Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Conduta imoral

Promotor que ameaçou criança com down
e atirou em cunhado é exonerado

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) determinou que o Ministério Público da Paraíba exonere o promotor Carlos Guilherme Santos Machado. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (25/8).

Machado é acusado de, em 2009, atirar no pé do irmão de sua então namorada. A polícia afirma que, na ocasião, o promotor foi à casa dela chamá-la para sair. Diante da recusa da mulher, ele tentou forçar a entrada no local, chegando a apontar a arma para a cabeça de uma criança portadora de síndrome de Down. Nisso, o irmão de sua namorada reagiu, e acabou sendo atingido.

Na decisão, os conselheiros do CNMP afirmaram que a aptidão jurídica não basta para que alguém integre o MP. Segundo eles, é preciso, além disso, ter idoneidade moral e disciplina, o que não se aplica apenas à vida pública dos promotores, mas também à particular. No entendimento do CNMP, Machado não preenche os requisitos morais para obter estabilidade no cargo.

“Não há como justificar às pessoas simples de Cajazeiras-PB (...) a permanência, nos quadros do Ministério Público, de promotor de Justiça que, trajando somente bermuda, descalço e sem camisa, visivelmente alterado, tenta forçar sua entrada em uma casa contra o consentimento de seu possuidor legítimo, participe de discussão e a encerre disparando um tiro no pé de quem tão somente estava a defender seu legítimo direito constitucional de inviolabilidade da moradia, e tudo isso na presença de criança de 10 anos, portadora de síndrome de Down, que restou traumatizada pelo episódio (...)”, opinaram os conselheiros.

Para restaurar a reputação do MP da Paraíba, o CNMP acolheu a impugnação ao vitaliciamento de Machado e determinou sua imediata exoneração.

Clique aqui para ler a íntegra da decisão.
PAA 535/2012-22

Revista Consultor Jurídico, 25 de agosto de 2015, 15h24

Comentários de leitores

8 comentários

A trilogia do desastre

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Arma no cinto de Promotor; gilete na mão de criança e microfone na boca da presidente Dilma. Desastre anunciado!

Que figura!

Paulo M. F. (Advogado Autônomo)

Fico imaginando que tipo de sujeito aponta um revólver contra a cabeça de uma criança?!

...

Alex Herculano (Assessor Técnico)

Corretíssimo, "palpiteiro da web", com exceção do porte ilegal.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.