Consultor Jurídico

Direito na Europa

Por Aline Pinheiro

Blogs

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Queima de arquivo

Inglaterra começa a investigar morte de espião russo que traiu o governo de Putin

Foram necessários pouco mais de oito anos e um empurrão da Justiça, mas finalmente a Inglaterra tomou coragem. Nesta terça-feira (27/1), começou a investigação sobre a morte do espião russo Alexander Litvinenko, em novembro de 2006. Litvinenko foi envenenado em Londres, depois de ter fugido da Rússia e conseguido asilo em solo britânico. Ele morreu acusando o presidente Vladimir Putin de ser o responsável pela sua morte.

O inquérito pode azedar de uma vez o relacionamento entre os dois países. O governo britânico já tinha admitido que, entre os motivos de não investigar o envolvimento de Putin no envenenamento de Litvinenko, estava o mal estar que isso geraria com a Rússia. Marina Litvinenko, a viúva, recorreu à Justiça e conseguiu, no começo do ano passado, uma ordem judicial determinando a abertura do inquérito.

De acordo com notícia do jornal britânico The Guardian, o primeiro dia de investigação já está sendo bem movimentado. Os primeiros relatos dão conta de que Litvinenko já tinha sofrido uma tentativa de envenenamento por seus ex-colegas da KGB semanas antes do envenenamento fatal. Até o fim dos seus dias, ela também teria sustentado que Putin foi quem ordenou sua morte.

Litvinenko trabalhava para o serviço secreto russo. Ele teria desistido da função quando foi ordenado que matasse o empresário Boris Berezovsky. Em 1998, o espião denunciou corrupção dentro da KGB e passou a ser perseguido pelo governo russo, até fugir para Inglaterra e conseguir asilo. Litvinenko adoeceu pouco depois de se reunir, em Londres, com ex-colegas da KGB. No hospital, foi constatado o envenenamento por substância radioativa.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de janeiro de 2015, 13h45

Comentários de leitores

2 comentários

Futurologia

Tiago Correa (Estudante de Direito - Previdenciária)

"Ele morreu acusando o presidente Vladimir Putin de ser o responsável pela sua morte."

Antes tarde do que nunca.

Rafael Kilmister (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Com os russos não se brinca.
O finado foi colega de Putin na época da KGB.

Comentários encerrados em 04/02/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.