Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Concilia Rio

Iniciativa do CNJ elimina 250 mil execuções fiscais, diz corregedora

Por 

Mais de 250 mil execuções fiscais foram retiradas do Poder Judiciário nos estados por onde passou o programa nacional de governança diferenciada dessas ações, que é promovido pelo Conselho Nacional de Justiça. A estimativa foi divulgada pela corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, no encerramento do mutirão de negociação fiscal promovido pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro em parceria com o órgão de planejamento da Justiça e a prefeitura. No estado fluminense, a iniciativa resultou na arrecadação de R$ 1,7 bilhão de tributos atrasados e na baixa de 87 mil processos de cobrança em curso no TJ.

Concilia Rio deu descontos de até 60% no pagamento de tributos atrasados.
Brunno Dantas/TJ-RJ

O mutirão já passou pelo Distrito Federal, Mato Grosso e Pernambuco. No Rio, a iniciativa foi regulamentada pela Lei 5.584/2015 e batizada de Concilia Rio. Nos 12 dias do programa, o contribuinte pode negociar o pagamento de tributos municipais inscritos em dívida ativa, como o IPTU, o ISS, o ITBI e multas administrativas com até 60% de desconto nos juros no caso de pagamento a vista. Já na quitação de forma parcelada, os descontos variaram de 10% a 40%. Mais de 30 mil pessoas, a maioria física, passaram pelo Centro de Convenções Sul América, no Centro, onde o evento aconteceu.

“O impacto é positivo. Quando se diminuiu esse tipo de ação, o juiz pode se dedicar às questões mais complexas. Ao tirarmos as execuções fiscais, aliviamos o tempo do magistrado, fazendo com ele atenda as prioridades”, afirmou a ministra. Nancy tinha à espera dela cerca de 40 prefeitos de outras cidades do Rio, interessados em ingressar no programa de governança diferenciada das execuções fiscais do CNJ.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, disse que o mutirão sairá do centro de convenções, mas continuará nas varas de execução fiscal do TJ e em mutirões pontuais, que serão promovidos em diversos bairros da cidade. “Vamos estender o prazo. Percebemos que tem muita gente interessada. Se criarmos facilidades, o sucesso [da iniciativa] será maior ainda”, afirmou. 

 é correspondente da ConJur no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 28 de agosto de 2015, 15h05

Comentários de leitores

2 comentários

Salutar, porém incompleta essa solução

Everson Mendes (Advogado Sócio de Escritório - Comercial)

A solução de conciliar buscar o recebimento dos valores dos contribuintes faltosos é salutar, porém essa mesma iniciativa tem que ser uma via de mão-dupla, ou seja, fazer com que parte desses valores sejam devolvidos pelo pagamento dos PRECATÓRIOS em atraso, que perduram por anos a fio sem solução imediata, então assim, como se agiliza a entrada de dinheiro nos cofres do Estado, o Poder Judiciário deve moralizar o pagamento das dívidas pelo mesmo, uma vez que decisões aplicadas, caem em descrédito com a inadimplência do Estado.

Negócio vantanjoso para os municipios

DAGOBERTO LOUREIRO - ADVOGADO E PROFESSOR (Advogado Autônomo)

A proposta posta em prática pelo CNJ, data vênia, favorece apenas os Municípios, que abrem mão apenas, e no máximo, de 50% dos juros de mora, que estão sendo cobrados – abusivamente, diga-se de passagem – em 1% (um por cento) ao mês, um rendimento que nenhuma outra aplicação tem no mercado brasileiro. Veja-se que a poupança rende mal e porcamente 6% (seis por cento) ao anos, os depósitos bancários nada rendem aos correntistas e os investimentos ficam longe desse limite.
Como resultado, a imoralidade campeia, pois os Municípios, que contam os juros de mora a partir da constituição do débito (outro absurdo), altamente favorecidos por juros tão elevados, demoram para propor as execuções, que são jogadas no Judiciário e esquecidas: quanto maior a demora para a cobrança, maior o débito a ser pago, um verdadeiro confisco.
Mas não é só isso: cobram multa moratória também extorsiva e honorários advocatícios de 10% (dez por cento) mesmo na fase administrativa, outra irregularidade, pois essa verba só seria devida, em princípio, quando do ajuizamento da demanda.
No caso do IPTU, o próprio valor do tributo deve ser questionado, na maioria dos casos.
Recomendo a todos que questionem esses valores perante o Poder Judiciário. Assim, o CNJ deveria aperfeiçoar sua proposta, procurando beneficiar os contribuintes, esfolados e depauperados por essa prática nociva e daninha.

Comentários encerrados em 05/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.