Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

República dos bacharéis

Excesso de cursos de Direito não impede o bom profissional de ter sucesso

Por 

O apelido "república dos bacharéis" parece nunca ter sido tão atual. O Brasil forma, por ano, mais de 120 mil profissionais do Direito. Se considerarmos somente aqueles aprovados no Exame de Ordem da Ordem dos Advogados do Brasil, condição necessária para exercer a advocacia, são mais de 50 mil por ano.

Diante desta realidade e do grande número de faculdades de Direito, uma coisa é certa: o mercado está saturado. Além disso, esse excesso de profissionais — muitos formados em instituições de ensino de qualidade questionável — traz prejuízos à profissão.

Marcus Vinícius Furtado Coêlho, presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, aponta consequências como o aviltamento dos honorários e o desrespeito às prerrogativas funcionais. A OAB, segundo Coêlho, tem atuado para tentar minorar as dificuldades provocadas pela crise na profissão.

"Haverá uma deterioração do reconhecimento do advogado pela sociedade", afirma José Horácio Halfeld Rezende Ribeiro, presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo (Iasp).

"Reconhecer o problema é fundamental para tentar superá-lo. A valorização do advogado é fundamental para o cidadão ser respeitado no sistema de Justiça. Apesar de todas as dificuldades, a advocacia é a mais bela profissão do planeta. Nela contribuímos para a construção de um mundo melhor", diz Furtado Coêlho.

Um dos pontos em que a Ordem tem atuado é em relação ao número de faculdades. Atualmente, para que seja aberto um novo curso de Direito, basta a instituição de ensino ter autorização do Ministério da Educação (MEC), sem ser necessário o aval da OAB. 

José Horácio lembra que a maioria das faculdades foram autorizadas contra a vontade da OAB, que deu parecer contra novos cursos. Porém, como o parecer não era vinculativo, o MEC autorizava. "A negativa da OAB sempre se baseou em pareceres das comissões de ensino jurídico composta por especialistas que atestavam objetivamente as condições da proposta. Portanto, a situação é muito mais grave, pois sempre houve a demonstração da ausência de condições pela OAB. É a falência decorrente de uma ausência de política pública na área da Justiça", afirma.

Uma consequência que comprova a falta de qualidade dos cursos em Direito é a aprovação no Exame de Ordem. Além da alta taxa de reprovação em todo o país, há um mercado de cursos preparatórios para este exame.

"Os cursos preparatórios ao Exame de Ordem demonstram, apenas por sua existência, a falta de qualidade de boa parte dos cursos de Direito. preferimos que os cursos jurídicos cumpram seu papel de preparar técnica e eticamente o profissional do Direito", diz Furtado Coêlho. Para ele, somente a faculdade de Direito deveria ser suficiente para aprovação no exame.

Para Leonardo Sica, presidente da Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp), o único caminho para corrigir essa distorção entre o número de formados e a capacidade de absorção do mercado é o fechamento de cursos. "Não vejo outra alternativa", afirma.

Apesar das consequências negativas, o presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Técio Lins e Silva, afirma que há mercado para os novos bacharéis em Direito, mas somente para aqueles que tem vocação para o ofício e que souberem se preparar para a profissão.

"O mercado não é um ente abstrato a absorver profissionais por número e quantidade; o mercado é muito exigente e quer profissionais, além de vocacionados, preparados para o ofício, atualizados com a doutrina e a jurisprudência  predominante na área que escolher para a sua atuação", afirma.

Presidente eleito da OAB do Rio Grande do Sul, Ricardo Breier, destaca a importância dos cursos de Direito para o país: "Para a Ordem, a qualidade do ensino jurídico no país transcende em muito a questão da advocacia ou da correta tutela dos direitos dos jurisdicionados, mas sim configura-se em verdadeira questão de Estado, e das mais relevantes. Afinal, um dos poderes da República é composto exclusivamente por bacharéis em Direito, o Judiciário. Idem o Ministério Público, fiscal da lei. No Executivo e no Legislativo, nenhum ato importante é tomado sem prévia consulta às procuradorias. Afora isso tudo, emerge a defesa dos direitos dos cidadãos feita pela advocacia privada e pelas defensorias públicas. Ora, resta claríssima a centralidade e a relevância estratégica do ensino jurídico, motivo pelo qual a OAB tanto se preocupa com a questão", afirma. 

Além da advocacia
O mercado para bacharéis em Direito é amplo, indo muito além da advocacia. Este é um dos grandes atrativos do curso. Com salários bons, que começam na faixa dos R$ 15 mil, há concursos específicos para bacharéis em Direito como delegado, promotor do Ministério Público, juiz, advogado público e outros.

Para muitos, a falta de mercado na advocacia torna estas profissões concursadas um escoadouro natural para bacharéis. Na prática, no entanto, o caminho não é tão simples. Para José Horácio, do Iasp, as carreiras públicas sempre foram um atrativo da área, porém, o filtro de ingresso sempre foi rígido e o número de vagas tende a não aumentar muito mais do que o normal. "Poderá haver um maior número de pessoas interessadas, mas isso não aliviará a pressão dos profissionais da iniciativa privada", diz.

Leonardo Sica lembra que a crise econômica que passa o país requer contenção dos gastos públicos, o que deve resultar menos vagas de concurso. Para ele, o caminho para encontrar trabalho para tantos profissionais do Direito é outro: criatividade, inovação, conhecimento. "Eles precisam atribuir novos significados ao seu diploma, incrementar sua formação e adquirir novas habilidades, especialmente para representar os direitos e interesses da cidadania diante de um sistema de Justiça saturado, congestionado".

Técio Lins e Silva ressalta que há muitos que se formam em Direito pela vocação pelas outras possibilidades, que não a advocacia, e que isso deve ser valorizado. "Ser um bom defensor público, um promotor de Justiça consciente do seu papel social de fiscal do direito e de sua fiel execução, ser um juiz garantista que exerça a sua atividade consciente do papel social de distribuir Justiça, não me parece 'cair no colo' do serviço público. Um delegado de polícia que exerça sua profissão em defesa das garantias constitucionais, ou qualquer outra função jurídica como procuradores autárquicos e outras atividade mais, são todas elas atividades nobres para a garantia e vitalidade de nossas instituições", afirma.

Aprendizado na prática
Nascido em uma família tradicionalmente ligada à advocacia, Lins e Silva defende que mais que ir para a faculdade, para se tornar um bom advogado é necessária a prática e muito estudo. "Nada substitui um bom estágio e o estudo permanente. Acompanhar a jurisprudência predominante sobre os assuntos de seu interesse é um exercício primoroso!"

Seus ensinamentos são baseados em sua própria história. Ele conta que sua família foi praticamente toda para a advocacia, porém, nem sempre foram os considerados bons alunos, muitas vezes frequentando pouco a faculdade.

"Eu mesmo do terceiro ano em diante só ia fazer as provas...
Mas estagiava. Estreei no Júri, acompanhado de advogado, claro, no segundo ano da faculdade, em 1965, com 20 anos de idade". Experiência, diz ele, que vale mais do que anos de ensino nas carteiras de uma instituição. "O ensino formal nunca, infelizmente (dói dizer isso), nunca revelou o bom advogado. Mas a faculdade, sim, a vida acadêmica, a militância na política estudantil e nas atividades do Diretório Acadêmico ajudam a formar a têmpera de um verdadeiro advogado", narra.

Conselhos de quem sabe
Diante de tantas dificuldades atuais, os presidentes de associações de advogados dão conselhos para aqueles que querem entrar no ramo do Direito:

"Seja um vocacionado, realize seu sonho. Colabore com a construção de um país justo, realize um curso de qualidade e seja diferenciado por sua capacidade. Acorde bem cedo e durma bem tarde, se dedicando a tarefa de trabalhar na profissão. Não há sucesso sem sacrifício, sem trabalho árduo, sem dedicação. Ser feliz é realizar os sonhos. Venha participar da dor e da delícia de ser membro da mais essencial e bela profissão, responsável por assegurar dignidade ao cidadão, de buscar respeito à liberdade e aos bens das pessoas e de edificar uma sociedade justa". — Marcus Vinícius Furtado Coêlho, presidente do Conselho Federal da OAB.

"O Direito é um ótimo campo de trabalho, mas diferente: antes éramos artesãos, agora somos operários. Para ser bem-sucedido, é necessário ter uma boa graduação seguida de incessante formação pós-graduação". — Leonardo Sica, presidente da Aasp.

"A carreira do Direito não é uma profissão qualquer, para ser apenas um meio de ganhar dinheiro. É necessário ter a dimensão de que vocação é fundamental pela função social relevantíssima que é exercida. O sucesso será uma decorrência natural do constante estudo e comprometimento a longo prazo". — José Horácio, presidente do Iasp.

"Amar o Direito, amar a liberdade, respeitar a ética e os preceitos de cada atividade jurídica, seus predicamentos e prerrogativas. No mais, estudar, estudar, estudar e estudar! O sucesso virá, mais dia menos dia!" — Técio Lins e Silva, presidente do IAB.

"Estude muito e nunca se aparte de um rígido padrão ético de comportamento. Tais princípios estão bem insculpidos do Estatuto da Advocacia e no Código de Ética, os quais recomendo a leitura. O Direito é, sem dúvida alguma, a mais admirável e complexa de todas as invenções do prodígio humano. Por detrás das leis estão os valores supremos da humanidade, e sua aplicação à realidade fática no dia a dia requer rigor científico e a busca incessante dos mais elevados princípios que norteiam a sociedade, das quais destaco os dois elementares: a segurança jurídica e a dignidade da pessoa humana. Deveras, a soma deles é o que costumamos denominar paz, aquilo que todo ser humano busca na face da terra. Penso assim: o advogado é aquele que, com seu labor diário, busca diligentemente a paz entre as pessoas. Há profissão mais encantadora do que essa? A advocacia é um sacerdócio e, como tal, requer dedicação e vocação extremadas" — Ricardo Breier, presidente eleito da OAB-RS.

*Notícia alterada às 15h20 do dia 30/12 para acréscimos.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2015, 9h10

Comentários de leitores

16 comentários

Daí a oab empurra a paj

Corradi (Advogado Autônomo - Civil)

Realmente, opinião de dirigentes que pouco precisam advogar. Esfregar a barriga no balcão. Includive confessando ter sido mau aluno, que só ia na faculdade nos dias de provas. Igual aos alunos de hoje, que ficam nos botecos em frente às faculdades. Dai a OAB, para dar um 'cala a boca', fica fingindo brigar pela PAJ. Acho que é para garantir ao menos o salário mínimo ao advogado que terá de pagar a absurda anuidade. A advocacia acabou, faliu.

A mais bela e essencial das profissões!

Eric Furtado (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Excelente texto que retrata com maestria a realidade das profissões de direito e, em especial, a da advocacia, sem olvidar da problemática dos inúmeros e questionáveis cursos de direito.

Inicialmente, não posso deixar de ressaltar que a profissão não pode ser medida exclusivamente pelo sucesso financeiro ou pelo sobrenome que o profissional ostenta.

De fato, qualquer dos profissionais de direito deve ter seu sucesso medido, em primeiro lugar, pelo alcance de seu ofício àqueles que necessitam de sua vocação. O dinheiro deve vir como consequência e nunca como causa, e um sobrenome não vence demandas.

Escorar o fracasso profissional nestas "justificativas" é enganar a si mesmo. Em 20 anos de advocacia e magistério superior nunca vi um único bom bacharel sem reconhecimento profissional, e em raríssimas ocasiões encontrei um profissional descomprometido galgando alguma posição. Não é diferente em qualquer outra profissão.

Noutro lado, não há dúvida que a proliferação dos cursos de direito tem diminuído o brilho das profissões de direito, mas em nenhuma hipótese este argumento pode ser usado individualmente para justificar o insucesso profissional de quem quer que seja. Explico.

O bom profissional de direito não é formado em determinada faculdade, mas esculpido pelo seu próprio esforço, comprometimento, com muito estudo, treinamento (estágio) e vocação.

Não há dúvida que uma boa faculdade de direito ajuda e muito, mas não é determinante. Temos péssimos bacharéis em boas faculdades e ótimos em cursos questionáveis.

Todavia, não resta dúvida que o bacharel vocacionado, treinado e estudioso, em regra, será um ótimo profissional do direito e terá sucesso. Isto sim é determinante!

Tenso

Elandia (Outros)

É muito fácil dizer que alguém terá um futuro brilhante na carreira jurídica quando se nasce em "berço de ouro", agora tente brilhar quando você tem a seu favor apenas o seu conhecimento! O fato é que os senhores que se dispuseram a falar na reportagem, todos puderam contar com o popular "QI",aí é bom demais da conta como diriam os mineiros...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/01/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.