Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Perfil de defensores

Reportagem mostra um dia na vida de três grandes criminalistas

Em um tempo em que as investigações criminais vêm alcançado os políticos do primeiro escalão e empresários de grandes empresas, tem crescido a curiosidade do público sobre os advogados desses cidadãos. Uma reportagem veiculada pelo Jornal das 10 da Globo News, no último sábado (2/5), tira um pouco dessa dúvida ao retratar um dia da vida de três criminalistas que têm atuado em Brasília: Arnaldo Malheiros Filho, Pierpaolo Cruz Bottini e Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay.

Considerados integrantes do “grupo de elite dos advogados criminalistas”, o trio já defendeu réus da Ação Penal 470, o processo do mensalão, e agora se dedicam à representação de políticos e empresários investigados na operação “lava jato”, que apura os casos de corrupção na Petrobras. Malheiros tem 43 anos de profissão; Kakay, 33; e Bottini, 15.

No mensalão, Malheiros defendeu o petista Delúbio Soares, que acabou condenado pelo crime de corrupção ativa. O advogado contou que defendeu políticos da direita e da esquerda e que não gosta da exposição. “Ultimamente, fiquei com o rótulo de ser petista por ter defendido Delúbio Soares. Não tem nada a ver”, afirmou o causídico, que faz a linha discreta.

Já Kakay é mais fã das câmeras. Pelas contas dele, já advogou para mais de 60 governadores, além de nomes conhecidos, como o de Salvatore Cacciola e Daniel Dantas. No mensalão, defendeu o publicitário Duda Mendonça, que acabou absolvido. Ele se gaba de nunca ter perdido um grande caso. “Primeiro, por uma sorte danada, meus clientes são inocentes. É uma vantagem danada, porque estou cuidando de pessoas injustiçadas”, afirma.

Com 38 anos, Bottini é respeitado pelos veteranos. Na operação “lava jato”, defende o presidente da construtora Camargo Corrêa, Dalton Avancini, que chegou a ser preso, mas, depois de firmar um acordo de delação premiada, agora cumpre prisão domiciliar. O advogado é cria do então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. “Claro, tendo o MTB como uma pessoa próxima, ajudou mesmo”, relata.

Na entrevista, os advogados são evasivos quando o tema são os honorários que cobram.

Clique aqui para ver a reportagem na íntegra.

Revista Consultor Jurídico, 4 de maio de 2015, 6h58

Comentários de leitores

3 comentários

Homenagem

Ribas do Rio Pardo (Delegado de Polícia Estadual)

Presto aqui minhas homenagens aos advogados criminalistas, estes os verdadeiros defensores dos direitos humanos. Frequentam a Delegacia diariamente, não inventam torturas, tratam e são tratados com urbanidade, no interior são respeitadíssimos se fazem presentes nas principais solenidades. Ao tempo critico as comunicações obrigatórias como as feitas as Defensorias Públicas e Ministério Público que não passam de uma forma de gastar papel, já que só tomam providências imediatas se o caso for para a imprensa. A audiência de custódia vem consertar este grave defeito da Defensoria. estes advogados muitas vezes nem recebem já que na maioria das vezes os presos e seus familiares não possuem recursos, são verdadeiros heróis. A eles meus parabéns e votos de admiração.

petistas

sytote (Advogado Autônomo - Civil)

são tres advogados petistas de carteirinha. Todos recebem do LULA a muito tempo. è incrível que alguém afirme que não existiu o mensalão e agora o petrolão !!!!

Pelo menos numa parte do dia

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A vida de todos é absolutamente igual: Na hora do" trono" (a menos que algum sofra de prisão de ventre severa). Neste caso talvez lhe socorra as "sondas de prospecção" vendidas à Petrobrás e operadas pelas empreiteiras cujos donos defendem.

Comentários encerrados em 12/05/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.