advocacia, exceto naquelas hipóteses expressamente previstas em lei. “Simples critérios de conveniência, oportunidade, vantagens, desvantagens, preferências ou repulsas carregadas de subjetivismo, postos em qualquer sede normativa, não possuem legitimidade jurídica para inviabilizar o exercício da advocacia”, afirmou o conselheiro.

Ainda de acordo com a opinião da OAB-DF, entendimento diferente implicará em ofensa ao princípio da isonomia por três razões. Primeiro, porque titulares de cargos públicos vinculados a outras profissões, como médicos, engenheiros, contabilistas, entre outros, não estão proibidos dos respectivos exercícios profissionais para além do serviço público.

O segundo motivo porque titulares em outras carreiras do serviço público, que não as carreiras jurídicas, podem ser regularmente inscritos na OAB e atuar como advogados. Terceiro, porque podem ser criados segmentos dentro da advocacia pública que podem advogar fora do serviço público em convívio com segmentos que não podem. “Um quadro surreal de castas de advogados, na mesma situação, onde uns são mais advogados do que outros”, diz o documento da seccional.

Como exemplo, o parecer cita o fato de que juízes eleitorais da classe dos advogados, incluídos os ministros do Tribunal Superior Eleitoral, podem advogar, desde que não na área eleitoral enquanto estiverem investidos do cargo. A OAB/DF também lembra que a lei é expressa quando quer impedir a advocacia, como nos casos dos profissionais do Ministério Público e da Defensoria Pública. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB/DF.

Clique aqui para ler a íntegra do parecer.

Revista Consultor Jurídico, 28 de maio de 2015, 21h19

Comentários de leitores

13 comentários

Somos Todos Advogados, aprovados no Exame da OAB e inscritos

Paulo R S Cardoso (Procurador da Fazenda Nacional)

O parecer é tecnicamente preciso e justo. Está de parabéns a equipe responsável pela sua elaboração. A advocacia, publica ou privada é função essencial à justiça e somente o Estatuto da OAB pode regular suas condições e limitações. Além disso, devemos lutar para fortalecer a Advocacia como um todo em nosso País, defendendo todas as nossas prerrogativas e todas as medidas que visem valorizar a classe e não entrar em risíveis brigas fratricidas. Magistrados, Promotores e Defensores jamais lutariam entre si, visando atrapalhar as conquistas e a valorização das suas carreiras, no que estão muito certos.
Nós somos todos advogados, públicos e privados, devidamente aprovados no Exame da Ordem e inscritos em seus quadros. Devemos lutar pelo respeito a que fazemos jus enquanto profissionais.

Prezado Marcos Alves

Paulo Renato Nardelli (Advogado Autárquico)

Evidentemente que sim. Depende do contrato de trabalho do advogado privado. Até os advogados das estatais podem advogar por fora. Sabes que o entendimento do TST - Tribunal Superior do Trabalho, acerca da dedicação exclusiva dos advogados concursados, neste caso, é de que a dedicação exclusiva só se aplica dentro do horário estipulado de trabalho? Findo este horário (suponhamos que seja de 6 horas, numa dada estatal ou banco), o advogado pode advogar tranquilamente, menos contra o banco ou estatal?
Sim, o TST.
Portanto, veja que o parecer da OABDF, corroborado pela OABRJ, OABPB e as outras todas é apenas a interpretação da Lei. Devs-se obedecer a lei. Não se pode impor restrição ao exercício profissonal que não esteja na lei.
Forte abraço
Alguém conhece algum advogado empregado que poder advogar "por fora"?

Prezado Gabriel

Paulo Renato Nardelli (Advogado Autárquico)

O parecer não foi embasado em estudo feito por um PFN. O parecer é baseado na LEI 8.906/94. A lei deve ser obedecida. Todas as OABs têm se pronunciado no mesmo sentido e nem poderia ser diferente. O impedimento é atuar contra o ente público que o remunera. Em todas as PGEs em que há a possibilidade da advocacia (quase 100% delas e aumentando) as vitórias judiciais do Estado são maiores, os procuradores voltam a ter contato com novas teses. Os honorários são devidos igualmente ao advogado, público ou privado. Isso já estava no Estatuto da OAB e agora está no novo CPC. Não há que se discutir a lei. Se revoltar contra a lei não resolve. Participar da feitura das leis, é um caminho. Não há que se falar em "abocanhar uma parcela do mercado". Um dado que talvez te interesse é que menos de 20% dos advogados públicos optam por exercer de fato a advocacia e, desses 20%, por volta de 10% se estabelecem. Ora, se 100% dos advogados públicos já não são um número minimamente relevante perante o número imenso de advogados deste país, quanto mais os que realmente vêm a advogar. O que não pode existir é a mordaça, o gesso autoritário da proibição. Hoje os médicos concursados podem ter 3, 4 empregos e clínica própria; também os engenheiros...todos. Advogados não? Quer dizer que podemos ser procuradores + psiquiatras (parecer recente), procuradores + empresários (não administradores); procuradores + professores + empresários...etc.etc... e não poderíamos advogar nem para fazer um divórcio? Percebe a incoerência? Por essas e outras, a OAB hoje é plenamente favorável a que todos gozem do estatuto da oab.

srência dos outros advogados. E ainda por cima atuar também na área privada, podendo abocanhar mais uma boa fatia do mercado fora aquela que eles já tem o monopólio.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/06/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.