Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Alegações finais

Nenhuma prova foi colhida contra Vaccari, diz defesa em alegações finais

Por 

Não existe qualquer prova que sustente a denúncia por lavagem de dinheiro contra João Vaccari Neto, tesoureiro afasto do PT. Segundo as alegações finais do advogado do petista, Luiz Flávio Borges D'Urso, a denúncia se baseia apenas em delações premiadas.

Vaccari é um dos investigados na operação "lava jato". Ele é acusado de ser um dos operadores do dinheiro pago por empreiteiras contratadas pela Petrobras. A defesa de Vaccari protocolou nesta terça-feira (25/8) suas alegações finais à 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, antes da sentença de mérito. O petista está preso preventivamente desde abril deste ano.

Segundo D'Urso, o processo tem base apenas em delações premiadas do doleiro Alberto Youssef, Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, e do ex-dirigente da Toyo Setal Augusto Mendonça Neto. “É sempre bom advertir que a lei proíbe que uma sentença condene alguém exclusivamente com base em delação premiada”, afirma D’Urso.

A defesa ainda sustenta que, apesar disso, ficou demonstrado que as delações não incriminam Vaccari porque Youssef, que é réu na operação, disse que nunca esteve com Vaccari ou entregou qualquer quantia. Da mesma forma, diz a defesa, Barusco afirmou “taxativamente” que nunca soube se Vaccari recebeu algum dinheiro. Augusto Mendonça se limitou a afirmar que Vaccari indicou a conta do PT para depósitos de doações e que ele não sabia a origem dos recursos.

“Nas 270 páginas da acusação do MPF, somente 12 referem-se a Vaccari, sendo que em nenhuma dessas referências foi apresentada uma prova sequer contra ele, o que obriga a sua absolvição”, diz D’Urso.

Em preliminar, a defesa sustentou a nulidade por incompetência do juízo da 13ª Vara Criminal para julgar esse processo, além de afirmar que houve cerceamento da defesa de Vaccari. Quanto a sua prisão preventiva, a defesa volta a afirmar que jamais existiram razões para sua decretação, insistindo no pedido de liberdade de Vaccari.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de agosto de 2015, 22h22

Comentários de leitores

2 comentários

D'Urso foi fantástico

Luiz C. Souza (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Por estas e muitas outras que eu tanto admiro nosso nobre Luiz Flávio Borges D'Urso. Competente também quando defendeu a Advocacia Bandeirante presidindo a OABSP. Foi direto nos autos do processo. A "otoridade" do S. Moro que se cubra. D'Urso não é fraquinho e nem tem rabo preso com juizes, desembargadores ou ministros do STF/STJ...

Absurdo

JB (Outros)

É um absurdo essa nossa justiça julgar uma pessoa por achar, domínio e agora com essa tal de delação, já não se colhe provas documental, cadê a justiça, estamos muito longe de termos uma justiça justa.

Comentários encerrados em 02/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.