Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tratamento diferenciado

PGR questiona lei que prevê autorização do TJ-MG para investigar juiz

Uma lei de Minas Gerais que condiciona as investigações contra juízes suspeitos de praticar delitos à autorização do Tribunal de Justiça estadual teve sua constitucionalidade questionada no Supremo Tribunal Federal pela Procuradoria Geral da República. Na ação, a PGR alega que a regra confere ao tribunal estadual prerrogativa que não está prevista na Constituição Federal nem na Lei Orgânica da Magistratura Nacional.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade 5.331 questiona o parágrafo 1º do artigo 90 da Lei Complementar 59/2001 de Minas Gerais, que dispõe sobre organização e divisão judiciárias do estado. O dispositivo questionado determina a remessa dos autos para o TJ-MG sempre que, no curso de uma investigação, se detectar indício de participação de algum juiz. Em resumo: a apuração só terá continuidade se a corte autorizar.

Para Rodrigo Janot, lei estadual dá tratamento privilegiado a juízes de MG

Para o procurador-geral da República Rodrigo Janot, ao condicionar o prosseguimento da investigação de um crime possivelmente praticado por magistrado à autorização do TJ-MG, a lei acaba por disciplinar a fase pré-processual “com anômala e juridicamente descabida ênfase em inoportuna intervenção de autoridade judiciária na continuidade das investigações e no diálogo entre a autoridade judiciária e a polícia”.

O procurador-geral afirmou que a norma também suprime a atribuição do Ministério Público de efetuar o primeiro exame do cabimento de investigação. “A comunicação, nesses casos, deve ser feita ao Ministério Público, por ser este o titular da persecução penal”.

Na ação, Janot argumenta que o tratamento privilegiado conferido pela lei aos juízes mineiros está em desconformidade com as regras previstas pela Constituição, entre as quais o tratamento nacional e uniforme da magistratura, determinado pelo artigo 93, e o princípio acusatório, “escolhido pelo poder constituinte originário para estruturar o processo penal pátrio”.

Rito abreviado
Por entender que a matéria apresenta “relevância e especial significado para a ordem social e a segurança jurídica”, a relatora do processo, ministra Rosa Weber, adotou o rito abreviado previsto no artigo 12 da Lei 9.868/1999 (Lei das ADIs) para que a ação seja julgada pelo Plenário do STF diretamente no mérito, sem prévia análise do pedido de liminar requerido pelo PGR.

A ministra já requisitou informações ao governo de Minas Gerais e à Assembleia Legislativa do estado, responsáveis pela edição da norma. Eles têm 10 dias para responder. Após este período, os autos serão encaminhados ao advogado-geral da União e ao procurador-geral da República, sucessivamente. Eles terão cinco dias para que se manifestar sobre a matéria. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF. 

Clique aqui para ler a petição da PGR.
ADI 5.331

Revista Consultor Jurídico, 9 de julho de 2015, 19h00

Comentários de leitores

2 comentários

Sei ... sei ...

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

É a casta se protegendo ...

Corporativismo

Professor Edson (Professor)

Corporativismo barato, nada mais.

Comentários encerrados em 17/07/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.