Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mais benefícios

Presidente do TJ-RJ defende auxílio-educação para juízes

O projeto de lei que cria o auxílio-educação para os juízes e servidores do Rio de Janeiro foi defendido pelo presidente do Tribunal de Justiça daquele estado, desembargador Luiz Fernando Ribeiro de Carvalho, junto ao presidente da Assembleia Legislativa fluminense, deputado Jorge Picciani (PMDB), em encontro nessa terça-feira (5/5), no Palácio Tiradentes. O texto foi aprovado pelo Órgão Especial do TJ-RJ no dia 27 de abril e visa a substituir a proposta já em curso no Poder Legislativo que trata do tema.

O projeto anterior também foi elaborado pelo Poder Judiciário e chegou à Alerj no ano passado. Mas, de acordo com Carvalho, a corte decidiu elaborar um novo texto para equiparar os valores do benefício para todos os funcionários do TJ-RJ. A proposta original estabelecia o teto de R$ 7 mil para desembargadores e juízes. “Fizemos questão de fazer um projeto igualitário. O filho do magistrado não precisa estudar em uma escola melhor que a do filho do servidor”, afirmou o desembargador.

Pela nova proposta, o auxílio-educação para todos os funcionários do TJ-RJ será de R$ 953,47 por filho com idade entre 8 e 24 anos — sendo o limite de três filhos por magistrado ou servidor. Assim, cada funcionário do TJ-RJ poderá receber até R$ 2.860,41 de auxílio-educação por mês.

No encontro, os chefes do Poder Judiciário e fluminense também debateram a necessidade de se estabelecer critérios para a identificação dos dependentes. “Estamos procurando evitar que haja aproveitamento do projeto por aqueles que, não tendo o direito, procurem arranjar um dependente de maneira artificial. Um filho você comprova com a certidão, mas um dependente é mais complicado”, afirmou Picciani.

De acordo com o presidente da Alerj, pelo novo projeto, se ambos os pais forem servidores, apenas um deles terá direito ao benefício. O deputado também esclareceu que o projeto de lei não prevê recursos de outros fundos. “Foi estabelecido como fonte de custeio para este projeto o fundo próprio do Poder Judiciário. Ou seja, não vai haver nenhum impacto nos recursos dos poderes Executivo e Legislativo. Isso foi um grande avanço. Agora, o projeto com o novo texto vai tramitar na Casa”, afirmou. Com informações da assessoria de imprensa da Alerj.

Revista Consultor Jurídico, 6 de maio de 2015, 15h45

Comentários de leitores

15 comentários

Injustiça

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

O Judiário e o ministério público foram criados pelo constituinte originário para servir de anteparo às injutiças sociais praticadas pelos políticos contra os desvalidos. Ocorre que esses órgãos se desvirtuaram de seu mister intitucional, e hoje desfrutam das mesmas regalias dos políticos brasileiros sem qualquer pudor. Chegamos ao fundo do poço! A única esperança é uma revolução gloriosa.

descaso com dinheiro publico

Joel cacula de lima (Outros)

Diante de tantas roubalheira no país não a nem o que comentar parabéns parabéns parabéns

Tempos difíceis

Miguel Teixeira Filho (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Na falta de argumentos em defesa de tamanha imoralidade leio aqui até anônimos apelos à falácia do "tu quoque".

Impressionante.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/05/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.