Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Troca de endereço 

Cunha pede que Lewandowski transfira rapidamente ação da "lava jato" para STF 

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniu-se nesta terça-feira (21/7) com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, para pedir agilidade em seu pedido de que a corte suspenda uma ação penal em que ele foi citado por um delator da “lava jato”.

O empresário Júlio Camargo, do grupo Toyo Setal, afirmou ao juiz federal Sergio Fernando Moro que o deputado federal pediu US$ 5 milhões de propina para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado. Cunha negou que tenha cobrado valores e pediu que o processo deixe a 13ª Vara Federal em Curitiba e passe para o Supremo, já que o presidente da Câmara tem prerrogativa de foro.

Cunha e seu advogado, o ex-procurador-geral da República Antônio Fernando de Souza, conversaram com Lewandowski por cerca de uma hora. O ministro já pediu informações a Moro, mas a defesa do deputado avalia que o caso é urgente e merece uma decisão rápida, antes mesmo da manifestação do juiz do Paraná.

“É evidente a usurpação de competência do Supremo Tribunal Federal por parte do Juízo reclamado ao proceder investigações em face do reclamante, a demandar urgente adoção de providências por essa egrégia Suprema Corte”, afirma Souza.

Na ação em que Cunha foi citado, são réus o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, o doleiro Alberto Youssef e o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, além de Júlio Camargo. No STF, o presidente da Câmara já responde a um inquérito aberto para apurar se ele apresentou requerimentos na Casa contra empresas que teriam parado de pagar propina, como forma de retaliação. Ele também nega ter escrito as solicitações. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Revista Consultor Jurídico, 21 de julho de 2015, 21h50

Comentários de leitores

4 comentários

CUNHA ARREBENTA E MANDA NO s t f inho

wgealh (Advogado Autônomo - Ambiental)

É isso aí, cumpanherada do stf, o cunha manda e nóis bdece K K K K . . . se não tão hediondo quanto a roubalheira.
O simples deputadinho federal MANDA E O stf OBEDECE.
Será que o STF (o que deveria ser) agirá com tanta presteza para atender AO POVO BRASILEIRO, ou se acovarda para mais um P.T.ralha?
EIS A HORA PARA OS MINISTROS DO STF - QUE DEVEM OBEDECER AO CLAMOR PÚBLICO E PRINCIPALMENTE AO QUE MANDA A LEI - E RAPIDINHO TRANCAFIAR O CUNHA MANDÃO, O LULA, A DILMA E TANTOS OUTROS; porem, ficará claro - caso haja absolvição - que a corrupção também atingiu aí...
Ministros do STF, o povo também pede pressa na punição dessa bandidagem dos P.T.ralhas.

Isonomia

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A providência do STF tem que ser rápida, respeitado igual período de tempo que durou a cobrança da propina, pelo acusado, à TOYO SETAL e o pagamento, por ela, da verba da corrupção que estava atrasada. O parlamentar tem prerrogativa de Foro e prioridade no recebimento da verba criminosa avençada, tendo-se em conta os demais "propineiros"menos nobres. Não nos esqueçamos de que, afinal, ele é o EXCELENTÍSSIMO PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS do puteiro de Brasília, representa o povo brasileiro e deve , destarte, ter um tratamento a altura da sua "canalhice qualificada".

Por que o deputado eduardo cunha não muda a legislação

mfontam (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Pedir diretamente para um ministro do STF para não demorar para decidir é algo para poucos! A maioria dos jurisdicionados tem que amargar a demora do STF e sujeitar-se aos abusos do MP e das instâncias inferiores, algo que o Deputado Eduardo Cunha poderia mudar, propondo uma nova legislação para a adequada responsabilização de membros do MP e do Judiciário que não respeitarem as garantias dos acusados. De fato, inédito que um Deputado Federal esteja sendo investigado pela primeira instância! Será que isso realmente está a ocorrer?! Se for isso, a violação à prerrogativa do deputado é flagrante!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/07/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.