Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Recursos a menos

PEC que antecipa cumprimento de pena deverá ser votada no segundo semestre

O Plenário do Senado deverá votar no segundo semestre, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição 15/2011, que pretende antecipar o cumprimento de penas para antes do trânsito em julgado das condenações.

Apelidada de PEC dos Recursos, a proposta garante a expedição do mandado de prisão em caso de sentença proferida por órgão colegiado ou pelo tribunal do júri, mesmo quando ainda há possibilidade de recorrer. Atualmente a sentença só pode ser executada após o esgotamento de todas as possibilidades de recurso.

Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil se manifestaram contra a proposta por temer injustiças em caso de execução imediata de pena. Além disso, o projeto seria inconstitucional por ir contra a presunção de inocência.

Originalmente, a proposta do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) extinguia o recurso extraordinário, cabível no Supremo Tribunal Federal, e o recurso especial, no caso do Superior Tribunal de Justiça. Os dois seriam substituídos por ações rescisórias, capazes de anular as sentenças após o início do seu cumprimento.

No texto, Ferraço argumenta que o Brasil é o único país a ter "quatro instâncias" de julgamento no sistema processual penal (primeira instância, tribunal regional, STJ e Supremo).  E cita uma proposta de mudança sugerida pelo ministro do STF Cezar Peluso.

Na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o relator, senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), propôs alteração na matéria. Apesar de concordar com o mérito, o senador disse que seria impossível avaliar as consequências de uma mudança tão abrupta, que poderia causar reflexos no ordenamento jurídico como um todo.

Como solução para evitar a sensação de impunidade, o senador propôs, em vez de acabar com a possibilidade dos dois recursos, antecipar a execução da sentença em processos penais. Os órgãos colegiados e tribunais do júri poderão, ao proferir decisões condenatórias, expedir o mandado de prisão, independentemente do cabimento de recurso. Ou seja, o substitutivo mantém o direito aos recursos, mas diz que os mesmos não impedem o trânsito em julgado da sentença.

Uma emenda constitucional precisa ser discutida e votada em dois turnos no Plenário de cada Casa do Congresso, e será aprovada se obtiver, na Câmara e no Senado, três quintos dos votos dos deputados (308) e dos senadores (49). Com informações da Agência Senado.

Clique aqui para ler o parecer do relator.

Revista Consultor Jurídico, 24 de julho de 2015, 21h06

Comentários de leitores

1 comentário

Está na hora de mudar

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

De fato é preciso rever esse extremo garantismo, o ideal era que funcionasse como já prevê o CPP, com o RE e o Resp não tendo efeito suspensivo, dai com a confirmação da condenação em segundo grau a pena já poderia ser executada. Mas obviamente que em casos pontuais quando haja reais chances de a condenação ser anulada, ai nada impede que a defesa proponha uma ação cautelar para empregar efeito suspensivo, mas passará a ser exceção.

Mas aposto que daqui a pouco os defensores de direitos humanos vão aparecer invocando milhares de princípios extremamente vagos e abertos para tentar legitimar a suas convicções politicas. Assim como fazem com a maioridade penal.

Comentários encerrados em 01/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.