Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

“Métodos clássicos”

Novo advogado de empresário descarta delação na “lava jato”

Por 

Ao assumir a defesa do empresário Fernando Soares, acusado de ter intermediado propina em contratos da Petrobras, o criminalista Nelio Machado declarou que seguirá os “métodos clássicos” da advocacia, sem aceitar acordos de delação premiada. Com severas críticas ao andamento de processos ligados à operação “lava jato”, ele alega que o Ministério Público Federal tem forçado colaborações, que acabam sendo consideradas como verdade.

“O MPF deveria atuar como fiscal da lei, não constranger pessoas e pedir prisões para pressionar acordos. Delações devem ser atos voluntários e não servem como única prova. Quem aceita sempre pode suprimir algo para melhorar sua imagem”, afirmou à revista Consultor Jurídico. “Nos meus mais de 40 anos de profissão, sigo o catecismo de que advogado não pode abdicar de direitos”, disse ele, em alusão a acordos que impedem réus de apresentar recursos a instâncias superiores, por exemplo.

Machado (foto) define ainda a prisão preventiva de seu cliente como “desnecessária” e planeja na próxima semana apresentar pedido de Habeas Corpus. Fernando Soares está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba desde novembro. Outras tentativas de HC já foram negadas.

Ex-defensor público da Justiça Militar Federal, ex-conselheiro federal da OAB e autor de livros sobre processo legal, Nelio Machado é o mais novo criminalista de renome a entrar na “lava jato”. Nomes como Alberto Zacharias Toron, Arnaldo Malheiros Filho, Celso Vilardi, José Luis Oliveira Lima e Marcelo Leonardo já defendem réus, fazendo pontes aéreas recorrentes à capital do Paraná.

Sondas sob suspeita
Fernando Soares, conhecido como Baiano, é acusado de ter recebido propina do empresário Julio Gerin de Camargo, que seria destinada ao ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. O crime, segundo o MPF, ocorreu em contratos da estatal para a compra de sondas para perfuração marítima. Camargo, que aceitou a delação, admitiu o pagamento de US$ 30 milhões a Fernando.

Machado diz que seu cliente não cometeu crime ou praticou atividades lícitas. Segundo o antigo advogado de Soares, Mário de Oliveira Filho, ele comandava duas empresas especializadas em “detectar” negócios e intermediar a relação entre companhias, sem “relação íntima” com diretores da Petrobras.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de janeiro de 2015, 20h37

Comentários de leitores

1 comentário

Desejo-lhe o insucesso

Luciano Alves Nascimento (Advogado Autônomo - Administrativa)

Tomara que dê tudo errado para esse corruptor e seu advogado, pois este país já não suporta mais essa maldita impunidade. Espero ver belas condenações no fim desse caso, se possível acima dos vinte anos de reclusão.

Comentários encerrados em 24/01/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.